Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Por onde andará o Wallace? Autor(a): Walquiria - Conheça esse autor
História publicada em 24/02/2015
Prestava ajuda como voluntária em uma escola estadual, na qual eu conversava com os pais o significado da APM escolar e para que servia.
 
Eu participava ativamente das festas, sempre com intuito de arrecadação para pequenas reformas e melhorias na escola que eram sempre mostradas a todos. Certo dia, entrei na sala da diretora e me deparei com um menino negro, do qual só se via ressaltado o branco dos olhos e o suor que brilhava em sua testa.
 
Ele tinha uns 10 anos mais ou menos e um medo penetrante nos olhos. Eu sem saber o motivo dele estar lá, óbvio que estar na diretoria naquela situação, teria que ser por algum grave motivo, tive uma luz imediata em dizer para a diretora que era uma emergência e que precisava falar com ela em particular.
 
A diretora saiu longe da sala e eu perguntei o que estava acontecendo. Ela disse que ele era um péssimo aluno, brigava e agredia os colegas e ela tomou a decisão de suspendê-lo, até a vinda de sua mãe na escola. Como ela nunca apareceu, ele ficaria afastado por um bom tempo dando sossego a todos.
 
Pedi para falar com ele e fiquei muito penalizada quando ele me disse que os meninos o chamavam de macaco e andavam igual a um em volta dele para todos rirem e debocharem... 
 
Pedi à diretora que me desse uma chance em ajudá-lo a superar isso e ela muito a contra gosto permitiu.
 
Naquele dia, levei o Wallace para casa em meu carro e descobri que sua precária moradia era uma fábrica antiga e abandonada no qual umas vinte famílias se agruparam.  Sua mãe tinha mais 5 filhos e aquela pobreza desleixada sem nenhuma luz no fim do túnel,mas senti que ela amava os filhos...
 
Conversei com os dois, mãe e filho e prometi ajudá-los. Comecei comprando camisetas do uniforme com o emblema da escola,  mochila, material escolar, tênis novo, abrigo de inverno e marquei de buscá-lo no sábado para irmos ao McDonalds. Disse a ele que poderia levar os dois irmãos maiores, com 5 e 7 anos, pois os muito pequenos não dava para levar.
 
Nunca mais esqueci o olhar de felicidade daquelas crianças dentro da lanchonete. Depois fizemos um passeio pelo Museu do Ipiranga e a tarde ao levá-los de volta um deles me perguntou:
 
- Tia o que você é do meu irmão? 
 
E eu disse:
 
- MADRINHA!
 
E assim, apadrinhei aquele menino sofrido, indo uma vez por semana buscá-lo na escola e levá-lo de carro em casa. E isto, era a glória para ele.
 
Fazia compras de guloseimas em um atacadista, e deixava ele e as caixas em frente a sua moradia, vendo brilhar um olhar de orgulho naqueles olhos tão tristes.
 
Na Páscoa, montei uma cesta cheia de ovos, com um bem grande no meio, fiz um lindo embrulho de celofane com um laço de fita enorme e assim fui, pedindo licença, entrei na classe e dei a ele dizendo: “Você merece!”. Todos ficaram maravilhados e eu novamente me apresentei: “Sou a madrinha dele!”.
 
Ele passou naquele ano. E no ano seguinte, continuei meu acompanhamento escolar e a minha ajuda. Chegou a semana do Natal, eu fui cheia de presentes e surpresas visitá-lo, mas recuei sem acreditar no que via... só escombros... Derrubaram o prédio e nenhum vizinho me informou mais nada.
 
No ano seguinte, fui para outro lugar e não voltei mais naquela escola. Pensava sempre... por onde anda o Wallace? A vida continuou e alguns anos depois, minha filha encontrou no supermercado uma funcionária da escola que a reconheceu e disse: “Fale para sua mãe que o Wallace esteve na escola apenas para mandar dizer a ela que eles conseguiram uma moradia na comunidade de Guarulhos. Que ele estava trabalhando em um buffet de festa infantil, junto com sua irmã mais velha e que a mãe dele trabalhava no mesmo lugar de faxineira.”
 
Ele queria muito que eu soubesse disso.
 
Fiquei muito tempo extasiada com esta tão linda notícia. Para mim, foi uma felicidade interior tão grande que muitas vezes ria sozinha quando lembrava... 
 
De vez em quando eu ainda me pergunto: Por onde andará o Wallace?
 
E-mail: [email protected]
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 26/02/2015

Walquiria ja e madrugada aqui donde moro e acabei de ler tua cronica sobre o Wallace . Nao posso deixar para amanha para fazer um comentario sobre esse texto . Desde que li a algum tempo atras a primeira cronica tua (que eu li) aquela das cartas enviadas ao papai noel , notei que tens uma boa alma . Eu sempre uso aquele velho ditado "Quem Da Aos Pobres Empresta a DEUS" e esse e o teu lema sempre, Parabens ! sempre fazendo o bem sem ver a quem.Este mundo em que vivemos se torna cada vez mais cheio de desiqualdades e de descriminacao . Fiquei emocionado com teu texto , e quanto ao Wallace tenho certeza estara sempre lembrando do bem que voce lhe fez . Vou te enviar um historia no teu endereco que voce vai adorar , nao se assuste com o titulo somente leia e veja a realidade dos nosso tempos de hoje. Abracos cordiais . Felix

Enviado por João Felix - [email protected]
Publicado em 25/02/2015

Walquiria, parabéns, parabéns, Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - [email protected]
Publicado em 24/02/2015

Walquiria: linda passagem de vida!

Fazer o bem ao próximo só faz bem.

E por isso tudo, parabéns.

Heitor

Enviado por Heitor Iório - [email protected]
Publicado em 24/02/2015

parabéns pela sua ajuda ao menino.

O WALLACE,ESTA ANDANDO PELA VIDA,

Enviado por João Cláudio Capasso - [email protected]
Publicado em 24/02/2015

Sempre haverá Wallace(s) vagando pelas passagens da vida; Walquíria; provavelmente só voce.......Abraço....

Enviado por Luiz C. Peron - [email protected]
Publicado em 24/02/2015

Walquiria, você sempre surpreende com belos textos e mostrando seu lado humano. Parabéns pela atitude!

Enviado por Valdecir Donizeti de Oliveira - [email protected]
« Anterior 1 2 Próxima »