Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares Amor, saudade e paixão Autor(a): Angelita Francisca dos Santos - Conheça esse autor
História publicada em 17/01/2011
Prédio do Cine Valparaíso, por volta de 1987/88. Noite agradável, alegre, descontraída. Final de baile de carnaval, contagem regressiva, últimos 30 minutos para encerrar a noite de carnaval naquele local. Último carnaval. E

u estava ali muito feliz, de repente, um jovem bonito se aproximou de mim e me chamou para dançar, aceitei, e nesse momento nascia ali uma linda historia de amor.

Final de baile, final de carnaval, fechamento do prédio para demolição e construção de um supermercado. Foi construído ali, naquele local, um supermercado.

Lembra daquele rapaz que me convidou para dançar? Pois é, ele se transformou em meu esposo, muito amor, paixão e cumplicidade. Cumplicidade sim em frequentar aquele lugar que me fez tão feliz e me faz, porque comecei a fazer minhas compras somente ali. O supermercado chegou me proporcionando facilidade, muita variedade com produtos de altíssima qualidade.

Minha felicidade aumentou com achegada do meu primeiro filho, depois meu segundo filho. Enxovalzinho dos dois, sempre comprado no tal supermercado.

O tempo passou, infelizmente meu casamento acabou, mas ficaram os bons frutos, frutos que colhi, graças ao final da noite de carnaval. Valeu a pena.

Hoje, quando vou com meus filhos fazer as compras do mesmo supermercado, me recordo com muita ternura e balbucio comigo mesma, meu casamento se foi, mas a minha historia de amor com o supermercado só irá acabar quando a morte nos separar, e assim sendo, seremos felizes para sempre.

Esta historia não é um conto, é uma realidade.


E-mail: [email protected] E-mail: [email protected]
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 18/01/2011 Angelita embora vc nao precisou o local desses fatos, pesquisei e me lembrei desse lugar exatamente no ano de 1988. Eu passava por ali, vindo do bairro da Saude para chegar na faculdade em Vila Galvao, Guarulhos. Vi aquele morro com um milharal atrás do cinema, ser totalmente aniquilado , a demolição dos prédios e depois, casando com moradora da zona norte, acabei fazendo compras no antigo Cândia, hoje Carrefour . Bela história a sua, pena que com final não muito feliz. Vc deve esar falando de baile do ano de 1987, porque ao que me lembro quando passava por ali de 1988 em diante, parece que o cinema já não funcionava mais. Enviado por Luiz Carlos Pereira - [email protected]
Publicado em 18/01/2011 Angelita, também tive uma historia de amor, mas nos anos 60, não houve nem casamento, mas aprendi que o amor eterno é àquele que não deu certo. parabéns pelo texto, Beira Enviado por Jose Camargo Beira - [email protected]
Publicado em 18/01/2011 Se dessa recordação sobrou o super-mercado, tanto melhor, pelo menos suas lembranças estarão bem alimentadas. Parabéns, Francisca.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 17/01/2011 Angelita: Sua história, além de ser verdadeira, é profundamente emocionante. Cada vez que você for comprar lá, não lhe vem à mente o momento em que fostes convidada a dançar com seu amado ?. Seu texto é tão lindo quanto sua história. Enviado por Xico Lemmi - [email protected]
Publicado em 17/01/2011 História pé no chão e cabeça nas nuvens. Angelita você faz a gente voar. Grato. Enviado por Pedro Cardoso - [email protected]
Publicado em 17/01/2011 Afinal, amor com o rapaz ou com o supermercado. Não entendi direito. Enxoval em supermercado? Tem? Enviado por Ramon de La Rue Filho. - [email protected]
Publicado em 17/01/2011 ANGELITA, VOCE PODE DIZER DO CINE VALPARAISO,
CONTIGO APRENDI AMAR. LINDO TEXTO DE AMOR , PARABENS.
Enviado por joao claudio capasso - [email protected]
Publicado em 17/01/2011 Angelita, já dizia Gardel em um velho tango chamado "Volver" em sua último estrofe: "Y aunque el olvido que todo destruye, haya matado mi vieja ilusión, guardo escondida una esperanza humilde, que es toda la fortuna de mi corazón", parabéns pela narrativa, abraços, Leonello Tesser (Nelinho). Enviado por Leonello Tesser (Nelinho) - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »