Leia as Histórias

Categoria - Personagens Quarto zagueiro baixo da perninha torta Autor(a): Francisco Lemmi Filho - Conheça esse autor
História publicada em 26/04/2013

É comum neste espaço os seus usuários homenagearem outras pessoas públicas ou não. Peço licença a todos, para render aqui minha homenagem a um homem que é merecedor. Trata-se do futebolista Roberto Dias Branco, que jogou no São Paulo F. C. de 1960 até 1970.

Um jogador de capacidade técnica elevadíssima, um gigante. Um dos maiores do Brasil de todos os tempos, frequentemente elogiado pelo Pelé. O grande mérito do Dias foi a constância de suas atuações sempre pautando pela regularidade de um jogador que apesar de ser da defesa, era fora de série.

Uma ou outra vez, jogava de médio volante, inclusive na seleção em 65 no Maracanã, quando completou a goleada brasileira sobre a Inglaterra com um golaço de falta. Mais, a grande virtude de Dias, foi jogar em um São Paulo mediano da década 60. Roberto Dias, ao lado de Jurandir de Freitas, carregaram o São Paulo nas costas, ao final da década, já doente, finalmente foi campeão paulista em 1970, mais aí o São Paulo já não era o time simples mediano que Dias carregou nas costas.

Foi duro ver aquele monstro de jogador jogar, jogar e nunca ganhar nada. Ele tinha raça, dava o sangue pelo São Paulo, que um dia deu ao Dias um emprego nas bases do clube, treinando garotos de 11 e 12 anos. Além de não ganhar com o São Paulo fora de campo, ele amargou mortes prematuras na família, problemas no coração e morreu de cabelinhos brancos há aproximadamente uns três anos...

Francamente, sem demagogia, ninguém mais do que Roberto Dias Branco merece um busto no Morumbi, contando sua história individual, grande, maravilhosa.

Jogava no meu São Paulo por amor e eu, graças a Deus, vi Dias jogar centenas de vezes, todo sãopaulino precisaria saber um pouco da história do grande Dias.

Fica aqui minha homenagem a ele e a família, pois ele é a cara do São Paulo F. C.


E-mail: [email protected]

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 30/04/2013 Além de extraordinário como jogador, Roberto Dias também foi extraordinário e muito como caráter. Nesse célebre gol assinalado em Leão num São Paulo e Palmeiras, ele chegou a dizer num programa do Milton Neves, programa Golaço que era apresentado na extinta Rede Mulher, que ele foi pra bola, chutou com toda força, deu sorte e fez o gol, não lhe atribuiu mérito algum na cobrança, falou que chutou com toda força, deu sorte da bola entrar. Não é qualquer jogador que faz isso, principalmente, pela repercussão que o teve o gol, de longa distância em Leão. Na Copa do Mundo de 66, Dias já atuava de quarto zagueiro e nessa posição é que ele foi convocado, injustiça, realmente, das maiores, ele não ser levado. Não só ele, mais Carlos Alberto Torres, Djalma Dias e Edson Cegonha que com ele formariam a defesa titular, se bem que o Cegonha ainda poderia disputar a posição com Rildo que era também um excelente lateral, sem desmerecer o Paulo Henrique que também jogava bem. Porém, Carlos Alberto Torres, Djalma Dias e Roberto Dias, titulares absolutos, não tinha por onde não serem. Mas, essa Copa, lamentavelmente, desiludiu muita gente que era até fanática por futebol. - abraços - Pedro Luiz - Enviado por Pedro Luiz Boscato - [email protected]
Publicado em 29/04/2013 Roberto Dias o maior quarto zagueiro de todos os tempos não existe comparação eu o vi jogar muitas vezez,agora não sabia que o São Paulo não postou nem um busto pra ele no Morumbi tem que fazer e já,Canhoteiro foi outro que merece,mas acabou jogando em varios times Saad,Mexico,Banespa.maior ponta esquerda do pais de todos os tempo.Valeu
Francisco pela sua reinvidicação,aperte a Diretoria do São Paulo eu moro em Santos a 43 anos e não poço fazer mais nada.Parabens.
Enviado por jose carlos passos - [email protected]
Publicado em 29/04/2013 Caro Chico Lemmi atletas de pernas tortas, quase sempre são bons exímios jogadores. O referencial do Dias era jogo em equipe, pelo visto, portanto sua homenagem é justa. Parabéns. Enviado por Clesio de Luca - [email protected]
Publicado em 29/04/2013 Francisco, sou corintiano, mas antes de tudo, gosto de futebol. O Dias foi um dos maiores injustiçados do futebol paulista quiçá do brasileiro. Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - [email protected]
Publicado em 29/04/2013 Francisco quero endossar tambem essa homenagem a esse estupendo jogador que foi Roberto Dias , apesar de nao ser tricolor sempre o admirei como atleta digno dos velhos tempos com muita raca e amor pela camisa que defendia. Bom texto Lemmi .Abracos Felix Enviado por Joao Felix - [email protected]
Publicado em 28/04/2013 belissimo artigo mestre francisco!!mais bonita ainda a homenagem a tão grande atleta do nosso querido SPFC, pois apesar de não ter visto o Roberto Dias jogar, lembro que meu finado pai o elogiava muito, sendo ao lado do imortal Canhoteiro seu outro grande ídolo do nosso tricolor de outrora. parabéns, lindo artigo e linda homenagem e reforço o coro para que o SPFC preste a devida e merecida homenagem ao querido idolo Roberto Dias. Enviado por Cássio Marcello de O M Lima - [email protected]
Publicado em 28/04/2013 Francisco, ele e a família são merecedores desta homenagem. Não entendo muito sobre futebol, mas de tanto ler aqui no site estou ficando cada vez mais enriquecida no assunto. Um grande abraço. Enviado por margarida peramezza - [email protected]
Publicado em 27/04/2013 Francisco, apesar de Corintiano fui também um fã do grande dias um dos grandes craques do tricolor somando ao lado de Mauro, Leônidas Zizinho,Bauer. Canhoteiro Poy, e hoje o Rogério, grandes heróis e gênios do mais querido. Parabéns. Enviado por Arthur Miranda - [email protected]
Publicado em 27/04/2013 Lemmi, realmente ele carregou o SPFC nas costas. E quando batia falta nas proximidades da grande área? Parecia que colocava a bola no ângulo com as mãos.
abs
Enviado por gilberto maluf - [email protected]
Publicado em 26/04/2013 A maior injustiça sofrida por Roberto Dias, foi não ser selecionado por Vicente Feola, para a Copa de 1966 na Inglaterra...Feola preferiu levar o Zito (mesmo machucado) e que não jogou uma partida sequer das 3 que o Brasil participou...Roberto Dias, faleceu no ano de 2007. Altair Siqueira Enviado por Altair Siqueira - [email protected]
« Anterior 1 2 Próxima »