Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias As escolas de samba do Brás Autor(a): Dorival Bertaglia - Conheça esse autor
História publicada em 05/10/2012
Naquela época dos anos 40 e 50 eram duas: Iperoy e Turu-Turu. Por que os nomes? Realmente não sei. As cores: a Iperoy era em vermelho e preto, a Turu-Turu era em azul e branco. A Iperoy foi fundada em 4 de abril de 1944 e essa data ficou na minha memória por causa da música de 1949 que dizia: 4 de 4 de 44 foi nessa época que a Iperoy nasceu; 4 de 4 de 49 faz 5 anos que ela já viveu; a Turu-Turu foi fundada depois.

A Iperoy era muito maior, com muito mais componentes e muito mais organizada. Sua sede ficava quase na esquina da Rua Maria Marcolina com a Conselheiro Belizário, a Turu-Turu tinha sede em uma casa na Vila Silvio, uma vila que saindo da Rua Barão de Ladário ia até a Rua Monsenhor de Andrade e ainda tinha uma comunicação com a Rua Oriente, hoje tão famosa pelas lojas que pessoas do Brasil e até da América do Sul procuram para comprar, principalmente roupas a preços mais módicos. Hoje, ela é ocupada principalmente por coreanos. A Iperoy era dominada pelos os bailes de Carnaval do Oberdan.

Registro aqui dois acontecimentos significativos que ocorreram com as duas escolas de samba:

- Turu-Turu: nos Carnavais do início da década de 50, o presidente, objetivando dar ordem aos componentes da escola, exigiu que todos, mas todos mesmo, se apresentassem no desfile com blusas de cetim azuis e calças brancas. Não haveria perdão: quem não se apresentasse assim não desfilaria. No dia do desfile todos se apresentaram exatamente como o presidente pediu. Menos o presidente! Ele se apresentou de calça azul e blusa branca de cetim. O que aconteceu? Acabou a escola ali mesmo.

- Iperoy: na Rua Muller, próximo à Rua Oriente existia uma grande construção que havia sido locada pela aeronáutica e servia tanto de quartel como oficina de reparação de componentes dos aviões. Esse espaço depois foi ocupado como garagem da empresa de transportes Auto do Pari e ainda posteriormente pela São Paulo Editora. Quando ocupada pela aeronáutica, circulavam ali inúmeros soldados, incluindo muitos oficiais da aeronáutica; o uniforme deles era idêntico aos da aeronáutica americana. Dado a isso, eles eram chamados de Coca-Colas.

Imponentes, como se tivessem o rei na barriga, tentavam conquistar as moças do bairro. O pessoal do Iperoy, enciumado, começou a ter atritos com eles. Nos finais de semanas e feriados havia um “footing” na Rangel Pestana e os Coca-Colas tomaram o pedaço; ficavam parados junto às paredes e as moças desfilavam pelas calçadas. E daí saiam os encontros entre as moças casadoiras e os militares imponentes. Os componentes do Iperoy se sentiam desprezados.

Aí chegou o Carnaval! O Iperoy foi desfilar passando exatamente no pedaço do “footing”. Dá para imaginar o que aconteceu? A maior briga de todos os tempos que eu presenciei no Brás. A coisa foi feia. Muitos feridos. A briga foi relatada em todos os jornais da época. E na primeira página. Essas são algumas histórias que me recordo referentes às escolas de samba que o Brás teve.


E-mail: [email protected] E-mail: [email protected]
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 08/10/2012 Dorival - Essa escola de samba Turu-Turu me lembrou a musica da Sandy/Junior “Quando você passa ( Turu – Turu ) Gosto muito- Afinal mandaram o Presidente Lamber sabão – Bem feito pra ele. Agora lugar de “reco” é no quartel. Fizeram muito bem o pessoal da Iperoy defenderem as suas “minas” afinal era o seu território- Quem gostou foi o Adoniram Barbosa – O Arnesto nos convidou pra um samba , ele mora no Brás . Abraços ... Enviado por José Aureliano Oliveira - [email protected]
Publicado em 05/10/2012 Dorival, deve ter sido uma delícia! O Braz - com Z, conforme escreve o nosso Modesto -, naquele tempo, devia ser muito especial. Um abraço e parabéns pela narrativa. Enviado por Vera Moratta - [email protected]
Publicado em 05/10/2012 O que aconteceu com elas? É a primeira vez que ouço falar delas. Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - [email protected]
Publicado em 05/10/2012 Dorival, gostei muito do seu texto porque fala sobre raizes do samba, e do bairro do Braz um dos mais tradicionais de São Paulo, parabens. Enviado por João Sant´Anna - [email protected]
Publicado em 05/10/2012 OI, Marco Aurélio



A Turu-Turi acabou por causa do presidente, como descrevi.
O Iperoy foi acabando aos poucos pela próprias modificações significativas que o bairro passou. Os moços e moças foram casando, foram mudando de bairro e assim foi. Inclusive eu, que casei em 1.971 e fui morar na Vila Mariana e depois do Jardim Paulista, onde estou até hoje.
Enviado por Dorival Bertaglia - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »