Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares 01/02/1974 - Edifício Joelma Autor(a): Carlos Dias - Conheça esse autor
História publicada em 17/11/2006

No dia 01/02/1974, uma sexta feira, a manhã aparentava que iria ser bonita, e como fazia todos os dias, por volta das 07:20 horas, saí de casa e estava me dirigindo para o local do meu trabalho, um escritório que ficava na rua Genebra número 17, Bela Vista, aonde existe até hoje um prédio de apenas dois andares, que fica na esquina da rua Santo Amaro, eu era na época auxiliar de escritório. Depois de abrir as janelas e arrumar alguns papéis na minha mesa, resolvi descer até um barzinho que ficava debaixo da minha sala para tomar um cafezinho, como era meu costume. Conversando com algumas pessoas que estavam ali falávamos de coisas banais, quando entrou um rapaz ofegante e falou: Olhem pessoal, aquele prédio esta pegando fogo -, então olhamos e não vimos nada e ele dizia: - olhem bem, vejam o reflexo do prédio da avenida 9 de julho -. Sim, todos nós quatro ou cinco pessoas que estavam ali, vimos o início do que seria marcado como um dos piores dias de São Paulo, o incêndio do edifício Joelma. Retornei correndo para o escritório e quando cheguei vi pela janela que o lado que fica para a Praça das Bandeiras, já estava começando sair fumaça. As pessoas que passavam pelas ruas Genebra e Santo Amaro começaram a notar e parar para ver, e logo em seguida comecei a escutar as sirenes da polícia e dos bombeiros, logo em seguida chegou meu chefe na época o saudoso Mauro Costa que foi vereador e irmão do também falecido Pedro Geraldo Costa. Ficamos ali assistindo esta tragédia que acontecia, juntamente com outras pessoas que ali trabalhavam e que vinham até nosso escritório, para terem uma visão completa, já que a sala era o primeiro andar. Minha adrenalina corria a mil, minhas pernas bambeavam, minha boca ficava seca, eu estava vendo uma coisa que não era ficção e que nos meus 21 anos vi cenas feias como pessoas se jogando, era horror puro. Foi quando, algumas horas depois, apareceu um rapaz, com uma maquina fotográfica com aquela tele objetiva enorme, era um alemão e se identificou ao meu patrão, dizendo que era fotógrafo da revista Stern e se podia tirar algumas fotos, claro que houve o consentimento. Após algumas horas, chegando quase a hora do almoço, ninguém sentiu fome naquele dia, todos estávamos tensos, chocados e frustrados, por não podermos fazer nada para ajudar. Depois do incêndio, por volta das 16:00 horas, eu não olhava mais para o prédio, tudo estava acabado, apenas restava aquela imagem negra e fumaça saindo. Como ninguém conseguiu trabalhar naquele dia, fechei o escritório e fui para casa e me lembro que fiquei caminhando pelas ruas do centro e claro o que o assunto não poderia ser outro. Hoje, passados 34 anos deste fato, ainda observo as pessoas da minha idade, passarem perto do Joelma e olharem para cima e eu, não sei porque, também faço o mesmo. Leitor assíduo deste site, gostaria de estar descrevendo coisas bonitas e que fazem bem, mas na vida temos de conviver com o belo e o feio, e já que estamos sempre falando de Sampa, isto também faz parte de sua história.

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 08/12/2009 Hoje com 52 anos e 17 na época, lembro-me perfeitamente daquele momento triste, estava descendo a Rua Riachuelo em direção a Praça das Bandeiras, quando me deparei com a fumaça e o fogo que havia no Edifício, realmente foi o fato mais triste presenciado até aquele momento. Ironia do destino meu filho hoje trabalha naquele mesmo Edificio e me relata que ainda hoje as pessoas que lá trabalham dizem ouvir barulhos, passos. Enviado por Joel Nunes Teixeira - [email protected]
Publicado em 16/11/2009 Na época dia do incêndio, tinha 15 anos,trabalhava e ainda trabalho na CESP. Eu e alguns colegas de trabalho subimos no terraço do prédio da CESP que ficava na av. Paulista, aquele que após alguns anos tbém pegou fogo, de lá vimos a fumaça os helicópteros e o grande movimento de ambulâncias na Paulista a caminho do Hosp. das Clínicas, muito triste. Enviado por EDUARDO PAPARELLI - [email protected]
Publicado em 01/11/2009 Olá, pessoal e leitores. O incendio do Joelma é um fato famoso em todo o Brasil. Sou de Manaus-AM e muitos aqui lembram dessa tragédia. Desde pequenininho minha mãe quando entrava em prédios, dizia pra mim nunca pegar elevadores nem ir em andares muito altos por causa de possiveis incendios iguais aos do Joelma que ela viu pela TV. Cresci com "isso" na cabeça. Fim desse ano (2009), irei a São Paulo passear, inclusive um sonho meu conhecer Sampa, e com certeza, irei visitar o Joelma. Enviado por Manoel Neto - [email protected]
Publicado em 12/10/2009 Eu vi naquela epoca eu estava gravida do meu primeiro filho trabalhava na NCR e tinha meus amigos que trabalhavam la foi muito terrivel as pessoas se jogando pelas janelas outras do telhadonunca vou esquecer este dia foi terrivel hoje com 58 anos ainda me recordo e as vezes comento sobre este dia Enviado por margarida afonso - [email protected]
Publicado em 12/10/2009 Pois é, eu tive a oportunidade de trabalhar no isolamento e transporte de pessoas nesse local, pela Defesa Civil do Estado, e ja tinha presenciado anos antes o Andraus onde tinha as lojas Pirani, fizemos o possível e o impossível com o apoio total de Deus, pois foi terrível situação. Enviado por walterbuenoabreu - [email protected]
Publicado em 12/10/2009 Minha mãe me disse hoje de manhã sobre o encêndio do edifício Joelma e na época eu não sei como ela se lembra mais ela ia fazer 3 anos de idade no dia 24/07/1974 e eu fiquei chocada por que 35 anos depois dessa terrível história ainda corta o coração!Tenho 12 anos e não quero nein saber o resto da estória ! Enviado por Bárbara - [email protected]
Publicado em 06/10/2009 Mauro Costa era meu vizinho na Aclimaçao, uma pessoa especial. Enviado por Katherine Jones - [email protected]
Publicado em 14/09/2009 Eu vi... mas não sabia que o irmão e a irmã de um amigo... estava lá. Enviado por Benedito - [email protected]
Publicado em 03/09/2009 Hoje eu tenho 46 anos de idade, na época tinha 10, lembro como se fosse hoje, eu estudava de manhã, quando o incêndio começou no edifício Joelma estava na sala de aula, no entanto já estava havendo comentario sobre o incêndio em São Paulo, nunca vou esquecer, quando cheguei em casa após as aulas, a televisão ainda preto e branco ligada na sala da minha casa e minha mãe com os olhos cheios de lágrimas, assistindo aquelas cenas horríveis de pessoas se jogando, nunca mais irei esquecer destas cenas Enviado por William Rios alves - [email protected]
Publicado em 29/08/2009 Boa tarde amigos!? Eu nasci em set de 1973, mas desde de pequeno qdo vi o filme " JOELMA 23 ANDAR " E de te ouvido meu pai falar dos dois maiores incendios Andraus e Joelma. Meu pai viu bem os dois de perto, pois meu pai era gerente do Banco Françés e Brasileiro no centro da cidade e saiu do Banco para ver de perto tais tragédias. Essa semana que passou mostrei ao meu pai dois videos que tem o youtub , um de 16mm do Andraus com 6 minutos de duração, e um do Joelma feito na época em wmv. Abraços. Enviado por Carlos S. - [email protected]