Leia as Histórias

Categoria - Personagens Crepúsculo de uma lenda Autor(a): Alfred Delatti - Conheça esse autor
História publicada em 17/06/2014
O filho de Dona Angelina e do velho Kid aos poucos vai descendo do ringue e as luvas gloriosas buscam já seu lugar entre os símbolos dos grandes.
 
Talvez não exista em nosso Brasil, que idolatra tantas coisas efêmeras e vazias, um valor tão verdadeiro e tão autêntico quanto ele.
 
Na luta de 18 de agosto de 1960, quase se entregou, mas algo do profundo valor dos verdadeiros heróis fez que aquele momento perdido resplandecesse para a glória.
 
Como pode o herói esquecer seus feitos e os momentos que modificaram grande parte de nossa história de povo periférico no palco mundial?
 
Como pode que a casa em que mora deva ser sinalizada com os nomes das coisas para que o herói não se perca?
 
O marido enamorado de Cidinha (hoje no céu) parece que perdeu a vontade de viver e se refugiou no mundo misterioso dos silêncios.
 
O filho ilustre do Parque Peruche, jamais deixou a candura e simplicidade de ser, mesmo tendo sobre a fronte os louros eternos dos verdadeiros campeões.
 
Poderemos, o Brasil, restituir a ele apenas um pouco da glória que nos deu?
 
Lembro, nos ombros de meu pai, seu desfile pela Av. Rudge, quando voltou de Los Angeles com o cinturão que faiscava refletindo o sol daquela manhã!
 
Dizem que até a foto desse momento não consegue identificar!
 
O pai amoroso de Marcel e Andrea vai aos poucos se retirando, sua figura alquebrada, 78 anos, magro, apenas ilude quem que só com os olhos consegue ver.
 
Sua sombra na parede refletida alonga-se como a de um gigante envolto na bandeira do Brasil.
 
Eder Jofre!
 

 

E-mail: [email protected]
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 22/06/2014

Infelizmente a nossa memoria e muito curta.

Foi um grande lutador.

Bem lembrado.

abraco

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - [email protected]
Publicado em 20/06/2014

Encontrei-me casualmente com Eder Jofre a mais ou menos três ou quatro anos ...ele estava saindo de uma agencia do Banco do Brasil na Avenida Paulista...Quando o vi saí correndo para comprimenta-lo...Ele com ,a humildade e gentileza que sempre teve parou e trocamos algumas palavras...Ele perguntou a minha idade e eu respondi, "65 Eder " ele complementou, "somos da mesma geração" e foi embora sorrindo....Fique muito emocionado.....Em 31 de julho de 2009 escrevi neste site uma homenagem a ele com o titulo " 0 Grande campeão " leia, você vai gostar.

um abraço Alfred

Enviado por Luiz Gonzaga Simões Garcia - [email protected]
Publicado em 19/06/2014

Este foi realmente um dos maiores do Mundo

Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - [email protected]
Publicado em 18/06/2014

O maior boxeador brasileiro de todos os tempos, Eder “Zumbano” Jofre, nasceu em uma família de pugilistas: tanto por parte do pai, Kid Jofre (Aristides Pratt Jofre, chegou ao Brasil em 1928, oriundo de Buenos Aires, Argentina ) como por parte da mãe Angelina Zumbano, da família dos pugilistas Waldemar Zumbano, Ralph Zumbano e Antonio Zumbano (Zumbanão) Waldemar Zumbano foi técnico da equipe brasileira de boxe para os Jogos Pan-Americanos de 63.

Enviado por Carlos Fatorelli - [email protected]
Publicado em 18/06/2014

Bela homenagem, Delatti. Parabéns.

Enviado por Abilio Macêdo - [email protected]
Publicado em 18/06/2014

Delatti, mais uma história sobre nosso maior idolo do box, em forma de poesia, ele merece ser lembrado sempre, muito bom, Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - [email protected]
Publicado em 17/06/2014

Delatti, Eder Jofre foi um dos maiores lutadores de boxe que eu vi lutar, verdadeiro campeão, infelizmente a idade é implacável e a memória do brasileiro é muito curta, parabéns pelo texto.

Enviado por Nelinho - [email protected]
Publicado em 17/06/2014

Muito bonito o seu relato. Emocionante, Delatti. Não é fácil mesmo!!! Certas dores ficam cravadas no peito e não tem jeito: não saem. Um abraço.

Enviado por Vera Moratta - [email protected]
Publicado em 17/06/2014

Não quero, em absoluto, manifestar um comentário sequer, diante de tão bela e carinhosa homenagem a um grande lutador. Parabéns, Delatti.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »