Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Entre dois mundos Autor(a): Angela Gentile - Conheça esse autor
História publicada em 15/12/2010
Lembro ainda do dia que cheguei a São Paulo. Dia 20 de dezembro 1984, eu tinha 17 anos e com meus pais e irmãos mudamos de Grumo Appula, uma cidadezinha do sul da Itália para São Paulo.

Nasci no jardim São Luis e com 2 anos de idade com minha família me transferiu para a Itália, e voltei só naquele dia, depois de 15 anos.

Fomos morar em Santo Amaro, lembro como fiquei assustada com a cidade, enorme, caótica e ao mesmo tempo fascinante. Vários sentimentos me ocorreram, emoção ao ver a exuberância da vegetação, surpresa quando descobri o perfume inebriante da manga, triste quando vi um catador de papel no Largo Treze de Maio comendo com as mãos os restos de comida em uma marmita.

Meu Deus, eu sempre havia visto isso na televisão italiana, mas ver de perto era perturbador, chorei muito. Ninguém se preocupava com ele, nem o notavam.

Lembro que decidi que não aceitaria aquela realidade com indiferença e que faria alguma coisa. Participei de passeatas pelos direitos humanos, gritei me engajei, era feliz e viva.

Mas percebi que eu não era ouvida e me consideravam uma revolucionária. Assim, de repente, um dia eu também não ouvia mais minha voz. Morreram naquele dia os sonhos de uma garota idealista. Aprendi com o tempo a enxergar só aquilo que me convinha, me tornei uma pessoa tranquila totalmente conformada pelo sistema. Uma perfeita paulistana.


E-mail: [email protected] E-mail: [email protected]
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 22/10/2011 Achei triste esta história. Mas entendo voce. Foi desmotivada pelo mundo.
Beijos.
Enviado por celia sapucahy - [email protected]
Publicado em 18/12/2010 minha amiga, e onde ficam a perseverança e a persistência? Sem elas não existe idealismo. abs mirça Enviado por mrça bludeni de pinho - [email protected]
Publicado em 17/12/2010 Um Feliz e Santo Natal.
Laruccia
Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 16/12/2010 Angela,o que voçê fez, objetivamente, quando viu o catador? Comprou-lhe talheres? Quanto as duas últimas linhas da sua narrativa:"11 – Não julgueis, pois, para não serdes julgados; porque com o juízo que julgardes os outros, sereis julgados; e com a medida com que medirdes, vos medirão também a vós. (Mateus, VII: 1-2)." Enviado por ailton joubert - [email protected]
Publicado em 16/12/2010 Infelizmente Angela, morar em uma grande cidade é como diz o titulo "estar entre dois mundos" voçê tem o belo e o feio. Isto que voçê viu ocorre em muitos outros lugares no mundo, não é previlégio só nosso,não que por isto seja justificavel estar vendo estas cenas que chocam. Quanto a sua reação de fazer alguma coisa para tentar mudar este quadro,isto merece todo aplauso. Entendo e tambem participo de sua frustração por ver que tudo continua igual,mas o sistema é cruel. Enviado por Carlos Dias - [email protected]
Publicado em 16/12/2010 Parabéns pelo texto, mas não concordo que paulistano seja sinônimo de conformado com o sistema. O povo brasileiro, na maioria, é um pouco conformado, pois já perceberam que não é possível mudar o sistema facilmente, as barreiras políticas, principalmente, são muito grandes e este conformismo também existe no mundo afora, a juventude hoje, só tem o ideal de sobreviver ganhando dinheiro, sem lutar por mudanças. A culpa não é sua e nem do paulistano. Enviado por Carlos Rocha - [email protected]
Publicado em 15/12/2010 Não posso concordar com a sua conclusão e definição do que é ser uma perfeita paulistana. O meio adverso é muito forte, eu concordo, mas, tanto nós, como nossos representantes, sempre nos debruçamos sobre este problema e creio que em S.Paulo a miséria absoluta não fincou raiz.A miséria absoluta ainda está em seus bolsões de origem e os que os deixam sempre encontram em S.Paulo a esperança e uma luz. Não só os migrantes mas muitos imigrantes que aqui batem, encontram dias melhores... Enviado por Trini Pantiga - [email protected]
Publicado em 15/12/2010 Angela, meu anjo, não se conforme, seja meia aliche e meia muzzarela. Seja benvinda! Enviado por Pedro Cardoso - [email protected]
Publicado em 15/12/2010 Pena que essa garota idealista não tenha ficado em vc.como paulistana ainda mais agora mais amadurecida a ponto de escrever ao SPMC fazendo um desabafo,nunca podemos nos conformar com injustiças e a fome do semelhante,até hoje não aceito isso e jamais vou aceitar.
Mas de qualquer forma valeu sua real.
Enviado por vilton giglio - [email protected]
Publicado em 15/12/2010 ANGELA, NAO ADIANTA LUTAR CONTRA O SISTEMA, O NEGOCIO E DANÇAR CONFORME A MUSICA, Enviado por joao claudio capaso - [email protected]
« Anterior 1 2 Próxima »