Leia as Histórias

Categoria - Personagens Os nanicos paulistanos Autor(a): Ailton Joubert - Conheça esse autor
História publicada em 25/03/2013

Decorridos mais de cinco décadas, nos recordamos de nossos amigos de infância aqui na Parada Petrópolis/Brooklin.

Tinha os irmãos Ramos, eram cinco e cada qual com uma característica diferente.

Um mentiroso assumido, outro metido a intelectual, outro folgadão, e os dois menores ainda sem definição. Eram os nanicos do bairro, face a baixa estatura.

Conversando com meu mano ele recordou que eles eram todos diferentes e os únicos amigos que possuíam éramos nós.

Não entendemos o porquê de não gostarem deles.

O Hermann (Germano) dizia que não ia com as caras deles; o Juca idem; o Tutico apesar de ser vizinho de parede, detestava todos eles e sequer os olhava; o Joel Mineiro, não apreciava nenhum deles; o Mazzaropi (falecido) também os detestava e outros.

Hoje, ao localizarmos e contatarmos dois deles via internet percebemos que continuam os mesmos e espalhados pelo estado de São Paulo.

Falamos que ficamos felizes ao sabermos que todos estavam vivos e que nenhum conversava com o outro, como se não fossem mais irmãos.

São essas coisas que nos trazem tristeza e ficamos aborrecidos, pois o tempo passou e eles continuam os mesmos.

Irmãos Ramos, se por acaso vocês lerem o que aqui está escrito, saibam que continuamos a gostar de todos.


E-mail: [email protected]

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 02/04/2013 Quando a gente gosta, gosta, não importando muito os defeitos e afinal, quem não os tem, não é mesmo? Parabéns pela sua demonstração de verdadeira amizade! Abraço Célia Enviado por Regina Célia de Carvalho Simonato - [email protected]
Publicado em 26/03/2013 Ailton - De fato é muito triste mesmo. Eu mesmo tenho uma história de uma família aqui do interior que é os filhos que não conversam com o pai. O coitado não saia aqui de casa, era deprimido e morreu sem conhecer os netos. Um abraço Joubert ... Enviado por José Aureliano Oliveira - [email protected]
Publicado em 26/03/2013 Pelo jeito os caras não eram bons mesmo. Mas você Ailton era melhor que eles, porque os quer bem até hoje. Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - [email protected]
Publicado em 25/03/2013 Ailton, amigo quando gosta é pra valer e para sempre. Também tenho amigos do passado e que gosto até hoje com todos os defeitos de outrora. Um abraço. Enviado por margarida peramezza - [email protected]
Publicado em 25/03/2013 Ailton, ainda bem que você é tão generoso e humano que continua gostando dos amigos mesmo que eles mantenham as características citadas no texto. Felicidades prá você e para eles também Abraços. Enviado por Vera Moratta - [email protected]
Publicado em 25/03/2013 Parece que foi ontem. Recordo-me de todos eles. O mentiroso era o João que ele mesmo dizia que não acreditava nele (risos) mas gostava de inventar "coisas". Mas realmente não sei porque não apreciavam eles. Abraço Mano. Enviado por asciudeme joubert - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »