Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias O dia que passaram a mão em mim Autor(a): Almir . - Conheça esse autor
História publicada em 27/09/2012
Creio que o sonho de consumo de muita gente na metade dos anos 80 era ter um vídeo cassete. Eu ia à locadora alugar cartuchos para o Atari e ficava horas vendo os filmes expostos para locação: verdadeiros clássicos que a muito saíram de cartaz e raramente passavam na televisão. O vídeo era caro para os meus padrões da época. O de quatro cabeças custava 500 dólares, direto do Paraguai.

Certa vez um colega de trabalho disse que conseguiria arrumar um seminovo pela metade do preço e ainda dividiria o pagamento. Quando ele trouxe não me contive de tanta alegria, passei na locadora e retirei cinco filmes. Quando fui assistir, que decepção, as fitas não entravam. Só depois descobri que tinha comprado um modelo Betamax, cujas fitas eram raríssimas de se achar.

Resolvi entrar em um consórcio. Fiz um plano de 36 parcelas no Consórcio Mappin e fiquei aguardando o fechamento do grupo. Quando recebi a carta convocando para a primeira reunião, juntei algumas economias e fui preparado para dar um lance.

Seriam distribuídos dois vídeos por mês, sendo um por sorteio e o outro por lance. Meu lance foi o maior, mas cinco outros consorciados ofertaram um valor igual. Para decidir quem ficaria com o vídeo, a sorte seria tirada através de um novo sorteio.

Bolinhas numeradas de um a 50 foram colocadas no globo e quem tirasse o número maior seria o premiado da noite. Eu seria o último. Sortearam os três primeiros e foram apenas números intermediários, nada além do número 20.
Quando chegou a vez do quarto participante eu desanimei. Saiu, para ele, a bolinha 45. Preparei-me para ir embora, decepcionado e apenas por desencargo de consciência acompanhei o meu sorteio: Número 50.

O auditório do Consórcio Mappin aplaudiu e o responsável pediu que o "sortudo" se apresentasse. Quando me dirigia até o palco um senhor passou a mão na minha cabeça e disse:
-“Vamos passar a mão nele para pegarmos um pouco de sorte.”
Dias depois recebi o vídeo em casa, passei na locadora e levei dez filmes para casa.


E-mail: [email protected] E-mail: [email protected]
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 01/10/2012 Almir, do fundo do meu coração, espero que esta sorte tenha lhe acompanhado sempre. Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - [email protected]
Publicado em 29/09/2012 Olha que esse "passaram a mão em mim" rendeu, heim! Quando li o título, passou um filme em minha cabeça...Praça da Sé, perto da rua direita um malandro(Anos70)confundido, passou a mão...Hahaha!!! Essa mente! Mas você nos conta uma história de muita sorte pois sua chance era mínima...Deve ter aproveitado muito mesmo essa sorte pela vida, espero que para sempre. Parabéns. . Enviado por mary clair peron - clairperon[email protected]
Publicado em 28/09/2012 Ainda bem que ele passou a mão em sua cabeça, Almir, se fosse no rosto, seria bem desagradável, né? Parabéns pelo relato.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 27/09/2012 Almir nunca ganhei nada em sorteio algum. No dia do meu aniversário no Anhembi estava havendo palestras “semana não sei do que”, desculpe não me lembro mais. Sai Alzheimer.
Sempre chego cedo aos meus compromissos, ou seja, uma hora adiantado. Estava sem fazer nada e entrei numa palestra da IBM. Anunciou o gajo lá que iriam sortear o “Sistema operacional da IBM-OS/2” Coloquei meu cartão pessoal na urna, e antes da palestra o gajo fez o sorteio, saindo lá José Aureliano Oliveira. Como você disse, a ida até o palco passaram a mão em mim também para dar sorte. Quando sentei já pediram para dar uma olhada, enfim, o pacote do sistema andou por todo o recinto. Almir esse sistema “OS/2 da IBM” , não vingou e nem sei se vocês já ouviram falar dele. Nunca usei e há pouco tempo atrás encontrei o danado no fundo de uma gaveta e joguei fora. Vai ter sorte assim lá na Cochinchina ...
Enviado por José Aureliano Oliveira - [email protected]
Publicado em 27/09/2012 Almir, apesar de toda a sua expectativa, foi tudo muito bom, porque você buscava. E como é sempre boa a busca, a conquista acaba acontecendo um dia. Parabéns. Gostei muito da sua crônica. Um abraço. Enviado por Vera Moratta - [email protected]
Publicado em 27/09/2012 Consórcios e passar a mão no vendedor para dar sorte, eram uma constante nos anos oitenta. Tirávamos carros entrando em consórcios e meu falecido marido participava de muitos destes. Espero que continue sendo um " sortudo". Enviado por Trini Pantiga - [email protected]
Publicado em 27/09/2012 Acho que todos os leitores fizeram um mal pensamento com o título de sua história.Eu pelo menos quiz ler onde passaram a mão? Espero que esta sorte tenha aparecido todas as vêzes que você precisou,e que continues sendo um sujeito de muita sorte. Enviado por walquiria rocha machado - [email protected]
Publicado em 27/09/2012 Almir, também participei de um consórcio, mas de video cassete de duas cabeças da SHARP em 1989 e fui sorteado logo, mas ninguem passou a mão em mim, parabéns,Estan. Enviado por Estanislau Rybczynski - [email protected]
Publicado em 27/09/2012 Muito espirituoso o título de seu conto, Almir. A princípio, sugere um ato libidinoso, mas no decorrer da leitura, percebe-se que não é nada disso que estão pensando, inclusive eu. Quanto ao sorteio, suas chances e ser sorteado após ter saído o número 45, seria a milionésima parte do inteiro (exagero) ?. Mas como dizia o saudoso Aurélio Campos,e depois J.Silvestre,"o céu é o limite" no seu caso a bolinha número 50. Mas aquela passada de mão precisa ser melhor explicada...rss... Enviado por ISMAEL SANTOS - [email protected]
Publicado em 27/09/2012 O vídeo cassete era realmente o grande sonho de muita gente nos anos 80, Almir. Foi uma maravilha o surgimento dele. Grande sensação foi na Copa do Mundo de 86, meio mundo querendo comprar ou mesmo alugar vídeo para gravar a mesma. E aquela euforia nos casamentos que passaram a ser filmados em VHS? O que o pessoal ficava entusiasmado para se ver na tela não estava escrito. Gratas recordações, maravilha! Beleza de texto - parabéns. - Enviado por Pedro Luiz Boscato - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »