Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas Penha dos meus sonhos Autor(a): André Luiz Penteado - Conheça esse autor
História publicada em 28/03/2012
Primeiramente desejo muita paz a todos que fizerem leitura destas humildes linhas.

Desejo antes de qualquer coisa dar os meus parabéns, a pessoa ou a equipe que teve a magnífica ideia ou genialidade de construir esse espaço de recordações e encontros marcados pelo tempo. Parabéns a toda a equipe envolvida neste cantinho de São Paulo.

Como me lembrar dos nomes de todos os amigos de infância, é um tanto quanto impossível de me lembrar, faço dos lugares e momentos marcantes que com certeza foram denominadores comuns a todos.

Ah! Quem não se lembra das nossas jovens tardes de domingo, Jovem Guarda, Ed Carlos, Roberto e Erasmo Carlos, Show de Rock, o movimento hippie que pregava a paz e o amor. Quem é que não teve oportunidades de sair de São Paulo e ir passar um dia se quer na Praia Grande, Cidade Ocian, Vila Mirim, Vila Tupi, em Santos, Praia José Menino e outros.

E por falar em praia, que é que não assistia as comemorações de Nossa Senhora da Conceição para os católicos e Iemanjá para os umbandistas.

Ai que saudades dos carrinhos de rolimã, jogar bola no meio da rua - literalmente, jogar queimada no meio da rua, os carros que não diminuíssem a velocidade para ver. Rodar pião, correr atrás de pipas, balões, e por falar em balões, quem não curtiu as quermesses (espetinhos com farinha, milho assado na brasa, bandeirolas, etc..), quem é que não brincou de esconde-esconde, mãe da mula.

Quem nunca ficou até muito tarde sentado na calçada, em frente à casa de um dos amigos, contando estórias de assombração - havia aquele que gritava para assustar as meninas e os medrosos. As meninas brincando de amarelinha, amores platônicos. Exames de admissão, primeira comunhão, etc..

Ah! Como era gostoso, tudo muito inocente (lógico, fica aqui o meu registro, estou relacionando àqueles que tiveram uma educação nos padrões da época).

Para quem morava na Penha, quem é que não se lembra da Viação Penha/São Miguel com carros nas cores marron e bege.

Quem não se lembra do “Kichute”, do tênis Bamba e do All Star com cores diversas.

Amigos, eu vou ficando por aqui, pois se eu ficar rememorando tudo que me vem à mente e me lembrando de tudo e de todos, esse espaço ficará muitíssimo pequeno. Até a próxima para todos, muita paz e obrigado por fazerem parte deste cantinho.

Obrigado mais uma vez à equipe do site. Parabéns.


E-mail: [email protected]
E-mail: [email protected]
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 08/05/2012 Boa tarde! André Luiz, tambem morei na Penha, exatamente na Rua Maria Teresa Assunção, bons tempos, minha infancia, meus amiguinhos (as) quantas brincadeiras, (meu paquera que foi embora mora em outro estado), quantas saudades tempos que não volta mais, mas que deixou muitas saudades principalmente das pessoas boas que passaram pela minha vida e que hoje ja não tenho mais contato. Obrigado pela oportunidade de poder relembrar deste momentos bons, fique com DEUS ,
grande abraço VMJ 08/05/12
Enviado por Vanda da Motta Jorge - [email protected]
Publicado em 17/04/2012 Eh isso ai Andre, tambem fui penhense dos 6 aos 10 anos morei na Pedro Alegrete e estudei no Barão de Ramalho, meninos de manha e meninas a tarde. Saudades. Abraços Hélio. Enviado por Hélio Martins de Aguiar - [email protected]
Publicado em 05/04/2012 Também morei muito tempo na Penha, final da rua Betari, depois Rua Jaborandi, depois Rua Macaúbas, depois fui morar na Vila Esperança, que é um Subdistrito da Penha. Depois de casado fui morar na Vila Ré que também é um Subdistrito da Penha. No minimo duas vezes por semana, eu passo pelo Largo 8 de Setembro, coração da Penha. Ando pelas ruas, não vejo os cinemas que frequentava, passando em frente onde se situava o Cine Jupiter, hoje uma loja de calçados, não existe mais a Droga Mardem e não sei por onde anda o Marde. Não sei se ainda existe a Rádio Jaragua. Saudades do Lgo. do Rosário, da roda gigante, do trem fantasma, dos altos falantes que nos traziam as musicas do momento, principalmente Elvis Presley, e também Bienvenido Granda com suas musicas romantica, que alguem oferecia para alguem, como prova de alguma coisa. Enviado por Hermes Figueiredo - [email protected]
Publicado em 28/03/2012 André, bonitas e gostosas recordações! Também morei muitos anos na Penha e até hoje sinto saudades!
Abraço Célia
Enviado por Regina Célia de Carvalho Simonato - [email protected]
Publicado em 28/03/2012 André, lembro sim de tudo o que você citou. Também sou da Penha e como era gostoso ficar na esquina de minha casa com toda turma da rua, contando casos. Que saudades! Um grande abraço. Enviado por margarida p peramezza - [email protected]
Publicado em 28/03/2012 André, lembro sim de tudo o que você citou. Também sou da Penha e como era gostoso ficar na esquina de minha casa com toda turma da rua, contando casos. Que saudades! Um grande abraço. Enviado por margarida p peramezza - [email protected]
Publicado em 28/03/2012 André, lembro sim de tudo o que você citou. Também sou da Penha e como era gostoso ficar na esquina de minha casa com toda turma da rua, contando casos. Que saudades! Um grande abraço. Enviado por margarida p peramezza - [email protected]
Publicado em 28/03/2012 ANDRÉ-SAUDADES DA MINHA QUERIDA PENHAM TEMPOS BONS DO ONIBUS PENHA LAPA, DO TREM DA CENTRAL, ESTAÇÃO ENG.TRINDADE-MINHA INFANCIA FOI DE OURO NESTES LOCAIS, ABRAÇOS RUBÃO Enviado por RUBENS ROSA - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »