Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Álbum de figurinhas Autor(a): Estanislau Rybczynski - Conheça esse autor
História publicada em 22/04/2014
Nos últimos anos está sendo comum recebermos um encarte com os jornais, no meu caso, no jornal “O Estadão”, um álbum com figurinhas, ora é do Campeonato Brasileiro, ora da Copa do Mundo a cada quatro anos e, sinceramente, simplesmente encosto e vai para o monte de jornal para reciclagem, inclusive uma amostra de meia dúzia de figurinhas; mesmo sendo um álbum de uma cartonagem de primeira e colorida, fora do comum de bonito, nem sei como classificar, mas um luxo, nunca dei importância, mesmo porque os jogadores que vinham estampados nas fotos com a camisa do clube, quando o álbum era distribuído, muitos desses jogadores já estavam em outro time, ao contrário de antigamente, quando os jogadores ficavam mais tempo em um time.
 
Este ano, precisamente no dia 6 de abril de 2014, domingo, novamente veio um encarte com um álbum da Copa do Mundo de 2014 e não sei por que, conversando com minha esposa, falei que ia colecionar; mesmo porque os jogadores devem estar a maioria na Copa e vou tentar colecionar as figurinhas, mas notei que nenhum deles oferece um prêmio sequer, ao contrário dos antigos álbuns.
 
E, concomitantemente, nessa segunda semana de abril, recebi um telefonema de um amigo que mora no Jardim São Luiz, como nós, há mais de 50 anos, de que dia 10 de abril de 2014 daria uma entrevista para a TV Record, no programa Esporte Fantástico, às 10h, comandado pelos apresentadores Mylena Ciribelli e Reinaldo Gottino, e reportagem da Janice de Castro, como um dos grandes colecionadores de álbum de figurinhas, desde 1930, Genival Mouzinho de Pontes, conhecido como Dida, que inclusive foi repórter do jornal “A Gazeta de Santo Amaro”, junto com o repórter fotográfico de saudosa memória, Tico e Dida. Como repórter tem várias figurinhas assinadas por grandes jogadores, como Pelé, Garrincha, Zito, Vavá e outros.
 
Fiquei atento a esse horário do programa e pude comprovar a beleza de material, pena que essa reportagem foi de apenas 5 minutos e a entrevista na casa dele foi de 3 horas, disse a ele que é assim mesmo; também dei uma entrevista para o Jornal Hoje, JH, da TV Globo, de 30 minutos, sobre o último bonde em Santo Amaro, e passou apenas 2 minutos, para a repórter Neide Duarte.
 
Mediante esse fato, disse a ele que assisti a reportagem, porém tal acontecimento ele nunca tinha comentado comigo. Convidei-o para vir a minha casa e entreguei a ele alguns álbuns que tinha: cerca de quatro álbuns, três da seleção brasileira e um envolvendo os times do Rio de Janeiro e São Paulo de 1963.
 
Esse álbum, com o titulo de “Balas Federação”, da empresa gráfica Mario Benassi, que ficava na Rua Antonio de Barros, 1106, fone 9-0455, ainda a “manivela”, composto de 15 times de futebol de São Paulo e Rio de Janeiro, que na época eram os “mandachuvas”, termo esse em desuso hoje em dia, sua capa era um goleiro fazendo uma “ponte” com a bola entrando no ângulo.
 
As figurinhas eram no tamanho 3x4 em papel comum, vinham não lembro se envolto em balas ou em envelopes pequenos e a forma de colecioná-las era comprando-as e/ ou jogando bafo, em qualquer lugar, nas ruas, em casa, na escola, troca, mas jogando bafo era melhor.
 
Nas disputas do jogo do bafo, havia muita divergência quanto à forma de jogar, uns tinham a malandragem de umedecer as mãos, outros de fechar a mão em forma de concha e prender a figurinha e virá-la, o início da “peleja” era ano par ou ímpar.
 
Os times que compunham esse álbum era por parte do Rio de Janeiro, CR Flamengo, Botafogo FR, CR Vasco da Gama, America FC, Fluminense FC. Os clubes de São Paulo eram: SC Corinthians Paulista, São Paulo FC, SE Palmeiras, Santo FC. Ferroviária de Esportes, Guarani FC, A.A. Portuguesa de Desportos, Taubaté FC, chamada de burro da Central, Prudentina FC de Presidente Prudente, onde tinha também o SC. Corinthinha, Botafogo FC e Comercial FC, ambos de Ribeirão Preto, onde tinha e ainda tem o clássico “Comefogo” muito comentado na época e outros.
 
O interessante nesse álbum era que no verso da página vinha os termos de premiação juntamente com a relação de prêmios, como geladeira, TVs, Rádio, vitrolas, bola de futebol, jogos de panelas, liquidificador, relógio Cuco, boneca, máquina de costura. Em um outro álbum que sumiu do meu controle de coisas “velhas” tinha mais times do Rio de Janeiro, como Madureira, Olaria, Bonsucesso, Bangu, São Cristovão, Canto do Rio e outros, e em São Paulo tinha ainda Jabaquara de Santos, Noroeste de Bauru, A.A. Portuguesa Santista de Santos, São Bento de Sorocaba, Paulista de Jundiaí, América de Rio Preto e outros e como esses times revelavam jogadores para os times da capital.
 
Enfim, nesse mesmo dia, um sábado, dia 12 de abril de 2014, o Dida veio a minha casa e recebeu esses álbuns como presentes, e os recebeu com tanta alegria e me disse: Estan, você está fazendo um menino de 70 anos sorrir como um de sete anos, tanto é minha alegria, pois esse veio completar minha coleção e um sonho que meu filho irá continuar com essa coleção.
 
Disse a ele que essas suas palavras são como se fosse um pagamento para mim pelo que estou lhe doando e fico contente, pois para mim é uma coleção incompleta como tantas que não consegui realizar e passo a alguém que irá cuidar e fez questão que eu assinasse a doação nesses álbuns.
 
Um fato é certeza: nunca consegui completar uma coleção, por causa das carimbadas que poucos tinham acesso ou sorte de encontrar, muitas vezes fiquei no quase, preenchi com selos, moedas, cédulas, jornais, revistas, bolinha de gude, Barsa, Reader’s digest e outros, mas vamos tocando a vida, mesmo porque o que não sei, ou não consegui, vou ao Google e pronto.
 

 

 

E-mail: [email protected]
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 24/04/2014

Entan, parece mentira mas da minha infância as figurinhas principalmente as balas de Futebol é a coisa que mais eu tenho saudades. Parabéns.

Enviado por Arthur Miranda (Tutu) - [email protected]
Publicado em 24/04/2014

Estanis, o seu texto me fez lembrar a infância, quando o meu irmão colecionava as figurinhas. O meu filho também teve essa fase, mas durou pouco. Só me lembro de uma única experiência minha nesse assunto - foi quando saiu um álbum da Jovem Guarda e eu achava o Roberto, o Erasmo e a Wanderléia o máximo, Um abraço.

Enviado por Vera Moratta - [email protected]
Publicado em 23/04/2014

Como num passe de mágica, voltamos a rua do Gasômetro, na década de 1939\40, onde era a empresa A Americana de Balas e Doces, cujo propprietário era da família Sacomani. Foram os pioneiros da tradicional Balas Futebol. Magníficos tempos, Estan, gostoso colecionar figurinhas, "difíceis" e "carimbadas", que motivavam as disputas entre a garotada. Eu também recebi o album com o jornal, dei pro meu neto e meu filho Maurício, 54 anos, comprou pela internet, o mesmo album só que, com capa dura. Parabéns pela recordação, Estan.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 23/04/2014

Estan - A única lembrança que tenho de figurinhas e o único Álbum que comecei a colecionar foi na década de 50. Aquelas que vinham enroladas em uma bala. Comprei uma só ( único trocado que tinha ) e saiu a figurinha carimbada, mais tarde ficamos sabendo que tratava se de uma das mais difíceis do álbum. Todo mundo queria ver a figurinha lá no bairro. O meu irão Paulo emprestou para um colega levar para casa para ele mostrar para o pai. Ele tentou arrancar a figurinha que estava colada (cola da época de farinha de trigo) rasgando toda ela. Tentou consertar e ficou pior. Acabou o sonho e dei o álbum para o Paulo, que não conseguiu completar nem a metade. Todo pessoal da época colecionava tentando ganhar um jogo de camisa de futebol para formar um time lá no bairro, mas nunca conseguiram. Forte Abraço ...

Enviado por José Aureliano Oliveira - [email protected]
Publicado em 23/04/2014

Estan eu colecionei um monte deles, e também nunca consegui completar nenhum. Acho que era sina.

Enviado por Marcos Aurelio Loureiro - [email protected]
Publicado em 23/04/2014

Estanislau, seu belíssimo texto me transportou para a década de 40, figurinhas das "Balas Futebol", produzidas pela firma "A Americana", os álbuns preenchidos davam direito a prêmios, as figurinhas carimbadas eram muito difíceis, parabéns pelo relato.

Enviado por Nelinho - [email protected]
Publicado em 22/04/2014

Os álbuns do passado foram um atrativo a mais para aprendermos sobre o esporte que tem maior propagação no país, o futebol, em uma época que não se tinha tanta transmissão televisiva como atualmente e não víamos os jogadores, pois tudo era transmitido pelo rádio.Muitas disputas de abafo e trocas de figurinhas foram realizadas em nossas primeiras transações sociais e muitos álbuns foram preenchidos desta maneira, e a graça estava neste contato entre as pessoas. Hoje coloca-se um aplicativo na rede para preencher o FIFA WORLD CUP-BRASIL 2014 e não se joga mais os abafos nas calçadas onde a graça das disputas eram a alegria da gurizada!

Enviado por Carlos Fatorelli - [email protected]
Publicado em 22/04/2014

lindos tempos da minha infância querida, era uma maravilha colecionar as figurinhas,

quando o álbum estava completo a gente ganhava uma bola de futebol.

agora era difícil completar o álbum, tinha as carimbadas que era muito difícil de se conseguir,

Enviado por João Cláudio Capasso - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »