Leia as Histórias

Categoria - São Paulo da cultura, gastronomia, lazer e oportunidades Goiaba tem cheiro de infância! Autor(a): Anita Hopf - Conheça esse autor
História publicada em 29/07/2011
É engraçado como certas coisas tem cheiro característico e definido, por exemplo: a goiaba! A goiaba tem cheiro de infância... Tem o cheiro da vila... Da velha vila da Rua da Ponte, hoje mais sofisticada: Clodomiro Amazonas, lá no Itaim Bibi. Aliás, Rua da Ponte, 67, casa 2.

A vila ainda existe... Passo em frente a ela, mas hoje ela não tem mais a marca da liberdade da minha infância! Mas... Goiaba tem cheiro de infância!

Tem cheiro da vila e do Taize... Um grande cachorrão preto, mistura de lobo e de pastor alemão e que adorava brincar com o Mike, um lindo coelhinho todinho branco, criado dentro de casa, e que dormia no meu quarto, na maioria das vezes, escondido da minha mãe. Taize era o terror da vila!

Quando pessoas estranhas entravam na nossa vila, mamãe só soltava o Taize: era uma debandada geral, e a gente vivia ali na maior tranquilidade.

Ao final, Taize começou a ficar violento e mamãe, já um pouco cansada pelos problemas da vida, levou o Taize para a chácara do Dr. Osmar e Dona Julinha, lá em Osasco, onde provavelmente ele viveu com muita liberdade, até o final de seus dias. Ah! Mike morreu, em razão de um mau jeito no pescoço com uma de suas brincadeiras com Taize.

Mas, goiaba tem cheiro de infância! Tem cheiro da Dona Miquelina, que fazia point-a-jour em sua velha máquina, e com ela sustentava sua família!

Tem cheiro do Seu Valter, meio maluco, que adorava hipnotizar as pessoas... Tem cheiro do Sr. Jacques... Recém-chegado da França, meio careca, e da sua linda esposa... Não lembro mais o nome dela... Mas a Nataly e Daiane, suas filhas, ainda fazem parte destas lembranças... E,como eu poderia adivinhar que depois de tantos anos ele seria o famoso Jaques Coiffure da Rua Augusta e tantas filiais?

Mas, acima de tudo, goiaba tem cheiro de "brincar de casinha". É que na vila em que eu morava, bem em frente à minha casa, tinha um pé de goiaba que mamãe havia plantado: grande, frondosa... Eu colocava um pano grande e velho em volta do pé, formando uma "casinha", e levava minhas bonecas para lá, e meus brinquedos.

E junto com a Meire, que um dia viria a ser minha cunhada, e hoje "ex-cunhada”, mas sempre amada e querida, brincávamos de "casinha". Eu tinha um lindo joguinho de chá, todo cor de rosa - que na verdade era da minha irmã, mas eu me apossei, pois ela não dava a mínima - e ali a gente fazia "salada de frutas", com banana, laranja, açúcar e canela, mas que tinham cheiro de goiaba! Lógico: brincávamos ao pé da goiabeira!
Eu tinha um lindo bebê de louça, chamado Carlos Alberto, e uma boneca de louça com corpo de palha, chamada Beti, que eram nossos filhos: tinha uma linda caminha de madeira e um carrinho de boneca, feito de vime.

Meu Deus! Como era gostoso brincar ali despreocupadamente, sonhar e esperar pelo futuro. É lógico que o futuro seria maravilhoso! Como não poderia ser? Se tudo o que vivíamos naquele momento era um projeto de nossos sonhos, como poderiam eles não se realizar?

É... Goiaba tem cheiro de infância! Tem cheiro de "a canoa virou", de "passa anel", de "lenço atrás", de "casinha", "essa calçada é minha"... Enfim, tem cheiro de felicidade!

E-mail: [email protected] E-mail: [email protected]
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 21/09/2011 Queridos amigos virtuais..... e de jornada......
obrigada pelos lindos comentarios..........
que bom que tantos partilharam comigo este momentos de magia e recordacoes......
Enviado por Anita - [email protected]
Publicado em 20/08/2011 É sempre bom voltar ao tempo de criança e recordar os bons momentos em que tudo era tão puro! Enviado por Nelson - [email protected]
Publicado em 05/08/2011 Oi Anita. Seu conto me fez lembrar da minha infância, e da carreira de goiabeiras que existiam na entrada do sítio de minha avó em Guararema. Quantas goiabas comidas ali mesmo no pé, quantos tombos por galhos partidos com o nosso peso ao subirmos para apanhar as frutas, quantas queimaduras nos pés e nas mãos por causa das taturanas! Infância realmente tem cheiro de goiaba! Enviado por Ana Lucia Simões Salgado Treccalli - [email protected]
Publicado em 03/08/2011 Anita, li com atenção a tudo que vc escreveu com muita propriedade e, ao chegar ao final, acredite, senti um forte e delicioso cheiro de goiaba.
Goiaba da goiabeira que eu tinha no quintal da minha casa na Rua Augusta nos idos anos de 40/50.
Obrigado pelo perfume e pela lembrança!
Enviado por Miguel S. G. Chammas - [email protected]
Publicado em 02/08/2011 Recordações infantiz tão gostosas como goiaba madura. A candura como é relatada estas memórias, só é superada pela liberdade de expor um mundo encantado como se fora extraido de um livro de histórias mas, com realismo bem caracterizado. Parabéns, Anita.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 31/07/2011 ANITA goiaba tem mesmo cheiro de infância e de amor como vc bem demonstrou no seu sensível texto.
abraço
Enviado por marcia ovando - [email protected]
Publicado em 31/07/2011 Anita, que bom lembrar como voce das goiabas que eu comia no quintal da casa da minha avó, do joguinho de chá, da boneca com corpo de palha e do bebê, só que o meu se chamava Luiz Carlos. graças a Deus que nós vivemos naquela época e agora podemos lembrar de tudo como se fosse hoje não é? Abraços Enviado por lourdes cecilia bove ciavata - [email protected]
Publicado em 30/07/2011 Seu texto tem cheiro de goiaba, de infância, singelo, terno, gostoso de ler. Enquanto o lia fui sentindo de novo esses cheiros e também o do meu irmãozinho que era fofinho e tinha um babador escrito, " não me beije". E lembrei também dos batizados das minhas bonecas , das ruas de terra, do meu irmão mais velho que chegava " arreliando" , desfazendo nossas festinhas de batizado, atirando mamonas com seu estilingue, "acertando nossas bonecas", fazendo tudo terminar em choro e castigo.Saudades. Enviado por Trini Pantiga - [email protected]
Publicado em 30/07/2011 cara anita vc tocou fundo nas minhas lembranças,sabe que ate hoje ao passar debaixo de um pe de goiaba eu arranco uma folha para cheirar e sentir o cheiro da infancia,da casa de minha avo onde havia varias goiabeiras brancas e vermelhas entre outras frutas,
eu adorava ficar sentado no alto saboreando as frutas ao alcançe da mao.
hoje minha vo ja nao esta mais neste plano,a casa foi demolida e as arvores cortadas, mas toda vez que encontro uma goiabeira viajo para uma epoca inesquecivel. grato
Enviado por benedito - [email protected]
Publicado em 29/07/2011 Anita....A esposa do Sr. Jacque não seria a Janine?

Que atualmente formam uma rede de salões de cabelereiros?
Enviado por Irene - [email protected]
« Anterior 1 2 Próxima »