Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Lembranças e Saudades Autor(a): Arlette Faria Paschoal - Conheça esse autor
História publicada em 03/05/2011
Morei desde pequena na Bela Vista, local que gosto muito! Mas hoje moro em Niterói e apesar de morar de frente para praia, se fosse possível voltava para a minha São Paulo. Mesmo para a minha antiga rua, que hoje está completamente mudada, voltaria com grande prazer.

Gostava de visitar a cantina do Afonço, que há anos não existe mais; para a matriz da Nossa Senhora do Carmo; os cinemas que não existem mais as quermesses da Nossa Senhora Achiropita; os clubes que frequentava.

Tinha também a escola técnica de comércio Frederico Ozanan, que quando eu estava ai, já havia se mudado nem sei para onde ficava. Ela ficava em frente à praça, quase na Rua Augusta.

Saudades, palavra triste que nos traz um gosto um tanto amargo. “Saudade é como se fosse espinho cheirando a flor” (não lembro o autor).

Tenho saudades do pão italiano que saia a tarde na Rua São Domingo; nunca mais provei um igual. As vezes faziam pão de torresmo; eles assavam para mim desde que lembrasse de fazer um para eles.

Quantas coisas mudaram! Tenho saudades, mas não vou mais a São Paulo, pois iria apagar as lembranças de um passado maravilho, já que nada estaria mais ai.

Um abraço a todos os paulistanos e italianos do bairro da Bela Vista e do Bexiga. Como eu escrevi no início, é mais uma recordação do que uma história.


E-mail: [email protected]
E-mail: [email protected]
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 06/05/2011 Sua saudosa história me faz pensar que mesmo que uma época tenha sido muito boa, se retornarmos a esta época sempre faltará alguém ou alguma coisa. Mas, venha mesmo assim porque" fica sempre um pouco de perfume nas mãos que oferecem rosas" e seu texto é feito um perfumado buquet de rosas que você nos ofereceu. Enviado por Trini Pantiga - [email protected]
Publicado em 05/05/2011 Que bela recordação,mas volte ao Bixiga(Bela Vista),pois ainda poderá constatar algumas lembranças vivenciadas.Eu hj moro em Angra dos Reis,mas sempre volto,mesmo que de passagem.Parabéns pelo texto! Enviado por Ana Maris de Figueiredo Ribeiro - [email protected]
Publicado em 04/05/2011 Volte, Arlete, pode voltar que serás bem recebid. A boa filha a casa torna, sem rancor e sem demora. Parabéns, Paschoal.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 03/05/2011 Poesia de Bastos Tigre. A sua história Arlette tem sabor de pão de torresmo. Venha para São Paulo pois recordar é viver... Enviado por Pedro Cardoso - [email protected]
Publicado em 03/05/2011 Arlette, tenho certeza que já nos conhecemos lá no passado, no pátio do Frederico Ozanan, na Rua Olinda.
É verdade que a Cantina do Afonço já não mais existe,saiba que foi ele quem me livrou de servir o exercito,mas a quermesse da Achirupitta e a Padaria São Domingos ainda dão as cartas por aqui.
Você tem razão, não existe pão melhor do que o feito na padaria São Domingos.
Os cinemas, que pena, sumiram mas deixaram muitas saudades. O TBC que ficava ao lado de minha casa ainda existe.
Arlette, acho que vc deveria vir matar as saudades, sempre vale a pena.
Enviado por Miguel S. G. Chammas - [email protected]
Publicado em 03/05/2011 Arlete, é de Vicente Celestino, o Modesto deve lembrar. Saudade palavra doce,
Retrata-nos tanto amargor
Saudade é como se fosse espinho cheirando a flor
...
Enviado por asciudeme joubert - [email protected]
Publicado em 03/05/2011 BELA VISTA/BIXIGA QUERIDO DA RUA PAIM DO ,TEATRO MARIA DELLA COSTA, BAIRRO ETERNO QUERIDO, RUBÃO Enviado por RUBENS ROSA - [email protected]
Publicado em 03/05/2011 Eita saudades... eu que o diga. A minha velha e querida rua Santo Antonio, ainda reflete em minha memória o bucolismo das ruas de calçamento e dos velhos casarões assobradados, que hoje, poucos ainda resistem. Tudo por lá mudou mas, fica sempre as imagens que carregamos com as nossas saudades. Abraços. Enviado por Nelson de Assis - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »