Leia as Histórias

Categoria - São Paulo da cultura, gastronomia, lazer e oportunidades História de office boy Autor(a): Daniel Coutinho - Conheça esse autor
História publicada em 22/12/2010

Nasci em 1967 na Maternidade Matarazzo, em “Sampa” (traduzindo, São Paulo)... E como eu poderia esquecer toda minha adolescência e juventude?

Trabalhava na Vila Clementino nos anos 80, mas como era office boy, estava todos os dias no Centro. Pegava o metrô na Estação Santa Cruz e não via a hora de desembarcar na São Bento.

Eu organizava meus trabalhos em duas partes. No período da manhã, ficava pela Rua Boa Vista, onde fazia vários depósitos da empresa no "Banespão" (como eu chamava); até o horário do almoço, ficava do lado de cá do Viaduto do Chá, ou seja, Rua Boa Vista XV de Novembro, São Bento, Clóvis Bevilácqua, Rua Direita, Rua Quitanda, Regente Feijó, etc.; entre um trabalho e outro, sempre checava umas lojas de tênis e roupas, principalmente Surf Wear. E tinha uma lojinha que parecia um porão (acho que ela chamava 18 SURF), na Rua Dr. Miguel Couto, onde eu sempre comprava uma parafina pra minha prancha ou alguma outra coisa.

Quando chegava a hora do almoço, tinha vários lugares onde podia deliciar-me com várias opções. Confesso que muitas vezes eu comia um churrasquinho grego no Vale do Anhangabaú (precisamente na Avenida São João), era R$1 e ainda ganhava de brinde um suco! Lembro que o vinagrete era tirado de uma "gaveta", isso mesmo, uma gaveta, que compunha a parafernália da "churrasqueira" grega.

Comi várias vezes também no Mc Donald’s da Rua Barão de Itapetininga, ao lado da loja da Wrangler. Sem falar no lanche de calabresa no Rei da Calabresa da Avenida São João... Puxa vida.

Recordo-me também de um restaurante na Rua Aurora que chamava Farroupilha, tinha um filé à parmegiana... O melhor que já comi!

Quando estava na região da Paulista, gostava do Jack in The Box (Brigadeiro), onde comia um “Taca” acompanhado de uma caçulinha Kaiser, e pra arrematar, comia o “Jumbo Jack”.

Bem, voltando ao centro, eu disse que dividia o trabalho em duas partes. Após o almoço, dava uns “roles” pela Galeria do Rock. Quando dava, comprava alguma camiseta, boné ou qualquer outra coisa de skate...

Vocês devem estar pensando que eu era “office boy de luxo”, pois sempre comia pela cidade e gastava algum dinheiro com comprinhas... Aí é que está! Eu comprava com dinheiro da firma e fazia "valezinhos" todos os dias... No final do mês, não tinha pagamento... Mas valia a pena cada centavo gasto!

Já do outro lado do Viaduto do Chá, passeava e trabalhava pela ruas 24 de Maio, 7 de Abril, Br. de Itapetininga, Praça da Republica, Avenida São João, Ipiranga, Largo do Arouche, Santa Ifigênia, enfim... Cada beco daquela cidade não passava sem minha chegada.

Hoje resido em Campinas, mas pelo menos duas vezes por ano eu vou ao Centro com minha esposa e filhos, só pra relembrar e me deliciar com as maravilhas da minha cidade de sangue e coração.

Afinal... São Paulo é a minha cidade!

E-mail: [email protected]

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 23/12/2010 viver em uma mega-metrópole não é para qualquer um! só os arrojados e destemidos individuos! valeu! experiência igual você não teria em outro lugar! Enviado por turan bei - [email protected]
Publicado em 23/12/2010 É Daniel...lendo sua história voltei ao passado. Também fui office girl por um mes e meio...acredita que eu também rodava o Centro da cidade para ir na Junta Comercial, Secretariaa da Fazenda,etc.. uma diferença...eu não comia churrasquinho grego...numca experimentei...causava enjoo só de olhar, rsrs... Enviado por jussara - [email protected]
Publicado em 23/12/2010 Churrasco grego?! Nossa esse foi o sabor de minha adolescência como office-boy ... nossa hoje acho que não encararia, mas almocei muitos churrascos gregos ... afinal, São Paulo é nossa cidade!! Enviado por Alexandre - [email protected]
Publicado em 23/12/2010 DANIEL, VAI UM CHURRASQUINHO AI? Enviado por joao claudio capasso - [email protected]
Publicado em 23/12/2010 Daniel: sua história nos enche de emoção, justamente numa passagem de ano em que o astral cresce. Afinal, todos nós temos nosso passado
ligado ao centrão de SPaulo. Aqui no site há inúmeras histórias parecidas com a sua. Exemplo
a de João José de 24/03/2008.Parabéns e felizes festas!
Enviado por LAERTE CARMELLO - [email protected]
Publicado em 23/12/2010 Cara, você comia prá caramba, hein! Enviado por Carlos Rocha - [email protected]
Publicado em 23/12/2010 Daniel: A maneira como você encarava a responsabilidade é bem caracteristico do paulistano. Isto é, unir o útil ao agradável. Você fazia o seu serviço sentindo o prazer que é viver em Sampa. S.Paulo é assim, envolventemente mágica, por isto, tantos a amam...Parabenizo-0 pelo maravilhoso texto. (a) Chico Lemmi. Enviado por Francisco Lemmi Filho - [email protected]
Publicado em 22/12/2010 Querido valeu,pelo jeito vc. comia e passeava,belo trabalho qdo. se gosta do que faz vira hobby.
Escreva sempre. Abs.
Enviado por vilton giglio - [email protected]
« Anterior 1 2 Próxima »