Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares Meu primeiro emprego em São Paulo Autor(a): Flavio Candido - Conheça esse autor
História publicada em 23/04/2014
Nasci em São Manuel - SP e aos sete anos de idade meus pais mudaram-se para a capital, para facilitar nossos estudos. Em 1967, aos 14 anos, arranjei meu primeiro emprego de carteira assinada em um escritório, de uma empresa que trabalhava com revestimentos e pisos cerâmicos, na Praça da República, Edifício Santa Mônica. 
 
Sentia-me como um pássaro que aprendeu a voar, tamanha era a alegria deste trabalho. A cada saída para rua, quando meu chefe distribuía meus serviços, que compreendia em ir ao correio central na Praça do Correio, em despachar as correspondências, passando pelo Banco do Brasil a Rua São Bento, para um depósito ou pegar as correspondências na caixa interna da firma, era uma festa, pois toda aquela movimentação de pessoas, aquele vai e vem, lojas e suas belas balconistas, as propagandas, as novidades, os bilheteiros gritando pelas vendas dos seus bilhetes, era algo novo para mim, um mundo encantado se descortinando a cada novo dia. 
 
Subindo a Rua São Bento e chegando a Praça do Patriarca, seguia já a passos mais rápidos, para compensar a demora admirando as vitrines coloridas, evitando a chamada do chefe pela demora. Mas seguindo adiante pelo Viaduto do Chá, chegando ao Teatro Municipal com sua fachada toda imponente, em frente ao antigo Mappin, optava em passar pela Rua Xavier de Toledo, ao invés de seguir pela Barão de Itapetininga, para tomar um pingado e comer um pão com manteiga na Leiteria Americana, que era dos deuses, para depois, novamente, apertar o passo chegando ao Cine Coral, olhar e admirar pela centésima vez o cartaz do filme “O dólar Furado”, com Montgomery Wood (Giuliano Gemma), proibido à época, para menores de 16 anos! 
 
Nesta época, anos 60 e 70, esta região de São Paulo era um mundo à parte, onde a cada dia era uma nova aventura, de cores, descobertas, aprendizado, não havia tantos assaltos, drogas, moradores de rua, lixo, havia mais respeito e amor das pessoas aos seus semelhantes. Enfim, foi um tempo mágico, de quem viveu e conheceu esta São Paulo da Cinelândia, um tempo feliz, que não existe mais, que infelizmente o tempo levou!
 
Ficou a saudade em nossas lembranças!
 
E-mail: [email protected]
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 29/04/2014

Flavio, que bom esse seu tempo, ele não existe mais, mas a sua memoria vai guardá-lo pra sempre.Um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - [email protected]
Publicado em 27/04/2014

Obrigado a todos que comentaram a minha historia de nossa queira e amada São Paulo!! Fiquei muito feliz e emocionado com os comentários recebidos, nos faz reviver, mesmo estando longe dela, hoje vivo no Rio Grande do Sul,Mas penso como Oswald de Andrade quando na Europa, ao fazer a parodia da canção do exílio:

Não permita Deus que eu morra sem que volte para lá.

"Sem que eu volte a São Paulo"

Abraços a todos

Flávio Candido

Enviado por Flavio Candido - [email protected]
Publicado em 26/04/2014

Eu fui boy nesta época, de 1965 até 1967. Acho que você sentia a mesma coisa que eu.

Enviado por Marcos Aurelio Loureiro - [email protected]
Publicado em 25/04/2014

Alegre e feliz momentos de uma juventude que nunca mais vai voltar. Parabéns, Flávio.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 24/04/2014

Caro amigo, que palavras maravilhosas, eu as li e a minha mente desenhava os caminhos, muitos deles percorridos por mim quando era office boy, que saudades, almoçar na São João, subir a Tabatinguera, entrar na Rua do Carmo, passar pela Praça Clóvis, entrar na Rua Direita, pegar a São Bento.....eu marcava uma pessoa que ia bem a frente e fazendo zig zag corria até alcançá-la, a meta era essa...muito legal, olhar as vitrines, passar pelas moças perfumadas, olhar as chamadas meias finas....bocas vermelhas...muito bom...

Enviado por Fernando - [email protected]
Publicado em 24/04/2014

Bem-vindo ao site, Flávio. Excelentes lembranças as suas! O centro da cidade naquele tempo era realmente mágico. Parabéns e receba o meu abraço.

Enviado por Vera Moratta - [email protected]
Publicado em 23/04/2014

Muitos começaram a "labuta" como Office-boy de muitos escritórios em empresas de São Paulo para depois serem efetivados em outros ofícios indo se aprimorando através dos estudos, única maneira de galgar novas posições valorizando aqueles que se esforçavam.Acredito ser este texto uma homenagem aos Office-boys. Parabéns pelo texto.

Enviado por Carlos Fatorelli - [email protected]
Publicado em 23/04/2014

Eu também comecei a trabalhar no centro de São Paulo aos 14 anos,em 1965 e tomo a liberdade de usar esta sua frase "Sentia-me como um pássaro que aprendeu a voar" eu também me sentia assim pois era muito simples e morava na periferia onde não tinha nada de atrativos e a cidade para mim foi o mesmo que conhecer um mundo encantado...

Enviado por Walquiria - [email protected]
Publicado em 23/04/2014

Bem vindo Flavio - Trabalhava na XV Novembro que também tinha saída para a Alvares Penteado. Esses locais que você cita brilhantemente perambulei a beça na hora do almoço. Legal - Forte abraço ...

Enviado por José Aureliano Oliveira - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »