Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Um Natal conturbado Autor(a): Aparecida de Lourdes Micossi Perez - Conheça esse autor
História publicada em 19/12/2011

Vila Invernada, Zona Leste, São Paulo. 1954? 1955? Exatamente não me lembro, mas sei que era pequenina. Até então, as duas irmãs só haviam ganhado aquelas bonequinhas cor de rosa peladinhas (deviam medir uns 6 centímetros), que a mãe comprava na feira.

Ia chegar o Natal. Elas esperavam animadas pelo Papai Noel que lhes traria os tão almejados presentes. Elas não sabiam como ele entrava, pois dormiam cedo e só viam os presentes ao acordarem; eram depositados embaixo de um cipreste no qual minha irmã dependurava balas e bolas de algodão. Umas poucas bolas coloridas - que minha mãe caprichosamente guardava ano a ano - e o ponteiro verde todo trabalhado, lá no alto, sinalizavam a época.

Mas aquele Natal seria bem diferente. Quanta alegria ao abrirem as caixas e notarem que havia em cada um, uma boneca igualzinha à outra, feitas de celulóide (blargh) e para felicidade de ambas, era o máximo que se podia pensar em ganhar, oriundas que eram de família modesta: o sonho de consumo, as bonecas que andavam! Você dava um pequeno impulso e as pernas se moviam (uma de cada vez)... Quanta emoção!

Os pais, então, felizes por nos proporcionarem essa esperada felicidade. Não é necessário dizer que iríamos passar o dia todo e por que não a semana admirando nossos presentes, se não tivessem acontecido dois incidentes. O primeiro: a minha irmã, tão cuidadosa, delicada, feliz da vida após observar orgulhosa e feliz o seu presente, decidiu colocá-lo na caixa em que viera. E não se soube até hoje como, a boneca lhe escapou das mãos, partindo-se irremediavelmente em vários pedaços. Dizer do semblante de decepção dela não é tarefa fácil. Ficou triste, chorou, mas se conformou, pois sobrara uma, a minha.

E eu, feliz, quis descer as escadas para ir à casa de minha tia no mesmo quintal, contar aos meus primos. Usava tamancos de madeira e os tirava ao chegar à porta de entrada da casa dos tios. Desde pequenina, era elogiada por esse meu jeito (hoje, só restam as lembranças). Assim fiz e entrei correndo, feliz da vida. Não sabia que o chão de “vermelhão” era tão liso: ao atravessar a sala correndo escorreguei, já no chão fui parar apenas quando minha testa se chocou contra a quina do batente, fazendo um corte vertical.

Correria geral, sangue escorrendo, minha mãe desmaiada. Meu pai imediatamente me levou à farmácia; lá me fizeram curativo e até hoje a cicatriz marca minha testa. A lembrança de um acidente, mas de um Natal feliz, no qual ganhei meu primeiro brinquedo de verdade.


E-mail: [email protected]
 

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 11/01/2012 Achei um fragmento de uma história, a partir de uma paulistana, como eu. Muito interessante, porque de fragmentos em fragmentos, a gente vai contando a história da cidade. Enviado por deise domingues giannini - [email protected]
Publicado em 20/12/2011 Cida, que desastre e que decepção sua irmãzinha teve. Confesso que pensei em um final ainda mais trágico quando falou sobre o tombo, logo imaginei que sua boneca foi para o espaço também....rsrsr. Uma graça seu texto, meus parabéns. Enviado por margarida p peramezza - [email protected]
Publicado em 20/12/2011 Cida, tome mais cuidado ao pisar no chão. Belas recordações de uma meninice feliz. Que você tenha Um Feliz Natal e muita saúde e paz. Grassi. Enviado por J Grassi - [email protected]
Publicado em 20/12/2011 Pequenas tragédias de um Natal passado. Mas, faz tanto tempo que a dor sumiu, a cicatriz quase, e restaram doces recordações dessa época ingênua. Enviado por Luiz Saidenberg - [email protected]
Publicado em 20/12/2011 Cida, foi mesmo um Natal diferente, e para você guardar para sempre esse Natal conturbado,ele ficou tatuado no auto de sua cabeça. Parabéns por essa narrativa. Enviado por Arthur Miranda - [email protected]
Publicado em 20/12/2011 Aparecida: Dois inesperados imprevistos ruins, num momento de rara felicidade de vocês.. Não sei o que falar, perdoa-me, mais fiquei meio chateado. Que Deus a abençõe , assim como , à toda sua família ( a ) chico lemmi. Enviado por xico lemmi - [email protected]
Publicado em 19/12/2011 Espero que depois desse triste epsódio, você tenha tido mais sorte nos outros natais, e tenha recebido a boneca tão sonhada. Enviado por cleber odaondo - [email protected]
Publicado em 19/12/2011 Cida,me diga uma coisa. A sua boneca também quebrou depois do fatídico tombo ou ela permaneceu intacta? Abraços De Paula Enviado por Sonia Maria de Paula - [email protected]
Publicado em 19/12/2011 Cida tenho certeza que depois vieram outros natais, não tão conturbados e a vida lhe deu vários outros presentes. Feliz Natal Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »