Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Nossas águas Autor(a): Alaíde Silva Santos - Conheça esse autor
História publicada em 10/10/2011
Nosso país é rico. Temos a riqueza e a beleza da fauna, das florestas, dos verdes campos, do exuberante prado, das campinas, do solo fértil onde se plantando tudo dá. Temos água em abundância, temos liberdade e paz. Donos de tamanha fortuna, bens suficientes para manutenção da vida, pouco valorizamos. Nessa imensidão de riqueza a fome e a miséria já não deveriam existir. Mas o consumismo sem limites, o desperdício desenfreado, inconsequente, tomou conta da nossa gente.

A água, nosso bem maior, que outrora com esforço era retirada dos poços, devido à contaminação dos lençóis freáticos foi preciso criar o Departamento para Tratamento das Águas. A partir daí foram fechados os poços, e ela chega tratada através da torneira, com muita comodidade, sem sacrifício algum. Por chegar tão fácil, com mais facilidade ela se vai. Dentre outros desperdícios, a água tratada é usada para "varrer" o quintal e a calçada.

E na contramão da situação, sem sentido e sem lógica alguma, aumentaram a poluição das nascentes e a destruição dos rios, muitos deles são depósitos de toneladas de todo o tipo de lixo e milhares de litros de esgoto. O Rio Pinheiros, como tantos, que em outros tempos a água corria límpida, hoje vive esse sofrimento. O país abundante em água começa a se preocupar em que o precioso líquido venha a faltar. Operação Defesa das Águas, muitos a conhecem, mas em realidade poucos a defendem.

O rio da minha infância, que passava embaixo da ponte da Estrada de Itapecerica da Serra, com a construção da Rodovia foi aterrado e com as chuvas de janeiro de 2010 o lugar ficou todo alagado. Um ano se passou e por esses dias retornei àquele lugar. Surpresa boa! De emoção transbordou o meu coração. O rio resistiu, aflorou e segue caudaloso, tranquilo como se a mão do homem não o tivesse incomodado. Por um momento, voltei no tempo, me vi sentada ao lado do meu pai, na beira da água esperando o peixe morder a isca.

Cheguei até ouvir a recomendação da minha mãe:
-"Tragam só dois peixes".

Sim, dois peixes somente eram suficientes para uma farta refeição. Até mesmo Sansão, meu gato angorá, se deliciava como uma fatia daquela pescaria. Nada podia ser desperdiçado. Dizia meu pai:
-"O alimento é sagrado, desperdiçá-lo é pecado, enquanto alguns jogam o que comer fora, muitos passam fome nesse nosso Brasil tão rico".

O alimento é sagrado, e a água também. Sem ela não há alimento, ela é condição essencial para a existência da vida. Água! Não há tecnologia que consiga fabricar, somente a natureza é capaz de nos dar.

Prosseguindo naquele dia de recordação cheguei á outro local, onde embaixo da ponte da Estrada do M'Boi Mirim, próximo à Cantina Veneta, passavam as águas da Guarapiranga. Lá morava a tia Deolinda, o melhor final de semana era quando minha mãe e eu íamos visitá-la. O acesso a casa era feita de barco, e quando não tinha nenhum barco no local era só tocar o sino que ficava preso ao pé de Pinheiro, que logo apontava a embarcação.

Durante o percurso minha mãe agarrava firme a borda do barco, rezava alto pedindo para todos os Santos, tamanho o medo de andar de barco que ela tinha. Eu não tinha medo, mas frente aquela “paúra” toda, eu também rezava, baixinho. Durante a travessia, o vento da tarde trazia o delicioso cheiro das broas de milho polvilhadas com canela, assadas no forninho à lenha, vindos da casa da tia. E no cair da noite, minha tia colocava varas de anzol na beira da água. Na manhã seguinte, quando o orvalho ia se dissipando,aquecido pelo calor do sol que despontava no horizonte, era só ir buscar o peixe.

Ansiosa eu aguardava pelo convite da tia:
- "Se a tarde estiver fresca, vamos passear de barco".

E então saíamos. A tia e eu remando naquele mundaréu de água, e ela ia apresentado tudo, fazia questão de mostrar, pois conhecia cada palmo daquele lugar. Ela falava:
- "Aqui é um gigante braço da represa".

As garças brancas, os sabiás, os nhambus, até um imponente ouriço em meio aquele elegante verde eu conheci.

Na parada primeira descíamos do barco para colher as deliciosas e graúdas amoras vermelhas e ocas por dentro, que ficavam escondidas nos arbustos entre ramas e espinhos, e também a amora “Cambuí”, que era de cor verde e doce como mel... Um delicado pé de araçá da casca amarela, tão carregado que chegava a pender para o lado. E a tia sempre dizendo:
- “Devemos colher as frutas maduras e somente o que vamos comer, é preciso deixar para os pássaros que vão espalhar as sementes por esse mundo a fora”.

Rodeada pelas amoras, araçás e outros frutos mais entre as pedras brotavam fios de água cristalina e transparente vindas daquela nascente escandalosamente bela. Ali a água fluía livremente como se fosse uma artéria irrigando aquele gigante braço:
- "Água maravilhosa! Devemos respeitá-la", dizia a tia.

São Francisco de Assis por certo tinha esse conhecimento. No seu poema "O Cântico das Criaturas" ele escreveu: "Louvado seja Senhor, pela Irmã Água, que é tão útil, tão humilde, preciosa e casta".

Continuávamos remando, tendo a impressão que chegaríamos ao Atlântico, até que a tia dizia:
- "Estamos nas costas da Guarapiranga, e lá bem distante, onde a vista quase não alcança é à frente da represa, onde as pessoas da cidade vão passear".

Eu falava para a tia:
- “Não é preciso ir até lá, a beleza está do lado de cá”.

E ela gostava, sorria satisfeita. Voltando pela margem direita, avistando uma casa aqui, outra acolá e muitos pés de pinheiro. Na parada derradeira, para encerrar aquele harmonioso passeio em grande estilo, enquanto a brisa da tarde soprava suave, paradas, no balanço lento do barco, aguardávamos: quando então, no instante do mais puro encantamento, para jamais ficar no esquecimento, as Gralhas Azuis num alarido de felicidade e euforia, em revoada retornavam aos Pinheirais para o merecido descanso. Haviam cumprido a missão, durante todo o dia semearam o pinhão por toda aquela região.

Anos se passaram, e nesse dia de recordação, foi muito grande minha decepção. O gigante “braço” da represa foi esquecido, abandonado, deixou de ser irrigado, nem um dedinho restou. Só esgoto a céu aberto vindo da quantidade de casas empilhadas. Amontoados de todo tipo de lixo, em cada canto dá prá se notar. A nascente também desapareceu. Bem na Cabeceira daquela Nascente, hoje está o Cemitério das Cerejeiras.

Só o pinheiro, onde eu tocava o sino prá chamar o barqueiro, presenciou toda a transformação.

Pois à sombra do velho e solitário pinheiro eu me entristeci, contei a ele o quanto me aborreci de ver como estava tudo ali e me questionei:
- “Como pudemos permitir? Nada foi feito, eu também nada fiz para impedir, uma palha sequer eu movi”.

Enfim, esses acontecimentos se passam na Zona Sul, região das imediações de Santo Amaro. Porém, fatos como esse certamente ocorrem em outros pontos da nossa grandiosa cidade de São Paulo e em tantas outras partes da amada terra Brasil.

João Guimarães Rosa há muito já disse: "Água é como a Liberdade, só tem valor quando acaba". Sem água não pode haver vida. Como a certeza da morte, os homens se esquecem disso com frequência. E quando a água vier a faltar, a humanidade se arrependerá do quanto fez a Mãe Natureza chorar.


E-mail: [email protected] E-mail: [email protected]
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 30/12/2011 Profundo e sensato o seu texto. Nos faz pensar como somos coniventes com todo absurdo que acontece diariamente ao nosso redor, e que só nos traz perdas e arrependimentos. Triste...mas lindo e profundo, como você. Enviado por Ilma Cristiane - [email protected]
Publicado em 10/11/2011 Interessante relato sobre a(s) água(s), um bem precioso da vida. Foi citado um rio na Estrada de Itapecerica que acredito ser o M’Boi Mirim, ele é longo e é um dos que alimentam a Represa de Santo Amaro(Guarapiranga). Esboçamos alguma coisa em pesquisa e que deu origem a:
FOI UM RIO QUE PASSOU EM MINHA VIDA: TIETÊ
http://carlosfatorelli27013.blogspot.com/2010/09/foi-um-rio-que-passou-em-minha-vida.html
O MARCO DOS LIMITES DE SÃO PAULO COM SANTO AMARO
http://carlosfatorelli27013.blogspot.com/2011/04/o-marco-dos-limites-de-sao-paulo-com.html
Parabenizo pela sutileza do texto bem elaborado.
Enviado por Carlos Fatorelli - [email protected]
Publicado em 09/11/2011 Alaide parabens por esta linda recordacao , que me fez voltar ao passado relembrando o rio da estrada de itapecerica onde brincavamos naquela agua limpa cheia de pedras embaixo da ponte.....beijos parabens Enviado por luzia andrade - [email protected]
Publicado em 06/11/2011 Parabens Alaide,maravilhoso seu texto local aonde fomos criadas, agora só nos resta saudades, mas eu tenho esperança que todos conscientemente farão sua parte para um futuro melhor .Abraços mill com muito carinho. VLRS. Enviado por Vera Luzia - [email protected]
Publicado em 01/11/2011 Parabéns Alaíde: faço-lhe coro ao seu comovente libelo a favor dos rios, dos ribeirões, dos córregos, riachos, regatos, nascentes e minas d'água – mais ainda no contexto da nossa “ selva de pedra”. Também conheci o tempo dos poços (a contraparte, as fatídicas fossas), o tempo das nascentes de águas límpidas; elas povoam minhas reminiscências da infância. Infelizmente, desapareceram quase todos os rios da cidade, isto é, foram canalizados. Em muitos deles, avenidas foram implantadas; em outros, construiram-se moradias: “água mole em pedra dura, tanto bate até que fura” – não deixam de ser tragédias anunciadas. Enviado por Lúcio Kume - [email protected]
Publicado em 16/10/2011 Belo texto, Alaide, fluente como os límpidos rios de sua época. A água é a origem e o símbolo da vida, brotando e correndo pelos tempos afora, aparentemente inesgotável. Infelizmente, não é verdade, e precisamos cuidar conscientemente de uma das maiores dádivas da natureza. Abraços. Enviado por Luiz Saidenberg - [email protected]
Publicado em 14/10/2011 Com você eu leio e aprendo, Alaíde! Parece-me ter vivido tudo o que escreveu de tão bem feita que foi a sua descrição. Sinto-me impotente... agora vou saboreá-la, mais uma vez! Parabéns Enviado por Lia Beatriz Ferrero Salles Silva - [email protected]
Publicado em 13/10/2011 Alaide. Texto ecologicamente correto. Temos a benção em nossas mãos e desperdiçamos. Haverá um momento em que a água será motivo de grandes guerras. Buscar conscientizar, no momento, é a única alternativa de minimizar. Enviado por Consolata Panhozzi - [email protected]
Publicado em 13/10/2011 Alaide, existe um ditado: sabendo usar não vai faltar.Bendito seja a nossa santa água, somos seres privilegiados! Sinto que atualmente existe uma conscientização maior da população mesmo sabendo que a aprendizagem ainda vai ser longa. Lindo seu texto, um grande beijo. Enviado por margarida p peramezza - [email protected]
Publicado em 11/10/2011 O Brasil possui dois maiores aguíferos do mundo. Aguífero do Amazonas e Aguífero Guarani, depósitos de água subterraneos que abasteceria todo o mundo e nunca foram utilizados ... Enviado por Pedro Cardoso - [email protected]
« Anterior 1 2 Próxima »