Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias História Viva Autor(a): Aparecido Candido de Oliveira - Conheça esse autor
História publicada em 03/11/2010

São Paulo minha cidade, muito legal, e quando retrocedo nas mais profundas lembranças, me vejo em cima de uma cama com mamãe que já se foi gritando desesperadamente. Vi uma imagem subindo, ao meu lado, meu irmão, minha irmã... Papai acabara de falecer.

Embaixo de uma árvore, vi ao longe aquela ambulância branquinha, e o barulho dos aviões. Morava no Jabaquara.

Tempos depois lá estava eu no Instituto Cristovão Colombo, local de órfãos.

Na Vila Formosa, bairro distante do centro da cidade, tive a oportunidade de conhecer os papa-filas, os paus-de-arara, que gritavam “vai Belém mais um!”. Moleque nada sabia, nada entendia...

Queria mesmo era jogar bola, catar lata, ser engraxate, feirante. Enfim, ia vivendo...

Pois acabara de sair de um orfanato...

São Paulo, minha cidade, e o menino ia crescendo, desorientado entregue a sorte...

Na Sociedade Amigos de Vila Formosa, local de pleno agrado, tinha que ter uma foto e a foto custava dinheiro.

E as latinhas e os cobres, satisfizeram o Seu João, nosso técnico de futebol de salão.

Não sabia que sabia jogar bola...

E o seu Mané, dono da padaria me deu o primeiro tênis da minha vida, um bamba.

Outros moleques estudavam, andavam limpinhos.

Segui esse caminho.


São Paulo, minha cidade... Tempos das escuderias, do café no aeroporto, da sopa de cebola no Ceasa, enfim crescemos amando a cidade que nunca parou de crescer.

Conheci os amigos que aqui chegavam, suas histórias, seus objetivos. Dos mais variados pontos do país.

Hoje posso dizer sim, depois de conhecer todo nosso País e conviver, embora esteja no Pará....

São Paulo, minha cidade... Aí é meu lugar!

E-mail: [email protected] E-mail: [email protected]
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 06/11/2010 Volta Cãndido, volta para casa rapaz. aqui é o teu lugar. Não deixe a saudades te maltratar. Enviado por carlos heiffig - [email protected]
Publicado em 04/11/2010 Na sua tenra orfandade, a vida te ofereceu, sem muita ajuda, o mínimo pra vc vencer adversidades, sendo a pior, a perda dos pais. Vc mostra, nas poucas linhas acima, uma força de vontade e desejo de vencer os obstáculos da vida. Parabéns, Candido.
Laruccia
Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 04/11/2010 Cido. Tá na hora de voltar. A cidade esta de braços abertos, te esperando. Enviado por Mário Lopomo - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »