Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares Colégio Salete, fim Autor(a): Ana Andrade - Conheça esse autor
História publicada em 21/05/2012
Hoje, apenas hoje, fiquei sabendo do fechamento do Colégio Salete, em Santana, na Rua Salete. Estudei lá e às vezes passava na porta só para recordar. Parava a pé ou mesmo de carro, olhava para o portão e via os senhores Cosme e Fernando controlando a entrada da garotada. Entrava, caminhando aos passos largos da minha imaginação. Pedia uma fichinha para um refrigerante na lanchonete do Moacir e depois comprava um lápis colorido na papelaria do Seu Zé Veneziano.

Ia para a árvore gigantesca, uma figueira, eu acho, sentava olhando para a quadra de baixo. Ouvia o sinal, passeava, flutuando pelo prédio velho, com as fotos dos formandos na parede. Ia ao laboratório e à sala dos professores. Tudo isso em minutos. Ouvia os sons dos risos, dos gritos dos alunos. Via meus avós me esperando.

Agora, fechou. Demolição. O que posso fazer? Manter vivas as imagens e as pessoas, todos os alunos, os professores, os funcionários. Tudo muda, mas não vai mudar meu sentimento sobre esse marco na história de Santana. O Colégio Salete.

Obrigada. Do que sou hoje, devo uma parte a você, Salete. O Salete do Sr. Hélvio Bugano, da Da. Ilka, da Da. Salete, do professor Cavalheiro, do Maguila, do Ferreirinha, da Renata Pimenta, da troca de figurinhas no pátio, do hino nacional cantado na aula do professor Zanotti e na quadra de baixo, nas ocasiões especiais, das visitas ao Campo de Marte e ao Quartel do Exército-CPOR, na semana da criança.

Agradeço a proteção nos dias de sol e chuva e muito mais. A Rua Salete não será mais a mesma.Espero que o que lá se edifique receba os bons fluídos e o amor do querido colégio.
Muito Obrigada por tudo, Salte. Adeus.

Aluna: Ana Lucia de Oliveira. De 1966 a 1977.


E-mail: [email protected] E-mail: [email protected]
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 08/03/2013 Também estudei no colégio Salete entre 1963 1966
lembro do professor de portugues ele falava também francês rufino e o professor de história Llamana se não estou enganado será que eles estão vivos??? quem souber por favor passe e-mail p/mim
walter
Enviado por walter carlos toledo veiga - [email protected]
Publicado em 08/03/2013 Todos meus irmãos -Antonio José e Liliana Maria - e eu estudamos desde 1960- ginásio e científico quando no meu caso fui para faculdade no interior.
Tenho muitas recordações e saudades de amigos que não sei mais onde estão.
O colégio não está mais lá, infelizmente. Mas é a vida.
O que me deixa chateado é a falta de preservação da memória.
Nos guardamos nossas memórias, individualmente mas o respeito dos senhores que agora tem o poder( os novos proprietários )com o passado tem que existir.
Enviado por FABIO ROBERTO PEREIRA DE REZENDE - [email protected]
Publicado em 05/03/2013 Olá Ana, tudo bem?
Sou um "pouco"mais velho que você. Estudei no Salete de 1954 a 1960 cursando admissão ao ginásio até o terceiro científico. Lembro das seguintes pessoas: do meu tio Moacir(dono da cantina), do Sr.Hélvio(diretor),do Sr. José(chefe da disciplina) e dos seguintes professores: Hugo(inglês),Rufino (português), Miguel(desenho),Zanotti (canto), Geraldo (geografia), Cerulha(física), Laureano(Matemática) , Henrique(educação física) e outros que me foge o nome.Fomos, no segundo ano científico, campeões do torneio interno de futebol de salão ao vencer por 2 a zero a equipe do terceiro científico onde, ao marcar o segundo gol, fui agredido por um jogador do time adversário ocasião que o professor Laureano (de matemática)invadiu a quadra e chamou o agressor de cafajeste, termo muito usado na época. Tento marcado os 2 gols da vitória os quais somados aos outros 5 anteriormente marcados ganhei 2 medalhas: uma de campeão e outra de artilheiro.
O jogo foi realizado a noite e,na manhã seguinte, os campeões desfilaram, durante o recreio, com as medalhas ganhas na noite anterior.
Enviado por Mauro Baptista Camillo - [email protected]
Publicado em 18/11/2012 Sr.Angelo Bortolo, era sogro do Prof.Helvio Bugano. Sei porque estudei e era amigo da filha do professor a Nivia. Lembro-me de tudo isto, terminei o colegial em 73, o Sr.Cosme que ficava na entrada e dava um pente fino no uniforme da cabeça aos pes, do cachorro quente, do dan top,de todos esses professores. Nossa foi incrivel relembrar. Tinha os amigos, Renato(zoonp)Pisol(capotas pizzoletro)Horst, Batata, Teleco(padaria comercio), Plusnik( morava onde hoje é o Mc.Donalds) o Kafel(loja moveis na voluntarios) da paquera que rolava na saida. Todos se conheciam. Era um lugar muito legal. Acho que o que separou aquela Santana maravilhosa foi a chega do Metro. Enviado por Carlo Donto - [email protected]
Publicado em 01/11/2012 Nossa, lendo sua história viajei na minha, me bateu um sentimento de perda mesmo, foi o periodo masi legal que eu tive, tambem gostei muito, velhos amigos, Zé Guida, Marcos Bonora, noossa, foi muto bom, o Marcão Bombado que é irmão daquela gata que apresenta o programa do tempo na Globo, a Fabiana? nem lembro, a Moniquinha que eu amava tanto, a Fabiola, putz, o Zé Quenca, gente que marcou uma epoca, bons amigos, minha irmã Valeria sempre com a gente, nossa, foi muito bom, é uma pena mesmo. Enviado por Otto Hartung - [email protected]
Publicado em 17/08/2012 Em 1966,quando saí do interior fui para São Paulo onde morei inicialmente em uma "republica" na rua Dr. Cezar. Posteriormente mudei para a rua Salete esquina com a mesma Dr. Cesar onde aluguei uma "vaga". Trabalhava no Jaçanã, na Industria de Calçados Arco-Flex , cujos prédios, na Luiz Stamatis já não existem mais. Conclui no Colégio Salete, meu curso Técnico em contabilidade à noite. Fiz boas amizades naquele tempo, e saudosista que sou, muitas vezes visitei aquela rua, berço das minhas primeiras emoções, responsabilidades e complemento da minha educação na "cidade grande".Hoje, aposentado resido na minha cidade natal, Penápolis (SP) e, com tristeza leio a noticia do encerramento das atividades e demolição da "nossa" Salete. É triste, muito triste, mas temos a vantagem de conseguir viajar nas asas da imaginação. Todas as vezes que entrar no túnel do tempo para passar minha saudade a limpo, com certeza lembrarei dos dias vividos naquela Escola e, ao menos por alguns instantes, voltarei a ser um pouco mais jovem e feliz outra vez! Enviado por Olmair Perez Rillo - [email protected]
Publicado em 10/08/2012 Oi amigos, estudei no Salete de 1954 a 1962 e meus irmãos mais velhos também estudaram lá. Ainda moro em Santana e foi muito triste ver o Salete ser "destruído", como disse meu neto, foi muito rápido e nem a árvore escapou. Enviado por Sara Blecher Silberstein - [email protected]
Publicado em 12/07/2012 Adorei,pois matei um pouco desta nostalgia do,passado,e o colegio salete era uma otima escola,pena que fechou as portas um abraco sofia Enviado por Sofia - [email protected]
Publicado em 28/05/2012 Ana você me deixou muito, mas muito triste mesmo. Estudei no Salete (1968 a 1970) Lembro-me do Álvaro, Henrique, Hélvio, Edneia, Tomiko, Scalquete, Jurandir, Maria Lúcia, Cosme, José e outros tantos. Das minha colegas, a Elizabeth Tajra, a Sandrinha, a Suely, o Miguel, a Aninha, a Cleide, e outras. Que pena, parte de mim será demolido com este Colégio. Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - [email protected]
Publicado em 25/05/2012 Ana. Parte da minha juventude passei em Santana. Um bairro onde fiz grande amigos. Em 28 de Novembro de 1948 recebí o meu diploma por ter cursado o primário de sete anos no Externato Anexo ao Colégio Sant'Ana, assinado pela Irmã Maria Bernadette. Tenho também uma medalha de "Honra ao Mérito" pela qualidade do meu estudo naquele estabelecimento.
Cursei até o terceiro ginasial no Liceu Coração de Jesús. Nós mudamos para a Chácara das Rosas, na Rua Amaral Gama em Santana, e meu pai decidiu que eu deveria completer o ginásio no Colégio Salete que era mais perto de casa. E assim cursei a quarta série ginasial no Colégio Salete em 1952. Na época eles diziam que iriam construir uma piscina na quadra de baixo, perto da grande figueira, mas creio que isto nunca aconteceu. Nesse mesmo ano, ganhei um diploma por ter participado da Festa da Ginástica que aconteceu no Pacaembú em 1952. O Diploma foi assinado pelo Sr. Hélvio Bugano e pelo Henrique professor de Educação Física do Salete. Eu gostava do carro do Sr. Bugano um Packard 1950 azul claro.
Eu simplesmente adorava aquele colégio porque era mixto, longe de se afigurar com o Liceu. Assim, os "flerts" eram constantes e faziam parte do cotidiano. Eramos muito vigiados pelo Luciano, o qual controlava a entrada dos alunos e da disciplina nos páteos. Eu já falava o Inglês fluente e nunca tive que fazer uma prova com o professor Hugo, que no final ficamos amigos de frequentar a casa. Apesar da garotas da minha idade, eu gostava muita da Fernanda, a professor de ginástica. Quando nossas aulas caiam com ela e não com o professor Henrique, para mim era júbilo.
Ela morava num sobrado na rua Amaral Gama, perto das Chácarra das Rosas. Uma vez saindo de casa nos demos juntos. Começamos a conversar sobre as coisas do colégio e logo o tom virou mais romantico. Apesar da diferença de idade fomos íntimos por três meses. Coisas de garotão. Ela era sensacional. Tudo acabou quando formei-me. O colégio Salete foi especial de tantas outras maneiras. É uma pena. Quem sabe em seu lugar vai existir um grande prédio de apartamentos para contribuir com a selva de pedra…Um grande abraço. Anthony.
Enviado por Anthony Mennitto - [email protected]
« Anterior 1 2 Próxima »