Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Natal e o encanto das gerações Autor(a): Vera Moratta - Conheça esse autor
História publicada em 20/12/2013

Com o tempo, as perdas foram acontecendo. Implacáveis, dolorosas. Muitas vezes sem aviso. Os parentes amados começaram a partir. Eu diria:

- “começaram a atravessar o rio da existência, fechando os olhos para que pudessem enxergar melhor. Enxergar a luz de um outro Sol, muito mais brilhante e universal, sentir abraços e acolhidas com o amor maior sem nenhuma restrição, olhar inquisidor ou mesmo de economia de sentidos.”

 

Foram muitas as passagens. A cada uma dessas passagens, as lágrimas escorriam com profunda sinceridade pelos nossos rostos. Tristeza real, dura, cruel e os nossos olhos, vermelhos. O que fazer? Continuar a caminhada, com pés e pernas doídos, dor provocada pela rasteira do destino.

 

Então foi em dezembro, poucos dias antes do tempo do Natal. Resolvemos nos reunir para homenagear os que haviam partido.

 

Eu não imaginava o capricho, o zelo e o respeito dispensado por um primo, Luiz Fernando, na elaboração de um vídeo em que apresentava o histórico da família. Desde a Itália, nas suas crises do final do século XIX, a imigração, a chegada à hospedaria dos imigrantes, as dores da partida, as dúvidas em relação ao desconhecido e as certezas de outras tantas, quem sabe, infinitas dificuldades.

 

A união da família de imigrantes seria o oxigênio garantido para os novos tempos, da descoberta de uma América, onde os frutos do trabalho árduo teriam que desabrochar. E os frutos seriam, sim, partilhados com alegria e satisfação.

 

Foram vários os Natais em que as pessoas passaram a se acomodar defronte ao telão e a olhar atentamente, por inteiro, as imagens, os relatos, as fotos dos casamentos, a chegada de agregados, filhos e netos. Natais marcados pela emoção do dom da vida.

 

Passamos a viajar para São Paulo mais cedo para participarmos desses encontros. Inesquecíveis momentos, de corações dispostos a se abrir, de lágrimas emocionadas soltas e abraços mais vivos e sinceros.

 

Natais de Cristo muito presente, sorrindo para nós. O tempo todo Ele sorria porque gostava de perceber que o amor, ali, construiu vidas e histórias reais, com alegria, envolvimento e sem lamúrias. O aniversariante mais importante de todos os tempos estava ali, tenho certeza, quietinho e sossegado, cofiando a barbinha, quem sabe comendo um pouco das lasanhas, do frango assado, dos vários tipos de massas e doces, saboreando a vida construída em Seu nome. Porque naquela construção havia partilha, risos, abraços, acolhida e as dores eram sentidas e a certeza de que um dia elas iriam embora deixando um enorme aprendizado.

 

As gerações foram se misturando, aprendendo, louvando uma história honrada pelo trabalho, honra e perseverança. Eu nunca soube de alguém que não tivesse sido acolhido por eles. E que felicidade quando chegava um dos seus para o almoço ou mesmo para o café da tarde!

 

Jesus ama família e uma boa mesa, lugar de partilha.

 

Que Deus abençoe todas as famílias em mais um Natal. E os que não têm família, que pensem com amor na importância de constituir uma.

 

Que a união seja o presente principal a ser entregue ao Aniversariante. Não precisa embrulhar, não. Imagina só: entregar a Jesus uma caixa com união, confiança, doação, solidariedade, paciência, perdão... Em um pacote de papai Noel... Não fica bem. Acho que Ele vai até achar engraçado.

 

Então, não embrulhemos. É só construir, entregar... E viver em paz.

 

Um felicíssimo Natal a todos.

 

E-mail: [email protected]
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 23/12/2013

Obrigado, querida Vera e vc, aproveitando, desfila os inúmeros eventos que a data magna propicia. Que esse Natal ocorra tudo o que foi mencionado por vc, com a lembrança dos que foram e com a presença dos novos participantes deste lar, tão abençoado que vc tem. Um forte abraço e beijos.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 21/12/2013

Muito bonito a trajetória da sua família e os desfechos nos finais de ano para a festa do senhor. Parabéns Vera - Feliz Natal a todos de sua família. Um forte abraço ...

Enviado por José Aureliano Oliveira - [email protected]
Publicado em 21/12/2013

Lindo e emocionante Vera, com certeza Jesus sempre foi o principal convidado dessas reuniões familiares, graças à Ele nossa família também se reúne, mesmo sem a presença de muitos que também já partiram.

Um grande abraço e boas festas.

Enviado por Julia Poggetti Fernandes Gil - [email protected]
Publicado em 21/12/2013

Vera, também passei por muitas perdas preciosas, mas mesmo assim continuamos a festejar o Natal com todos em pensamento. Claro que no primeiro momento, inclusive quando cantamos noite feliz, as lagrimas vem, depois acabamos fazendo um brinde carinhoso a todos que já se foram. Seu texto está maravilhoso e mostra toda a sua sensibilidade. Um grande abraço e um feliz Natal. Um grande beijo.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - [email protected]
Publicado em 20/12/2013

Vera, um rerospecto de saudades e em poesia de um Natal ligado á familia e aos que já foram e que nos tras muitas saudades, queira ou não é uma época que revela as diferenças no ser humano no sentido dos que tem muito e os que não tem nada que é a maioria, parabéns e feliz Natal com Cisto,Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - [email protected]
Publicado em 20/12/2013

Nossa Vera me emocionei.

Que linda família que você tem.

Que tenha um ótimo fim de ano,cheio de alegrias com todos os seus.

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - [email protected]
Publicado em 20/12/2013

Vera, comigo não foi diferente, tive também diversas perdas no decorrer da minha existência. A mais marcante dessas perdas aconteceu, justamente, no dia em que se comemorava o nascimento de Cristo. Nesse dia, anos atrás, chorei a perda de minha mãe.

Agora, os Natais são respeitados, mas muito menos comemorados.

Enviado por Miguel S. G. Chammas - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »