Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares 01/02/1974 - Edifício Joelma Autor(a): Carlos Dias - Conheça esse autor
História publicada em 17/11/2006

No dia 01/02/1974, uma sexta feira, a manhã aparentava que iria ser bonita, e como fazia todos os dias, por volta das 07:20 horas, saí de casa e estava me dirigindo para o local do meu trabalho, um escritório que ficava na rua Genebra número 17, Bela Vista, aonde existe até hoje um prédio de apenas dois andares, que fica na esquina da rua Santo Amaro, eu era na época auxiliar de escritório. Depois de abrir as janelas e arrumar alguns papéis na minha mesa, resolvi descer até um barzinho que ficava debaixo da minha sala para tomar um cafezinho, como era meu costume. Conversando com algumas pessoas que estavam ali falávamos de coisas banais, quando entrou um rapaz ofegante e falou: Olhem pessoal, aquele prédio esta pegando fogo -, então olhamos e não vimos nada e ele dizia: - olhem bem, vejam o reflexo do prédio da avenida 9 de julho -. Sim, todos nós quatro ou cinco pessoas que estavam ali, vimos o início do que seria marcado como um dos piores dias de São Paulo, o incêndio do edifício Joelma. Retornei correndo para o escritório e quando cheguei vi pela janela que o lado que fica para a Praça das Bandeiras, já estava começando sair fumaça. As pessoas que passavam pelas ruas Genebra e Santo Amaro começaram a notar e parar para ver, e logo em seguida comecei a escutar as sirenes da polícia e dos bombeiros, logo em seguida chegou meu chefe na época o saudoso Mauro Costa que foi vereador e irmão do também falecido Pedro Geraldo Costa. Ficamos ali assistindo esta tragédia que acontecia, juntamente com outras pessoas que ali trabalhavam e que vinham até nosso escritório, para terem uma visão completa, já que a sala era o primeiro andar. Minha adrenalina corria a mil, minhas pernas bambeavam, minha boca ficava seca, eu estava vendo uma coisa que não era ficção e que nos meus 21 anos vi cenas feias como pessoas se jogando, era horror puro. Foi quando, algumas horas depois, apareceu um rapaz, com uma maquina fotográfica com aquela tele objetiva enorme, era um alemão e se identificou ao meu patrão, dizendo que era fotógrafo da revista Stern e se podia tirar algumas fotos, claro que houve o consentimento. Após algumas horas, chegando quase a hora do almoço, ninguém sentiu fome naquele dia, todos estávamos tensos, chocados e frustrados, por não podermos fazer nada para ajudar. Depois do incêndio, por volta das 16:00 horas, eu não olhava mais para o prédio, tudo estava acabado, apenas restava aquela imagem negra e fumaça saindo. Como ninguém conseguiu trabalhar naquele dia, fechei o escritório e fui para casa e me lembro que fiquei caminhando pelas ruas do centro e claro o que o assunto não poderia ser outro. Hoje, passados 34 anos deste fato, ainda observo as pessoas da minha idade, passarem perto do Joelma e olharem para cima e eu, não sei porque, também faço o mesmo. Leitor assíduo deste site, gostaria de estar descrevendo coisas bonitas e que fazem bem, mas na vida temos de conviver com o belo e o feio, e já que estamos sempre falando de Sampa, isto também faz parte de sua história.

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 01/02/2011 Bom dia prezados, leitores, hoje 010211 completo 47 anos, nesta data 01/02/1974, estava completando 11 anos, e minha mãe estava fazendo o bolo do meu aniversário, então nesta data não há comop esquecer uma tragédia como o incêndio do Joelma, pensei que nunca entraria nesse prédio, anos atrás quando trabalhava de ocffice-boy fui entregar uma corrspondência, senti uma agonia e mal estar, dizem que durante a noite há gritos e gemidos nos corredores do prédio,espitos que vagam. Enviado por silvio custodio - [email protected]
Publicado em 23/01/2011 eu trabalhava em um predio vizinho na av 9 de julho era uma manha normal ate que um dos funcionarios disse que um predio estava pegando fogo abri a janela e vi uma densa fumaça preta sobre o edficio e que o fogo ja estava tomando posse dos andares superiores logo depois os funcionarios do meu local de trabalho estavam decendo para olhar mais de perto o espetaculo dramatico eu tambem fui ver depois que olhei pro edficio ele ja estava transformado numa foqeira imposivel de comtralar Enviado por marcelo antoni - [email protected]
Publicado em 06/01/2011 Passei em frente ao JOELMA nesse mesmo dia, retornando, com meus colegas, de mais uma noite de trabalho. Chegando a casa, soube pela minha esposa que um prédio estava sendo consumido por um incêndio. Quando soube que se tratava dele, fiquei estarrecido ao ver aquelas cenas na TV. Dizem que agora ele é um dos edifícios mais seguros de São Paulo. É sempre assim: Casa arrombada, trancas à porta! Enviado por joel - [email protected]
Publicado em 01/01/2011 Meu xara escreveu uma da pura realidade, daquele fatidico dia que parou Sao Paulo. Parabens e Feliz 2011. Esperamos nunca mais ver tragedias como esta. Enviado por carlos villa - [email protected]
Publicado em 06/11/2010 Quem nasceu nos anos 70 cresceu ouvindo histórias a respeito desta tragédia.Eu vi publicada a lista das vítimas em uma revista da época certa vez e guardei os nomes das pessoas.E rezo para elas todas as noites para que descansem em paz!! Enviado por Paulo Bristol Luchettini - [email protected]
Publicado em 27/09/2010 tenho um parente que sobreviveu a esse incendio porque o mesmo ao verificar o incendio do escritorio foi ao banheiro e molhou-se. Não consegiu sair do prédio,mas ele chegou a cobertura e deitou-se.Perdeu os sentidos e acordou no hospital. Passou semanas internado na UTI com queimaduras, mas se restabeleceu Enviado por Melrybeth - [email protected]
Publicado em 01/09/2010 Infelismente estava no centro da cidade neste dia...
Fiquei por várias horas na esquina da Av. São Luiz com a Rua da Consolação, tentando organizar o transito, por onde passavam varios carros de socorro, ambulância e particulares levando litros de leite até que... a policia chegou para assumir a organização,ainda melhor. Sem saber o que fazer fui até o Hospital das Clinicas doar sangue. Ai sim vi o que era uma cena de horror. Fiquei por muitos meses chocado, sempre acordando a noite e gritando
Enviado por ivan periotto ribeiro - [email protected]
Publicado em 28/08/2010 REALMENTE UMA TRÁGEDIA
ACHO QUE A MAIOR NA HISTORIA DE SÃO PAULO.
FAZER O QUE?
TINHA QUE SER ASSIM
MAS,COM A GRAÇA DE DEUS,ESTÃO TODOS NAS BENÇAOS DE DEUS
Enviado por DANIELA - [email protected]
Publicado em 14/08/2010 O meu pai trabalhava na rua Santo Antonio e pode ver de perto a tragedia, ele diz que foi umas das coisas mais horriveis que ele pode presenciar,as pessoas se atirando do edificio o pânico e desespero tomava conta de todos. Enviado por Soraya Nomura - [email protected]
Publicado em 12/07/2010 Bá eu vi a simulação deve ser muito triste!!ainda relembrar dessa tragédia...piior que hoje ainda ta as sombraçaoes do edificil joelma..bjoss Enviado por willian - [email protected]