Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Saudades Autor(a): Arthur Miranda (Tutu) - Conheça esse autor
História publicada em 08/10/2013

Darci meu amigo de infância sempre foi um cara alegre, simpático e muito gozador, estudamos na mesma escola, na Freguesia do Ó, e jogamos no mesmo time do bairro, o Paulistinha.

Darci era um ótimo zagueiro, e possuía uma canhota respeitável, daquelas de apavorar a barreira do time adversário.

Ao terminar o ginasial, Darci ingressou na Escola Comercial Álvares Penteado no Largo São Francisco, e ali se formou em contabilidade, ao mesmo tempo em que trabalhava como office boy no, hoje extinto e saudoso, Banco Mercantil de São Paulo, em 1958 por insistência do mesmo, eu tornei-me um cliente desse Banco, quando o meu amigo já trabalhava na função de caixa.

Em 1965 ele já como gerente de uma filial do Banco e eu como artista de teatro e cliente do Banco, estávamos constantemente nos encontrando no próprio Banco ou em algum restaurante, almoçando e batendo nossos papos sempre recheados de piadas e muitas gozações.

Lembro-me que uma vez eu entrei no Banco, e ele estava ao lado do caixa e eu maliciosamente e em voz alta perguntei:

- “Darci, por favor, você pode dar uma olhada no meu saldo, que eu quero ver seu saco.”

Foi uma risada só, no recinto do banco inteiro.

E às vezes era ele quem fazia as piadas.

Uma vez eu entrei no Banco, ele estava ajudando o caixa que contava uma quantidade enorme de notas de mil, aquelas do Cabral ainda, e eu brincando perguntei da fila do guichê do caixa onde eu estava.

- “Nossa Darci! Quanto dinheiro! O que é que você vai fazer com tudo isso?”

E ele então sonoramente falou:

- “Isso não é da sua conta.”

No dia 18 de setembro de 2012, fiquei sabendo que ele morreu.

E então escrevi estes versos:

“Bateu-me uma grande saudade

Daquela velha amizade

Daquela nossa mocidade

Que com o passar dos anos

Aos poucos envelheceu.

Você se foi para a eternidade

Um dia parto também eu

E se te encontrar no além.

Se me impedirem, eu até brigo.

E de peito aberto eu te digo

Quero com muita alegria

Voltar a ser teu amigo.”

E-mail: [email protected]
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 10/10/2013

Arthur parabens pela homenagem ao seu querido amigo Darci que com certeza esta num lugar donde um dia estaremos todos nos , pois ele la de cima deve estar dizendo : "Arthur o que tu es eu ja fui , e o que eu sou tu seras algum dia " dessa ninguem escapa mas cedo ou mais tarde esse sera nosso destino. Saudades e o que nos resta sentir . Abracos Felix

Enviado por João Felix - [email protected]
Publicado em 09/10/2013

Que linda homenagem!

Muito bonita a poesia, como sempre arrasando na rima.

Enviado por Bene - [email protected]
Publicado em 09/10/2013

Que linda poesia!

É verdade, de uma maneira ou de outra os amigos um dia se vão...

Enviado por Bene - [email protected]
Publicado em 09/10/2013

Arthur, como é complicada a partida de uma pessoa tão especial. Sinto verdadeiramente por isso. Mas ainda bem que os bons momentos ficaram e - não tem jeito - vocês vão se encontrar e rir muito, com um lindo brilho no olhar. E você fez muitíssimo bem em imortalizar o amigo. Um grande abraço, meu querido.

Enviado por Vera Moratta - [email protected]
Publicado em 09/10/2013

Bela homenagem, Arthur, a seu amigo da pitoresca Freguesia.

Abraços.

Enviado por Luiz Simões Saidenberg - [email protected]
Publicado em 08/10/2013

Simplesmente lindo!

Amizade eterna.

Enviado por Julia Poggetti Fernandes Gil - [email protected]
Publicado em 08/10/2013

Arthur, parabéns pela homenagem ao seu amigo Darci. Que ele encontre a paz. Um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - [email protected]
Publicado em 08/10/2013

Linda homenagem Tutu, foi escrita, acredito, com as tintas do coração.

Enviado por Miguel S. G. Chammas - [email protected]
Publicado em 08/10/2013

SAUDADES, e uma palavra muito triste,eu também lembro dos amigos que morreram, e fico com um pouco de depressão.

como o tempo passa depressa de mais.

parece que foi ontem que eu fiz 18 anos,

mas bola para frente,a vida continua.

PARABENS PELO TEXTO.

Enviado por João Cláudio Capasso - [email protected]
Publicado em 08/10/2013

Arthur, emcionante a homenagem a um amigo, tenho caso parecido com o seu relato, parabéns pela atitude, Estan

Enviado por Estanislau Rybczynski - [email protected]
« Anterior 1 2 Próxima »