Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Gírias de São Paulo antiga Autor(a): Dario Silva - Conheça esse autor
História publicada em 19/02/2013

Como e bom recordar os nossos tempos de infância e adolescência na São Paulo da nossas gírias escolares e cotidiano.

Por acaso você já ouviu falar: “não tem mosquito, botar as barbas de molho, amigo da onça, boko moko, não cola pois amigos se falavam muito entre os jovens da época”.

“Caranga , morou , se liga, beleza pura, parada dura, matar cachorro a grito ou tempo da onça.”

Nós falávamos e nós entendíamos muito bem as nossas conversas no dia a dia de nossa São Paulo.

E tem mais, quando chovia dizíamos “é um Toro” a chuva que caia refrescando nossa cidade.

E quando alguém conversava muito nós dizíamos: “chega de lero lero, cambada , olha o broto que está passando e uma uva, batata, e daqui oh” e esfregava os dois dedos polegar e indicador na orelha e dizia: “tá tinindo manda brasa mora”.


E-mail: [email protected]

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 01/03/2013 Esse texto é supimpa ! Enviado por newton - [email protected]
Publicado em 21/02/2013 Silva havia também, uma que dizia que o Biriba esteve aqui, Cuidado com o Bernadão, Comigo não Violão, e no ú Peru escurinho não fala. Lembra disso. Enviado por Arthur Miranda - [email protected]
Publicado em 20/02/2013 " Chuchu beleza" fulano é um "Pão". agora as gírias são outras, meu filho costuma falar : Fui no "churras" na casa de fulano e resolvemos "molhar as palavras" só para "fazer alguma coisa diferente" Enviado por Julia - [email protected]
Publicado em 20/02/2013 Dario, sua recordação, além de fazer-nos lembrar coisas alegres, ela é SUPIMPA, sem ser um texto do tamanho de um BONDE merece meus PARA-CHOQUES.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 20/02/2013 Orra meu, é isso ai bicho. Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - [email protected]
Publicado em 20/02/2013 José Aureliano!Outro dia falei para minha filha caçula que ganhei um pito no escritório,e ela me disse: mamãe será que eles não sabem que voce não fuma? Enviado por walquiria rocha machado - [email protected]
Publicado em 19/02/2013 Dario - Eu to ligado na sua ai o cara. Isso é cultura. Estamos também resgatando palavras da nossa época como : O Estan comentou “Prendada” – O asciudeme “Birita” (tomando uma birita no Bar) E eu sem querer fui falar que levei uma bronca coloquei levei um “Pito”. Muito bom. Abraços Silva ... Enviado por José Aureliano Oliveira - [email protected]
Publicado em 19/02/2013 Que delícia, Dario. Parabéns pelas boas lembranças. Tempos gostosos. Era tudo uma brasa, mora. Enviado por Vera Moratta - [email protected]
Publicado em 19/02/2013 Dario, como é rico nosso vocabulário, principalmente as gírias e neologismos, lembrei ainda de: molhar a guela(beber algo) fala bicho, trampar (trabalhar), mina(moça), pisante (sapato, mocó (casa),berro (revolver), valeu, Estan. Enviado por Estanislau Rybczynski - [email protected]
Publicado em 19/02/2013 Sr.Silva, muito coisa vinha da TV do Programa do "Rei" Roberto Carlos, Erasmo, Wandéca, Martinha, e outros. Todo mundo era "bicho", tinha garota papo-firme, broto também era mina, anel de brucutú no dedo, legal era muito usado e virou légas, mina bonita era xuxú, fofoqueira virou Candinha. Isso é resgate cultural mesmo! Parabéns. Bernardi. Enviado por Ernesto Bernardi - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »