Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Vestido branco infantil Autor(a): Dionea Brittto - Conheça esse autor
História publicada em 11/08/2011
Por volta de 1953, meu pai saía aos sábados comigo para passear.

Nasci na Lapa, mas aos 8 meses fixamos residência em São Bernardo do Campo.

Era a caçula, mulher paparicada por 4 irmãos! Meu pai me chamava de princesa, e me tratava como tal. Era vaidosa, mimada e feliz. Ele me levava aos locais que eu adorava, mas que ficam nublados na minha memória. O “Restaurante do Papai”, a Rua 25 de Março, o Parque D. Pedro, o Circo “Shangai” e tantos outros locais.

Haviam também os desfiles infantis. Um dia houve um grande desfile infanto juvenil no “Mappin Magazine”, que eu assisti atentamente até que um vestido branco, longo, de renda francesa, me tirou o fôlego e, baixinho, falei ao ouvido do meu pai:
-“Compra para mim”?

E recebi a seguinte resposta dele:
- “Ok, espere terminar o desfile”.

Terminado o desfile nos dirigimos à seção infantil (eu só tinha 5 anos) e a vendedora despencou dezenas de vestidos brancos para que eu pudesse encontrar o vestido que havia visto e eu apenas acenava com a cabeça negativamente e dizia:
“-” Eu quero aquele vestido branco do desfile, só aquele!”

Fiquei horas diante de um balcão de onde só podia enxergar a vitrine na parte baixa e meu pai falava com o gerente e um monte de gente andava para todos os lados. Até que o meu pai me explicou:
- “Esse vestido veio da França e não esta a venda. Só tem ele.”

Então olhei nos olhos do meu adorado pai e, calmamente, disse:
-“Por favor, pai, eu quero esse vestido, nenhum outro.”

Novamente o vai e vem tomou conta da loja e depois de muito tempo à balconista abriu uma caixa enorme, com um vestido branco de renda francesa, e me perguntou:
- “É esse?”

E eu respondi:
-“É esse!”

Ele deve ter gastado uma fortuna, mas meu pai e a princesa saíram felizes para pegar o “Expresso São Bernardo” no Parque D. Pedro. Aquela caixa tinha um tesouro, que era o amor de um pai por sua filha.

Moro a quase 10 anos nos Estados Unidos e o vestido, hoje amarelado pelo tempo e sem a caixa, faz parte do meu “Baú de Memórias”!



E-mail: [email protected]
E-mail: [email protected]
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 13/08/2011 Aí está, uma verdadeira amostra do que é um profundo amor paterno. Desdenhando problemas econômicos, não titubeou em satisfazer a "princesinha". Parabéns, Dionea.
Não esqueça, leia e comente os textos de seus colegas.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 12/08/2011 Adorei sua história Dionea. Você fala muito bem. “O que havia naquela caixa era muito amor” O valor do vestido não era importante para você naquele tempo mesmo porque uma garotinha de cinco anos não se dava conta disto. Fiquei emocionado com o carinho e esforço de seu para te ver feliz. . Abraços Enviado por tereza pereira xavier - [email protected]
Publicado em 12/08/2011 lembrança maravilhosa, seu texto daria uma boa novela, AQUELE LINDO VESTIDO BRANCO. Enviado por joao claudio capasso - [email protected]
Publicado em 11/08/2011 Linda e mimada lembrança. Valeu! Enviado por Miguel S. G. Chammas - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »