Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Saudades da várzea Autor(a): Angelo Lincoln Della Gatta - Conheça esse autor
História publicada em 10/01/2012
Fundamos o Santa Cruz de Pinheiros, na Rua Mateus Grou em 1959. Éramos na maioria garotos de 14 a 16 anos. Jogamos contra o Leão do Morro, contra o Marítimo, o Flor do Itaim, o Mocidade do Sumaré...

Tivemos dois campos em diferentes lugares, na Praça Panamericana por três anos e no Parque do Povo (de 1977 a 2002). Ficamos 25 anos jogando juntos, éramos muito amigos, tínhamos um time fortíssimo com Zumba, Chileno, Osni, Jovelino, Alfredinho, Nêne e muitos outros.

Viajamos duas vezes para Campo Grande – MS, e jogamos contra o misto do Operário, na preliminar do jogo do Palmeiras, que colocou as faixas de campeão estadual em 1990, no Operário.

O nosso time era muito unido e havia fila de adversários, pois jogávamos limpo. Na dúvida o “nosso” juiz José Maria Corsi apitava para o adversário, mas o nosso time era muito forte. Nas duas vezes que jogamos contra o Clube do Mé, ganhamos. Os demais times do Itaim muitas vezes goleávamos, principalmente o Mocidade do Sumaré. Quando éramos juvenis o grande adversário era o Brasil de Pinheiros. Saudades...


E-mail: [email protected] E-mail: [email protected]
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 19/01/2012 Bem lembrado, Angelo. O Santa Cruz marcou época na várzea, assim como o Brasil de Pinheiros do qual o Lismar lembrou do ponta Varca. Ele jogou no Comercial e formava o trio "Bota, Dema e Varca" que saiam nas figurinhas de Balas Futebol. Tive a felicidade de jogar tbém no Comercial com a camisa 11 do time da Praça Clóvis. O Varca posteriormente era proprietário da Camisaria Varca. Joguei contra o Brasil que tbém tinha o goleiro Aldo ex-Corinthians. Continue falando da várzea prá matar nossa saudade. Abraço grande E. Pio Enviado por Efigênio Pio - [email protected]
Publicado em 15/01/2012 Caro Angelo, assisti a algumas partidas do Sta.Cruz no parque do povo aos Domingos, pois, ia de bicicleta da Nove Julho até lá e ficava um pouco em cada campo. Pinheiros, possuia bons times. Lembro-me de um clube que nosso juvenil, A.R.Bancários Sta.Cruz da V.Mariana, jogou em 65 chamado de A.E. Novo Ídolo de Pinheiros e empatamos por 2 gols em nosso campo completando 49 partidas invictas. Quanto a esse Brasil de Pinheiros eles possuiam um timão. Lembro-me de um meia chamado Heitor e um ponta chamado Varca e numa ocasião eles ficaram com mais de 50 partidas invictas. Saudades dessa época.
abração a todos
Enviado por lismar fonseca lettra - [email protected]
Publicado em 11/01/2012 Gratas recordações varzeanas, Angelo, parabéns e comente, também os trabalhos dos colegas. Continue assim, contando mais histórias, Della Gatta, gratos.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 10/01/2012 Varzea palavra que em breve ninguém sabera mais o que quer dizer somente no dicionario,realmente SAUDADE DA VARZEA,literalmente e radicalmente,até no texto a varzea é bonita,aliás grandes "varzeas" SAMPA,tem.
Um abraço.
Enviado por vilton giglio - [email protected]
Publicado em 10/01/2012 Angelo: Concordo !...Vocês tinham um timaço. Aliás, o que tinha de timaço naquela época não é mesmo ?. A várzea paulistana foi o maior celeiro de craques do planeta terra. Enviado por xico lemmi sãopaulino - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »