Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias A Travessa do Comércio, o João da Esfiha e o Sucupira Autor(a): Aclibes Burgarelli - Conheça esse autor
História publicada em 10/01/2012

É formidável viver hoje, com grande importância, aquilo que no passado, apesar de importante não fora vivido como devesse ser. Costuma-se dizer que um bom vinho não é saboroso no momento em que a rolha é removida da garrafa; o verdadeiro sabor vem depois de alguns momentos de descanso. Hoje, passado muito tempo, do distante final dos anos 50 e início dos anos 60, encontro-me bem descansado e, parafraseando a lição da degustação de um bom vinho, posso me transportar para a época em que a garrafa foi aberta, ou seja, em 1957 e alguns anos depois.

Trabalhava eu na Rua XV de Novembro, número 251, na Western, e cumpria vários horários semanais, em rodízio de 24h, ou seja, 6h às 12h; 12h às 18h; 18h às 0h e 0h às 6h. Especialmente nos períodos matutino e vespertino, os funcionários dispunham de 20 minutos (que se transformavam em 30), para um pequeno café. O lugar já estava tradicionalmente marcado, ou seja, Travessa ou Rua do Comércio, em frente a um restaurante (na época se dizia bar e restaurante) onde existia uma pequena estufa com lâmpada permanentemente acesa, no interior da qual se posicionavam esfihas abertas, com o peculiar aroma; a conhecida Esfiha do João.

João era um senhor bem afeiçoado, com trejeitos de pequeno comerciante (na época não se dizia empresário) e sua mulher, provavelmente descendente de árabes, cujo nome, se bem me recordo era Maria, Mais do que as deliciosas esfihas, cujo preço era "pendurado" até o final do mês, quando o salário nos permitia quitação, o que nos levava ao lugar era a oportunidade de bate-papo sobre tudo: futebol, política, músicas, cinemas etc.

Trinta minutos não eram suficientes para aqueles momentos de descontração. Eu, de minha parte, gostava da presença de uma pessoa que me fascinava pelo modo de vida que levava e que encontrava, na Esfiha do João, aconchegantes pessoas que não o discriminavam. Falo do Sucupira e seu auxiliar imediato, cujo nome não consigo recordar, mas bem nítida permanece a imagem servil daquele auxiliar voluntário.

Sucupira era um senhor de aproximadamente 60 anos de idade, sempre portando um guarda-chuva, chapéu escuro, camisa branca, gravata estreita e comprida e paletó abotoado. Costumava fazer alusão à etimologia das palavras ou, como no caso, a tradição árabe das esfihas, sem dizer que era exímio em lições de moral, a respeito da conduta ou do comportamento de transeuntes ou mesmo de alguns fregueses. Normalmente qualquer sustentação oral feita pelo Sucupira recebia, depois de breve consulta, aprovação de seu auxiliar que meneava a cabeça positivamente.

Um belo dia, não encontrei o Sucupira, no horário costumeiro, e perguntei à senhora Maria por onde andaria ele, ao que carinhosamente ela passou a narrar quem era aquela envolvente personagem. Era nada mais nada menos do que um grande advogado que, tragado pelo vício da bebida tornara-se alcoólatra e fora interditado pelo filho que ninguém conhecia. O filho sabia que o pai era fiel aos seus compromissos e tinha certeza de que, impossibilitado de deixar a bebida definitivamente, conseguiria sustentar o vício com alguns trocados que todos os dias recebia do mesmo filho.

O horário da bebida era matutino e daí o motivo pelo qual Sucupira frequentava a Esfiha do João, depois de bebericar no bar existente no lugar. Para não me alongar muito sobre essa pessoa que marcou minha vida, pelo fato de, em sendo alcoólatra, conseguir manter o vício com dignidade, foi uma cena que, de certa forma, me envolveu: havia eu solicitado uma esfiha e, indagado a respeito de querer ou não algumas gotas de suco de limão, Sucupira segurou o vidro de suco de limão, levantou-o como a examinar o líquido contra o sol e assim se expressou:
-"To be or not to be. That is the question! É uma tragédia, cuja caveira é a mistura na qual se adiciona o açúcar”! - e arrematou:
- “Por essa razão eu a prefiro pura!”

Embora eu entendesse razoavelmente o idioma inglês, porque trabalhava em um telégrafo inglês, no momento não entendi a referência. Sucupira, do alto de sua sabedoria percebeu minha mudez; olhou-me seriamente e perguntou-me:
- "Você conhece cachaça?”- respondi positivamente e ele prosseguiu:
- “E Hamlet?”.

Pelo meu sorriso ele percebeu que sim e por essa razão concluiu:
- “Hamlet e cachaça não se misturam, tome suas gotas de limão”.

Todos riram, mas, no fundo de minha alma, lamentei o fato de Sucupira enfrentar a grande prova de sua vida, sem deixar sua sabedoria, então transformada em piada. Hoje permanece somente a recordação, porque um belo dia que se seguiu a outros Sucupira desapareceu da Rua ou Travessa do Comércio, tanto quanto desapareceram o João e a Maria da esfiha. Mas nada impede de eu passar pelo local, parar e relembrar cenas que sequer passam pelas cabeças dos transeuntes de hoje.


E-mail: [email protected]

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 11/01/2012 Aí está um ótimo exemplo de uma crônica bem urdida na memória de um dos nossos melhores contadores de histórias. Lembro desse bar, (não do João e Maria), quando trabalhava no Matarazzo. Bem distribuido em seus paragrafos, gostoso de ler e rememorar. Parabéns, Burgarelli.
Laruccia
Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 10/01/2012 Burgarelli, imagino que nas minhas diversas incursões pela Rua XV de Novembro para enviar telegramas via Western tenha me esbarrado com voc^}e naqueles idos de 1957. Vinha eu, sempre correndo, desde a Rua Senador Feijó até ali.
O João da esfiha também conheci e já foi citado em vários dos meus textos.
Obrigado pelas lembranças e pelo texto bastante agradável.
Enviado por Miguel Salvador Gabfriel Chammas - [email protected]
Publicado em 10/01/2012 Aclibes, gostei de sua narrativa que me trouxe recordações de minha infância quando, em dia de feira, passava o "Turco" defronte ao Empório vendendo as esfirras e minha Mãe as comprava para o almôço. Quanto ao vinho, sou um apreciador e realmente deve-se deixar a garrafa um tempo aberta, para o vinho "respirar". Um grande abraço. Enviado por asciudeme joubert - [email protected]
Publicado em 10/01/2012 Estamos diante de uma interessantte crônica da São Paulo dos anos 50/60. São esses detalhes da "fauna urbana" que tornam São Paulo a mais interessante das cidades. Enviado por Igor Nitsch - [email protected]
Publicado em 10/01/2012 Muito bom, Burgarelli. Vemos, como numa série de fotos de época, alguns dos extraordinários tipos daquela cidade mais amena. Muito bem escolhidos, e retratados como manda o figurino, daquele tempo, evidentemente. Com direito até a Shakespeare! Seus tipos inesquecíveis! Abraços. Enviado por Luiz Saidenberg - [email protected]
Publicado em 10/01/2012 Simplesmente irresistiveis esses textos sobre personagens e lugares de uma São Paulo distante
Mês que vem estarei ai em minha querida sampa
Alexandre
Enviado por alexandre ronan da silva - [email protected]
Publicado em 10/01/2012 Caro amigo, as vezes eu pergunto a mim mesmo,porque terminam estes momentos maravilhosos,o onus do progresso nos trouxe coisas boas,mas recordar estes locais simplesmente
inesqueciveis e saborosos como os inconfundiveis sanduiches de cachorro quente.....
Enviado por Airton Irineu dos Santos - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »