Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Avenida Angélica Autor(a): Benedita Alves dos Anjos - Conheça esse autor
História publicada em 10/10/2013

Todos os dias, eu subia a Consolação.

Todos os dias, feriados ou sábados eu subia a Consolação.

Depois fui morar na Rua Dona Veridiana, então eu ia a pé.

Parecia que o resto da minha vida ia fazer esse trajeto.

E, na pausa para um cafezinho ia bater um papo com meus colegas.

E, pela janela avistava o cemitério da Consolação

Aqueles túmulos cinzentos com anjos de pedra davam uma certeza da finitude da vida.

Mas um dia o banco mudou; foi para Alphaville.

Então aquela certeza de que nada é para sempre.

Depois o banco faliu e a minha vida definitivamente mudou.

Há que se ter paciência com o tempo;

Ás vezes passa rápido demais,

Outras lento, lento.

Mas passa.

Escorre por entre os dedos.

Recolhe lágrimas,

Apaga mágoas.

Faz do pobre, rico,

E do rico ocioso,

Um mendigo.

E-mail: [email protected]
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 16/10/2013

Benê a velocidade com que o tempo passa depende do momento. Rápido ou lento ele é sempre o mesmo.

Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - [email protected]
Publicado em 14/10/2013

Benê, com sofrimento ou sem, o tempo passa calmamente e tempos que nos adaptar a ele. Gostei muito, viu? Um beijo.

Enviado por Vera Moratta - [email protected]
Publicado em 14/10/2013

Pois e Bene , o velho Comercio e Industria na XV de Novembro que ia ate a Quintino Bocaiuva , tinha diversos amigos que la trabalharam , inclusive no comeco da computacão que era feito na perfuracão de cartões , servico noturno , e que depois mudou para a Republica entre a Barão e 7 de Abril. Homenagem poetica a um banco que foi uma potencia bancaria. Ate hoje não consegui entender como deixaram esse banco falir. Abracos Felix

Enviado por João Felix - [email protected]
Publicado em 11/10/2013

O Banco foi o Comind..

Mas trabalhei no BCN tb.

Ajudei meus pais que eram muito pobres e ainda estou aqui.

Agora faço crochê para ajudar a IGREJA.

Tenho a síndrome das mãos inquietas.rs

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - [email protected]
Publicado em 11/10/2013

Querida Benê voce já falou outras vezes deste banco que voce trabalhava e que mudou para Alphaville...sinto que esta época marcou muito em voce e hoje a saudade que cultiva destes tempos soam como lindos versos...

Enviado por Walquiria Rocha Machado - [email protected]
Publicado em 11/10/2013

Dos Anjos, bonita forma de escrever sobre um local, só podia ser dos anjos, parabéns,Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - [email protected]
Publicado em 11/10/2013

Benedita, minha falecida avó já dizia que nada é para sempre, as coisas mudam diáriamente e muitas vezes não nos damos conta disso, parabéns pelo seu texto.

Enviado por Nelinho - [email protected]
Publicado em 11/10/2013

Adorei o seu texto, simples e singelo. Se não me engano o banco era o BCN. Parabéns!

Enviado por Samuel de Leonardo - [email protected]
Publicado em 11/10/2013

Obrigada amigos, é muito bom estar de volta ao SPMC.

Quando suspenderam achei que ia ser para sempre.

Mas voltou, e melhorado.

Vocês fazem parte do meu cotidiano.

E isso é bom, muito bom.E este livro virtual ainda tem muiiitas histórias, não é?

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - [email protected]
Publicado em 10/10/2013

Benedita, uma forma poética de escrever suas observações sobre São Paulo.Parabéns! Um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - [email protected]
« Anterior 1 2 Próxima »