Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Essa gente inocente (um conto de Natal) Autor(a): Samuel de Leonardo - Conheça esse autor
História publicada em 19/12/2013
Vésperas do Natal, a cidade está toda iluminada. “Papais noéis” por todas as partes. Um clima festivo e sempre a mesma correria. Parece que todos foram às compras no mesmo dia, horário e shopping. As ruas repletas de carros e as calçadas cheias é uma coisa só. Faróis, buzinas, músicas, conversas se fundem, se confundem.
 
Pessoas carregando sacolas, pacotes e o sufoco para quem não tem automóvel conseguir uma condução. Filas imensas também, parece que todos pegam o mesmo ônibus.
 
No ponto da Eusébio Matoso, defronte ao shopping Eldorado, depois de muito sacrifício, a moça robusta trajando uma bata negra com listras horizontais brancas, o que a deixava ainda mais roliça, entra no ônibus carregando embrulhos que tapam sua visão e consegue a todo custo chegar à catraca. Constrangimento geral. Ela não consegue passar. Fica entalada.
 
Lógico que nem todos são santos. Algumas pessoas dão risadas, outras ensaiam piadinhas, mas, dado o espírito natalino, há solidariedade. Pacotes caem sobre os passageiros. Como em um estádio de futebol, há até torcida para que ela consiga passar.
 
Em um esforço descomunal, uns a empurram, outros a puxam, ela finalmente transpõe o obstáculo. Os passageiros aplaudem com palmas e assobios. Ela não se dá, se abala. Apresenta um baita jogo de cintura, sem bem que mais jogo do que cintura. Olha para todos e agradece a ajuda com palavras carinhosas e um tanto jocosas:
- Fiquem sabendo que eu já tive uma cinturinha de saúva. Agora sou uma tanajura.
 
Todos caem na risada.
 
Para descontrair ainda mais o ambiente brinca com a garotinha sentada no colo da mãe, que estava com chupeta na boca:
- Sabe por que eu fiquei assim? É de tanto chupar chupeta quando era criancinha como você. Fui inchando, inchando...
 
Ao invés de amenizar a situação, é criado um fato embaraçoso, a menininha se mostra apavorada e desembesta a chorar. A mãe tentando consertar a situação fala para a filha:
- Pare de chorar, você não ganha presente do papai Noel. Ele não gosta de criança chorona.
 
A criança em toda sua inocência com semblante assustado vira-se para a mãe e aos soluços grita:
- Mamãe fala para o Papai Noel que eu paro de chorar, largo a chupeta, mas não quero ficar feia como ela – arremessa a chupeta com toda a força pela janela do ônibus.
 
E-mail: [email protected]
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 23/12/2013

Uma lição um tanto "roliça", né Samuel? Boas festas, de Leonardo.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 20/12/2013

Muito engraçado o texto.

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - [email protected]
Publicado em 19/12/2013

Acrescente ai Samuel que daqui também estou assobiando pra ela. Abraços ...

Enviado por José Aureliano Oliveira - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »