Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Da Bahia para a Vergueiro Autor(a): Dalva - Conheça esse autor
História publicada em 24/11/2010
Em 1961 a minha mãe resolveu mudar para, São Paulo onde o meu pai já morava há cinco anos. Saímos de uma cidade do interior da Bahia em um ônibus numa viagem que durou 24 horas. Sonhei com esse encontro, pois estava cansada de saber que tinha um pai, mas a única coisa que me fazia lembrar de como ele era, era uma foto pintada a óleo que tínhamos na parede da nossa casa lá na Bahia.

Eu e mais cinco irmãos chegamos à São Paulo depois de uma viagem fatigante de 24 horas. Passamos na casa de uma tia que já morava em São Paulo há muitos anos, e lá tomamos banho, trocamos de roupa, e minha mãe pegou um táxi, e lá estávamos nós em rumo à “favela” do Vergueiro. Quero ressaltar aqui que dois meses antes a minha mãe já havia achado o endereço do meu pai, e acertaram a nossa vinda para São Paulo.

Eu sonhava com esse dia, mas ao chegar ao lugar onde meu pai morava, um barraco de três vãos para nós. Éramos oito, incluindo meu pai e minha mãe. Quanta decepção, meu Deus! O sonho de conhecer o meu pai parecia pesadelo.

Encontrei um pai maltrapilho típico maloqueiro que tinha como meio de transporte uma carroça velha e que como moradia nos oferecia um barraco todo esburacado que, para nos proteger do frio, forrávamos de jornal.

As memórias desse lugar eram horríveis, mas fazer o quê? Minha mãe parecia muito feliz por esta com o meu pai. Um certo dia ele foi atingido por uma bala perdida que quase lhe custa a vida. Não tínhamos nenhuma liberdade, pois parecíamos uns prisioneiros, nunca podíamos sair na rua, pois a minha mãe sempre achava que algo poderia acontecer conosco.

As minhas irmãs mais velhas, uma com 13 e outra com 14, e meu irmão, com 12 anos, já trabalhavam para ajudar nas despesas, e por isso tiveram que parar de estudar. O meu sonho era voltar para a Bahia, sentia falta de morar na nossa casa de "verdade". Era muito simples mas não era de madeira toda cheia de buraco.

Passei por algumas escolas, Marechal Floriano, SESI no Ipiranga, e até uma escolinha no quintal do Madre Cabrine.

De todas as lembranças uma que mais me marcou foi quando resolveram abrir uma estrada na Rua Vergueiro, que atravessaria umas chácaras de uns portugueses. Me lembro dos tratores passando e destruindo toda a plantação de verduras. Até hoje me lembro da cara de tristeza daqueles portugueses ao ver as suas plantações sendo destruídas. E outras lembranças mais, como barracos sendo incendiados, os lixos que as fábricas iam jogavam, e nós íamos pro meio daquela lixarada atrás de alguma coisa que pudesse ser reciclada.

Sem falar de quantas vezes, indo para a escola, fui livre de morrer atropelada por ônibus e bondes. Bem, um dia meu pai resolveu ir passear na Bahia e minha mãe simplesmente fez uma surpresa para ele. Voltamos para a Bahia e ele não pôde fazer nada, mesmo tendo ficado desapontado com a atitude da minha mãe. Desde esse dia ele não voltou mais a São Paulo.

Hoje 49 anos se passaram desde aquele dia em que entramos naquele ônibus rumo a São Paulo, e posso ver que a minha vida deu uma reviravolta, vejo nitidamente o cuidado e a proteção de Deus para conosco. Em maio de 2010 fizeram 21 anos que mudei para Melbourne, Massachusetts, nos Estados Unidos, e dou graças a Deus por ter uma história de vida para contar, pois tudo em minha vida serviu de história e me fez batalhar para que meus filhos pudessem ter uma vida decente.

Tenho três filhos maravilhosos, o meu caçula com 29 anos, casado formado em engenharia de gravação, o meu filho do meio é autista tem 31 anos, e é atendido em um programa especial para o seu caso e mora comigo. A minha filha mais velha tem 34 anos, é formada programadora de computador, é casada e me deu duas netas lindas que estão com quatro anos.

Posso olhar para trás e ver que na minha vida tudo, tudo valeu a pena. Já voltei à São Paulo outras vezes, mas não tenho ideia onde fica o lugar que morei e nem sei se ainda existe. Só sei que o meu passado me deu muita garra e eu não me envergonho dele, e sempre que tenho oportunidade falo para os meus filhos sobre o meu passado, pois quero que eles saibam que nada cai do céu se não batalharmos para ter.

E-mail: [email protected]
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 29/11/2010 Você é uma sobrevivente e uma guerreira. Parabéns! Que a luz de Jesus a ilumine sempre. Quanto à favela citada, hoje é um bairro nobre- chácara Klabin. A favela foi demolida e os terrenos vendidos pela família Klabin. Hoje a estação Chácara Klabin faz parte da linha verde do metrô. A estrada do Vergueiro hoje é a Rua Vergueiro . Enviado por Trini Pantiga - [email protected]
Publicado em 25/11/2010 Comovente e sincera história de uma vida de uma pessoa que soube contornar o que parecia ser o caos.Vc, Dalva, com sua expressão simples e bem compreensível, é um exemplo de dignidade e força de vontade. Parabéns, Dalva.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 25/11/2010 Minha amiga Dalva, moro na Vila Mariana, e vindo do ABC, passamos num bairro sofisticado (sofisticado é pouco) é um luxo só, com prédios de altíssimo nível, pra minha surpres, uma amigo que mora na vila a mais tempo me disse que ali era a famosa favela do vergueiro, caríssima Dalva, você não acharia nem resquícios do que foi o seu barraco esburacado, pois hoje no lugar deve ter um prédio de apartamentos enormes, com varanda gourmet, jacuzis na varanda, e tudo mais que o dinheiro pode dar, beijão Enviado por Ivan Pinheiro - [email protected]
Publicado em 25/11/2010 A favela do Vergueiro é citada na música "mulher, patrão e cachaça" do grande gênio brasileiro Adoniran. Sua história é muito bonita, parabéns. Enviado por Igor Nitsch - [email protected]
Publicado em 25/11/2010 Dalva parabens poela sua história muito real. Sabe menina não importa o ninho seo vôo é de águia, o seu é de uma grande águia mesmo. Parabens oh grande guereira, Deus lhe abençoe! Enviado por carlos heiffig - [email protected]
Publicado em 24/11/2010 Dalva, que historia triste e ao mesmo tempo bonita!vc passou por muitas coisas amargas e decepcionantes! Fico muito feliz em saber que vc esta muito bem agora.Sabe que o sofrer nos traz muito amadurecimento para as nossas vidas e experiencia de vida! Vc so nao falou como ficaram seus pais na Bahia. Conte-nos sobrs eles. Escreva mais! Abracos fraternos.Ps..tenho um filho que estuda em Pampano Beach.ele ja esta ai a 2 anos Enviado por Gerson Gloucester Cordeiro Ferreira - [email protected]
Publicado em 24/11/2010 Grande história de vida e um exemplo para aqueles que dizem que a cidade maltrata os que vem de fora. São Paulo tem um ritmo e é preciso entrar em harmonia com esse ritmo; para isso é preciso estudar e trabalhar, é necessário adequar-se à paulicéia, desvendar seus mistérios, atender às suas necessidades. São Paulo é mãe amorosa para aqueles bons filhos, para aqueles que a adotam de modo definitivo, física ou espiritualmente. Parabéns, Dalva. Meu abraço!
Ignacio
Enviado por joaquim ignacio - [email protected]
Publicado em 24/11/2010 DALVA, parabens pelo seu lindo texto, isso vem provar que a honestidade ela vence, quando batalhamos honestamente, nao e preciso seguir o caminho do mal, mais uma vez parabens;. Enviado por joao claudio capaso - [email protected]
Publicado em 24/11/2010 Dalva:
Conheci de perto a favela do Vergueiro;hoje bairro chic, Chácaras Klabin .Caso se interessar, ler em minhas histórias, o título.." Os telefones"...talvez nos nos tenhamos cruzado no tempo e no espaço...
Quando a dignidade impera; os frutos podem demorar, mas chegam....
Luiz
Enviado por Luiz - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »