Leia as Histórias

Categoria - Personagens Filho, sabe aquela moça... Autor(a): Francisco Lemmi Filho - Conheça esse autor
História publicada em 18/02/2013

No início da década 60, meu pai levou eu e meu irmão na Rua Butantã, em Pinheiros, mais precisamente em uma loja chamada "Três Leões", que era forte e vendia eletrodomésticos. Depois de muita luta, finalmente meu pai reuniu condições de comprar uma televisão. E a escolha foi pela marca G.E. - General Eletric, modelo Decorama, de 20 ou 21 polegadas. Depois de 15 dias da compra, a TV chegou em nossa casa no bairro do Caxingui. E passamos a assistir de tudo, com destaque para o programa do J. Silvestre, que era líder absoluto de audiência. Desenhos animados, principalmente os do Pica-pau, humorísticos, repórter Esso; a grande novidade da época que eram os videoteipes futebolísticos dos jogos que não eram televisionados.

Lassie, Rim Tim Tim, o programa Pullman Junior, a propaganda da 477, o filme "Fugitivo" com David Jansen era o grande destaque e tinha 100% de audiência no Brasil. Enfim, possuir um aparelho de TV em casa era privilégio e meu pai, repito e sem demagogia, homem simples, conseguiu dar aqueles momentos para todos nós. Com relação aos humorísticos, havia um programa chamado "Teve se te agrada", e entre as dançarinas do mesmo havia uma chamada Sonia Lancelotti, a qual, se vivesse nos dias atuais, seria a número 1 do Brasil, tão bonita que era. Sempre assistia a tal morena no programa citado.

Certo dia, passados alguns meses após a compra da TV, já acostumados com a mesma, meu grande pai chamou-me à cozinha onde ele lia o jornal "Última Hora" e disse-me (lembro-me como se fosse hoje) que aquela moça que trabalhava no “Teve se te agrada”, chamada Sonia Lancelotti, havia falecido em um acidente automobilístico aqui em São Paulo, ela que era do Rio, na noite anterior ao Natal não sei se foi em 1961 ou 1962. Ouvi aquilo do meu pai e esqueci... Ocorre que não conversei nunca sobre tal notícia, mas a notícia, as circunstâncias do acidente, aguçaram minha curiosidade e até hoje fico a me questionar sobre os detalhes do acidente que ceifou a vida de forma prematura daquela mulher.

Esta artista havia trabalhado com Dercy Gonçalves no filme "Cala a boca Etelvina", rodado em 1959, que ainda é encontrável no mercado. O fato, senhores, é que até hoje anseio por saber como foi o acidente, onde foi, cheguei até a assistir ao filme citado, mas vincular ela do filme com aquela do programa televisão foi impossível. Afinal, vi a mesma quando tinha 11 ou 12 anos de idade, e só sei que ela impressionava a todos quando aparecida na TV. O nome dela era Sonia Lancelotti e no filme da Dercy, no qual ela trabalhou, fazia o papel de sobrinha da Dercy, e apareceu no tal filme por poucos minutos.

Sempre rezo, não sei por que, pela tal atriz que marcou meu crescimento a ponto de eu querer saber até hoje detalhes do fatídico. Acho que somente os familiares dela no Rio é que conhecem os detalhes, mas tudo bem, deixa para lá, o que importa é que alguém aqui na terra, além dos familiares dela, sempre rezou por ela. Ela seria parada para Viviane Araujo na melhor forma dela. Sonia era morena e tinha grande futuro, porém ficou desconhecida porque sua carreira foi interrompida pelo acidente. Que fiquem todos com Deus e viva o São Paulo F.C.


E-mail: [email protected]

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 19/02/2013 Ah a primeira "TV" . Hoje temos praticamente uma em casa ambiente, mas a programações ficam a desejar. Saudades desses programas e filmes da nossa época Xico. Forte abraço ... Enviado por José Aureliano Oliveira - [email protected]
Publicado em 19/02/2013 Ela morreu no início da decada 60, e não em 1986 como consta num arquivo de um certo site. Enviado por xico lemmi filho - [email protected]
Publicado em 19/02/2013 Francisco, algumas pessoas marcam mesmo a gente. Mesmo à distância, fazem um bem danado. E nem é bom se perguntar o porquê disso: simplesmente marcam e pronto. E reze mesmo por ela, que é bom. Eu também rezo por muitas pessoas que jamais vi ou conversei. Como sempre, Chico, um texto elaborado por uma pessoa iluminada. Meus parabéns e um abraço. Enviado por Vera Moratta - [email protected]
Publicado em 18/02/2013 Lemmi, o importante é ela, a Lancelotti ter, entre seus admiradores, alguém como vc. Onde ela estiver, estará bem mais feliz por essa encantadora e doce recordação. Parabéns, Francisco.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 18/02/2013 Lemmi, como você eu também tenho uma deusa que marcou minha vida desde a mais tenra idade. Mas diferente da sua ela não morreu, está viva até hoje. Seu nome? Iris Bruzi Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - [email protected]
Publicado em 18/02/2013 Francisco, fiquei intrigada e fui pesquisar sobre a sua Sonia Lancelotti e descobri que ela nasceu em 09 de abril de 1940 e faleceu em 20 de dezembro de 1986, então, se a biografia que li estiver correta, ela faleceu aos quarenta e seis anos de idade! Não consegui descobrir absolutamente nada sobre a causa de sua morte. Tentei e tentei bastante, mas... Parabéns pelo texto! Abraço Célia Enviado por Regina Célia de Carvalho Simonato - [email protected]
Publicado em 18/02/2013 Francisco, ela com certeza está agradecida pelas orações. Ela foi uma marca em sua vida e pelo visto uma marca importante.Continue com suas orações. Um abraço. Enviado por margarida peramezza - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »