Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Gibis - muitos não sabem disso Autor(a): Luizinho trocate - Conheça esse autor
História publicada em 16/12/2013

O Cavaleiro Negro era um dos personagens que eu mais gostava. Seu nome – na vida civil - era Robledo, Dr. Robledo, era médico. Ah, e tinha o Rock Lane e o Cavaleiro Fantasma também.

 

Era um tempo legal, eu e meus amigos da escola, especialmente um deles chamado Lair, trocávamos gibis sem parar. Comprava, lia, trocava; trocava, lia, comprava. Lia!

 

Hoje sinto tanto não ter guardado estes gibis. Sei que ainda existem exemplares por aí, não é tão difícil assim comprá-los, mas não seria a mesma coisa – falta o tempo, falta o menino e esse não volta mais.

 

Bom, com o correr dos anos, troquei os gibis por livros, como seria natural. O primeiro livro que folheei - e comecei a ler timidamente até não conseguir parar mais - foi um livro inusitado “2455 – a cela da morte”, do Caryl Chessman. Depois me caiu nas mãos “Os miseráveis” (pena que a pobre cotovia não cantava jamais), depois outros e outros e outros. Ainda sigo por aí, lendo sem parar.

 

Uma das coisas que mais gosto é frequentar bibliotecas, como a Mário de Andrade. Sebos também. Nunca vou para estes lugares pensando “vou buscar tal livro”. Gosto de encontrar repentinamente exemplares que não esperava encontrar, folhear com cuidado, ler capa, contracapa, orelhas, prólogos e só então mergulhar no texto.

 

Quando falo de livros e gibis que li no tempo de criança, cometo uma injustiça não citando as revistas que meu tio Mané tinha em profusão. “A Cigarra” e “O Cruzeiro”, por exemplo, eram presentes em minha vida. Ler é uma coisa única. Nem o cinema, nem o teatro, nem o circo (frequentei muito o Circo do Chiquinho, irmão do Tonico e Tinoco; era um humor absolutamente ingênuo, que àquela época nos fazia rir demais) podem competir com esta magia que os livros guardam. Muitos não sabem disso!

E-mail: [email protected]
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 17/12/2013

Luizinho, gostei muito do seu texto. Boas memórias de um tempo muito interessante. Infância feliz só pode dar nisso: boas coisas para contar. Um grande abraço.

Enviado por Vera Moratta - [email protected]
Publicado em 17/12/2013

Luizinho, meu irmão colecionava os gibis, mas depois de acumular tantos, acabava armando uma barraquinha e os vendia e as vezes até trocava.Muito boa sua lembrança, um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - [email protected]
Publicado em 16/12/2013

É verdade, Trocate, concordo com vc em números, graus e gênero. Digo isso porque tenho aqui em casa (a "briga" com meus filhos que querem a posse da coleção), um reedição do Gibi, pela Rio Gráfica Editora, sucedida pela Globo, dos anos de 1970, no formato tabloide. Fiz a coleção com o mesmo espirito saudosista que agora vc sente. Aprendi a ler, com gibis, leio, até hoje, além de jornais, contos, romances, policiais graças aos gibis. Histórias em quadrinhos, um verdadeiro tesouro, da meninice, da juventude, do adulto e dos velhinhos, como eu, também. Gostei muito da sua recordação, Luizinho, parabéns e um feliz Natal e um grandioso ano novo, extensivo a toda sua família.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 16/12/2013

Parece que “cultura” no Brasil está sendo relegada a um plano que não condiz com um povo letrado. Hoje há livros aos cântaros, mas existem poucos leitores, não temos esse “vício” salutar da leitura. Somente adquirimos conhecimento através do legado deixado nos livros. As bibliotecas não atraem como antes, pois a internet derrama informação, mas sem completar a formação, é um conhecimento sem reflexão, espécie de venda ao varejo.

Enviado por Carlos Fatorelli - [email protected]
Publicado em 16/12/2013

Gibis fizeram parte da minha infância. Quais ? Todos. Se acaso eu for contar quais são vou ficar melancólico. Ótima lembrança Luizinho. Forte abraço ...

Enviado por José Aureliano Oliveira - [email protected]
Publicado em 16/12/2013

eu tambem colecionava gibis 1950,comprava no sebo ma xavier de toledo. AI MOCINHO,O FANTASMA,CAPITAO MARVEL,O GURI,EDICOES MARAVILHOSAS,

PRINCIPE SUB MARINO,PRINCIPE VALENTE,TOCHA HUMANA,DURANGO KID,

HOPALONG CASSIDY.CAPITAO MARVEL JR, SUPER HOMEN, FERRABRAZ,TARZAN,

ZORRO,ROY ROGERS,O HOMEM BORRACHA,ETC,, LINDOS TEMPOS...

Enviado por João Cláudio Capasso - [email protected]
Publicado em 16/12/2013

Luizinho, também fui um fanático por gibis, por um periodo curto da infancia , chagaram a mechamar pelo apelido de "gibi" de tanto que eu lia e trocava, meu primeiro gibi foi Pimentinha, parabéns,Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »