Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas A escola da minha vida Autor(a): Andre Rejes - Conheça esse autor
História publicada em 05/09/2013

Eu, André, morava no Parque São Lucas e estava com 18 anos. Em 1966 entrei na firma Atlas Rádio Peças no Largo do Cambuci, conheci o Alfredo, o Rubens Riberti e outras pessoas, trabalhei até 1972 como balconista e depois passei a função de comprador, foi uma lição para minha vida, aprendi a negociar, ser respeitado.

Fiz muitas amizades com os moradores da redondeza e conheci pessoas da música ex: titulares do ritmo meus amigos Zacaro e seu conjunto O Santo que era da TV Tupi, tudo isso valeu a pena. O Hélio Burini, ex-palmeiras, Nskamura, o atos, o gaúcho, técnicos de TV da Mesbla... O espanhol Garçia da ótica, o Oswaldo do restaurante do Largo do Cambuci. O pessoal da loja de ferragens, o corintiano fanático da lotérica da Rua Luiz Gama, fizemos 12 pontos na loteria esportiva, erramos o resultado do jogo Corinthians x Juventus, a maior zebra da época.

Eu falei para ele que ali estava a zebra, ele não mudou o jogo e o Mirão ganhou sozinho na loteca. Agora moro na praia de ilha cumprida, São Paulo há 22 anos, tenho uma oficina de conserto de TV. Estou com muita saudade de todos, um abraço deste que ama o Cambuci.

E-mail: [email protected]
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 09/09/2013

O Cambuci, André,é mágico. Nasci ali e vivi por 24 anos no pedaço e ainda hoje visito o bairro quando vou a S.P. Gostei muito do seu relato e do seu passeio, Meus sinceros parabéns. Um abraço.

Enviado por Vera Moratta - [email protected]
Publicado em 05/09/2013

André, tive uma namorada que morava no Cambuci. Nosso namoro terminou por causa das enchentes do bairro. Quando chovia, eu não conseguia chegar na casa dela. E quando havia previsão de chuva, a mãe dela não nos deixava sair e ainda me mandava embora para não correr o risco de ter que me deixar dormir lá.

Enviado por Abilio Macêdo - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »