Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas Água Branca e Vila Pompéia Autor(a): Adelmo Vidal - Conheça esse autor
História publicada em 27/05/2011

Cheguei à Vila Pompéia aos quatro anos de idade. Pouco tempo depois minha família mudou-se para a Água Branca, mais precisamente Rua Coriolano, 193. Justificando o título por mim escolhido, os dois bairros se completam.

Minha primeira escola foi o externato Azevedo Gouveia, na Rua Clélia; enquanto meus irmãos frequentaram o Rangel Pestana, de Dona Jandira, na Av. Pompéia.

Mais tarde ingressei no Grupo Escolar Miss Brownne, cujo diretor era o Prof. Elíseo, também na Avenida Pompéia. A escola ficava entre o bar do Sr. Metello e a alfaiataria do Sr. Bonano.

Nosso dentista era o Dr. Italo Simoneti, na Av. Pompéia, entre a Rua Venâncio Ayres e a Padre Chico. Fazíamos compras na loja de ferragens, situada logo a baixo, próximo ao Largo Pompéia.

Teve uma época em que meus pais resolveram fazer cerveja em casa para nosso consumo. Comprávamos os ingredientes, lúpulo e malte, na companhia Antártica que ficava na Rua Turiassu.

Pegávamos o bonde no largo da Pompéia para irmos à cidade. Eu e meus irmãos ti vemos como primeiro emprego as Indústrias Matarazzo, onde meu pai já trabalhava.

Freqüentávamos o Palmeiras. Não podemos esquecer do Pastifício Antonini e da Whitte Martins.

Este relato pode não ter um enredo ou uma história, porém carrega mais de setenta anos de recordações.


E-mail: [email protected]

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 22/03/2012 Olá, Modesto. Relendo estes comentários informo que ingressei no Matarazzo em janeiro de 1950.Quem fez a minha ficha não me lembro se foi o Comelli ou o Malavazzi (lembra desta dupla?). Eu era "contínuo interno" da secção Importação e Exportação chefiada por Euclides Parente Ramos. Subia e descia aquelas escadas do primeiro ao décimo andar. O uso do elevador tinha restrições aos "boys". Alguns meses depois pedi tranferência para a Agua Branca, mais próximo de minha casa. Abrs. Enviado por adelmo vidal - [email protected]
Publicado em 01/11/2011 Sempre é bom ouvir histórias, ainda mais qdo vc participa dela.Eu e minha família moramos na sua casa por algum tempo Adelmo. Enviado por ana m c dotti - [email protected]
Publicado em 14/09/2011 Caro Adelmo,achei suas lembranças muito bacana sinto muita falta dos bailes do palmeiras, e outros mais.Morei em São Paulo na lapa rua ponta porã hoje em santos cidade maravilhosa.Abraço Elias Enviado por elias - [email protected]
Publicado em 30/05/2011 Caríssimo Adelmo sua passagem pela Vila Pompéia é realmente muito interessante. Vc lembrou bem, do bar do Metello na esquina da Venâncio Ayres com a Av Pompéia e do alfaiate Bonano. Eu também estudei no Miss Browne só que no novo prédio na Rua Padre Chico. Também fiz uma parte curso primário no Rangel Pestana em 1946. Seu relato trás boas lembranças daquele tempo feliz. Abraço Grassi Enviado por J Grassi - [email protected]
Publicado em 30/05/2011 Adelmo, possivelmente, nesse tempo nós nos cruzamos, pois apesar de morar na rua Caio Gracho, próximo á rua clélia, frequentava muito o largo Pompéia e o Parque Antartica.
Uma lembrança desagradável daquela época, com relação á rua Venâncio Aires e Largo Poméia, eram as enchentes daquela área, o corrego que passa sob o largo, não era canalizado e com isso, qualquer chuva mais forte, ocorriam enchentes, impedindo até a circulação dos bondes.
Enviado por Paulino Pavan - [email protected]
Publicado em 28/05/2011 Aprendi a gostar desse pedaço, que você tão bem descreve, porque um dos meus filhos se desgarrou da origem ( Cambuci e Corinthians) e foi morar por esses lados. Então, essas ruas tornaram-se familiares porque um pedaço de mim passeia e habita esses lugares. Um abraço, Enviado por Trini Pantiga - [email protected]
Publicado em 27/05/2011 Adelmo,nada como setenta anos de recordações,região que deve ter muitos "amiches" ou seja a raça Italiana que sempre se junta.
Valeu!
Abs.
Enviado por vilton giglio - [email protected]
Publicado em 27/05/2011 Saudades...Bica de Pedra, futebolzinho no canteiro central da av. sumaré, na época o condomínio Burgos do Sumaré, era o local mais chique do bairro, colégio miss browne, colégio zuleika, colégio portugal, quantas festas juninas passamos por ali. Hospital São Camilo, tinha umas quadras muito legais, colégio sagrado coração de jesus, ali é que tinhas as minas da hora, papelaria caraibas, na esquina da tavares bastos com a rua caraibas, banco bandeirantes, na esquina da apenagés com alfonso bovero. Enviado por Francisco Gomes - [email protected]
Publicado em 27/05/2011 Fomos colegas no Matarazzo, Adelmo, suas recordações são, deveras bem simpáticas. Parabéns, Vidal.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 27/05/2011 Oi Adelmo, que legal sua história. fui sócia do Palmeiras, frequentei o mingau aos domingos, os bailes de carnaval, subi e desci aquela Pompeia varias vezes, parava para descansar nos degraus da igreja, eu morava na Heitor Penteado, minha casa era a ultima da rua, antes do posto de gasolina, perto da rua Aurélia, num tempo muito mais tranquilo. obrigada pelas lembranças. Enviado por claudia de carvalho - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »