Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Cansada de ouvir gracejos... Autor(a): Walquiria - Conheça esse autor
História publicada em 16/06/2014
Assistindo um programa na TV sobre as cantadas dos homens, ou de alguns deles, nas ruas de São Paulo, que são de um mau gosto ou de um desacato total, sem contar o constrangimento que isto ocasiona para as mulheres. Aí eu lembrei de um fato pitoresco quando morava no Jardim da Saúde, Zona Sul, e cortava o cabelo em um salão de cabeleireiro cuja proprietária era bem vistosa, com roupas apertadas, muito falante e por isso chamava muita atenção por onde passava...
 
Ela era muito trabalhadora e descente, mas sua figura exuberante fazia com que ela não passasse despercebida e por isso sempre encontrava mal educados ou até mesmo cafajestes em seu caminho, lhe dizendo gracejos na qual ela ficava furiosa e reclamava sempre... Ela buscava seu filho de cinco anos todos os dias às 5h30min em uma escolinha perto do salão e passava em frente a um ponto de ônibus, onde tinha sempre um sujeito muito grosseiro que não deixava de lhe dizer alguma gracinha. Depois de algumas repetidas vezes, ela passou a atravessar a rua quando chegava próximo ao ponto do ônibus, mas do outro lado havia uma imensa obra e as coisas ficavam pior.
 
Decidida a terminar com isso ela pensou... Pensou... E tomou uma atitude hilária. Colocou uma roupa bem extravagante e saiu decidida a tudo e com muita coragem foi chegando perto do sujeito no ponto do ônibus. Falando bem alto e com agressividade pegou ele pelo braço e disse: “Seu Gostoso... T...ão... Agora você vem comigo para experimentar tudo o que já me disse. Vem, anda logo que você vai ter uma surpresa. Vem!”. E foi puxando quase arrastando o sujeito pelo braço. Quando viu que ele se assustou, ela continuou mais alto: “Vem, não foge não!”.
 
O homem atravessou a rua e... Sumiu! Disse ela que nunca mais o viu esperando o ônibus naquele ponto. Ela acha que ele mudou de lugar, assustado com a doidera dela ou com vergonha dos outros usuários desta condução, mas que ele sumiu do pedaço sumiu mesmo.
 
E-mail: [email protected]
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 20/08/2014

Walkiria, endereçar olhares de admiração p/ as mulheres, enviar palavras de que são galanteios é realmente até agradavel porem aqueles que desconhecem este tipo de conduta é deveras triste, sua amiga quando o agarrou deveria sim ir direto a delegacia, Parabens prá voce e prá tua amiga cabeleleira. [email protected]

Enviado por João Marquezin - [email protected]
Publicado em 23/06/2014

Gostei da reação dela, mas acho que foi algo imprudente, que poderia ter ocasionado um final bem diferente e até mesmo desfavorável. Mas enfim... Águas passadas não movem moinho.

Enviado por Arthur Miranda (Tutu) - [email protected]
Publicado em 20/06/2014

O Modesto tem muita razão hoje em dia são as mulheres que se jogam e cantam os homens,mas eu acredito que é uma faixa mais jovem,as com mais idade ainda são mais reservadas(ACHO!!!)E o João Felix falou algo muito importante de se lembrar.Não são todos os paises que tem estas baixarias (não estou falando de uma paquera ou um elogio que é outra coisa)Realmente todos voces falaram muito bem sobre o assunto que foi uma situação perigosa...Mas eu esqueci de falar o principal que foi a data do ocorrido que já se passaram mais de 25 anos pois meu filho também tinha 5 anos na época e estudava na mesma escola que o dela,sabemos que a violência era bem menor e que as pessoas tinham mais mêdo de escândalos.Nem sei se hoje ela faria o mesmo,mas que ela foi muito corajosa foi,eu concordo com todos voces!!!

Enviado por Walquiria - [email protected]
Publicado em 18/06/2014

Palmas para ela ! que mulher corajosa .Sera que por acaso essa moca nao era da Paraibana ? rs rs rs Eu sempre reprovei esse tipo de atitude.Isso no nosso pais e muito comum , e as mulheres estao tao acostumadas a esse tipo de tratamento , (e nao estou querendo insinuar que as mulheres ai gostam de ouvir esses tipos de gracejos) que me fez lembrar de um episodio da filha de uns amigos nossos que nos estava visitando de ferias , e um dia nos perguntou a mim e a minha esposa . O que acontece com os homens nesta terra ? eles sao bichas ? Ninguem mexe com a gente aqui, ninguem dirije um gracejo , passam pela gente e nem olham ! Eu olhei para a Lourdes e ela para mim e nao dissemos nada . Mais tarde comentamos o assunto entre nos , pois as mulheres estao tao acostumadas a ouvir improperios que estranham quando passam despercebidas.Isso nao quer dizer que por aqui sao todos santos mas realmente , isso pode trazer problemas serios para quem se arriscar .Normalmente isso dificilmente acontece por aqui.De qualquer maneira parabens para essa moca que foi corajosa o bastante para espantar esse sujeito do pedaco . Otimo texto Walquiria .Abracos Felix

Enviado por João Felix - [email protected]
Publicado em 17/06/2014

Sabe o que está acontecendo, Wal? agora são as mulheres que estão assediando os rapazes de boa família, a coisa está mudando, (...e muito!). Dentro de pouco tempo, seu texto vai estar na secção: "Registros de um passado feliz" Não estou fazendo pouco caso do seu texto, minha cara, está bem redigido e bem focado. Parabéns, Wal.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 17/06/2014

Walquiria, infelizmente existem homens que não tem o mínimo sentido de respeito para com as mulheres, mas essa sua amiga não teve receio e colocou o mal educado em seu devido lugar, parabéns pelo texto.

Enviado por Nelinho - [email protected]
Publicado em 17/06/2014

Que bom, Walquíria. Ela deve ter pensado muito mesmo, porque a atitude dela foi muito perigosa. Mas ela está de parabéns. E você também por ter partilhado esse texto conosco. Eu sempre me senti constrangida e com raiva de atitudes assim. Um beijo.

Enviado por Vera Moratta - [email protected]
Publicado em 16/06/2014

Oi Wal ela foi corajosa mesmo.

Imagina se o sujeito resolvesse acompanha-la.

Beijos amiga.

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - [email protected]
Publicado em 16/06/2014

Estimada Wal,desculpe a intimidade,certa ocasião estava dentro de um "busão",na Faria Lima,em pé,e sentada uma jovem bonita,bem vestida,etc e tal,estava um "marginal" ao meu lado falando uns gracejos a jovem e rindo,a jovem toda encolhida,e toda envergonhada,ao seu lado um jovem com dois metros de alt.e bombado,eu e ele já estavamos só analisando até onde o "marginal" ia,certa altura da Faria Lima,gritei ao Motorista "para esse onibus que um marginal vai descer e gritei com ele,pois não aguentei,o jovem bombado já tinha dado um soco nele,chutamos para fora do onibus,depois não sabem porque são linchados,fiquei muito nervoso com aquele sujeito via minha filha,mulher,amigas,naquela situação,juro a minha vontade era dar tanta"porrada" nele,jogamos o sujeito para fora do onibus,isso há dois anos o mais. Dia desses minha filha foi seguida dentro do metrô Linha Amarela,ela já tem instrução para gritar,já disse a elas se quer andar com um estilete ou gás de pimenta,a situação já extrapolou,veja que estão distribuindo panfletos e apitos para vcs. mulheres apitarem ao sinal de assedio,Wal,esse caras tem que ficar exposto na midia ou praça pública,merecem pena de morte,era contra isso mas já revi meus valores morais,eticos e cistãos,por esse motivo estou fazendo faculdade de direito,há "coisas" na vida em que nunca vamos entender e aprender,assedio sexual,estupro,matar pai,mãe,crianças,sequestro,entre outros,pena de morte ou prisão perpetua,isso no Brasil tem que ter,era contra,hoje sou a favor e debato isso dentro da sala de aula com promotor,direito penal,minha opinião Wal.

Deus esteja conosco.

Um bjo.

Vilton Giglio

Enviado por Vilton Giglio - [email protected]
Publicado em 16/06/2014

As vezes tem que se passar por loucos(as) para se livrar das inconveniências...

Enviado por Carlos Fatorelli - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »