Leia as Histórias

Categoria - São Paulo da cultura, gastronomia, lazer e oportunidades São Paulo, meu amor - Parte 1 - O primeiro encontro Autor(a): Aroldo Ramos da Silva - Conheça esse autor
História publicada em 28/10/2010
No dia 18 de maio de 1964, forçado a deixar o campo por culpa da política e conjuntura econômica que tangiam os trabalhadores rurais para os grandes centros urbanos, meu pai, meu irmão mais velho (com 18 anos incompletos) e minha irmã (a primogênita e única filha de sua prole de nove), saíram da área rural da pequena Reginópolis, no Centro Oeste paulista, e partiram em direção a São Paulo. O destino era Vila Friburgo, no bairro de Santo Amaro, onde esperavam conseguir se empregar na indústria e conseguir acomodações para os outros sete membros da família que ficaram acomodados em casas de três parentes lá em Reginópolis.

Dos que ficaram com minha Mãe lá em Reginópolis, o mais velho tinha 15 anos incompletos; eu estava com 11 anos e os outros cinco mais jovens com diferença de dois anos entre si.

Não demorou muito e meu pai conseguiu empregar-se como faxineiro na Engesa, que ficava em frente à Caterpillar, onde hoje funciona o SP Market. Minha irmã empregou-se como ajudante na Metalúrgica Prada, empresa que existe até hoje e fica ali pertinho da Estação Santo Amaro do metrô. E meu irmão empregou-se como ajudante de montagem na Burroughs, ali na Rua Amador Bueno.

Em setembro de 1964, meu pai retornou a Reginópolis para nos trazer a São Paulo. Minha mãe preparou frangos recheados para nos alimentar durante a viagem.

A primeira fase da viagem foi feita em um ônibus daqueles com o capô baixo, que nós conhecíamos como jardineira. Essa jardineira saía de Reginópolis às 06h00; seu percurso era feito em uma sinuosa estrada de terra, cortando várias fazendas... Nessas fazendas, sempre havia passageiros para embarcar ou desembarcar; além disso, tinha também aqueles tambores metálicos cheios de leite que eram transportados na jardineira. Em resumo, para vencer os 80 km que separam Reginópolis de Bauru, foram necessárias quatro horas.

Enquanto meu pai cuidava das passagens para nós, minha mãe nos alimentava com parte dos frangos recheados. Era cerca de 11h quando embarcamos no trem da Paulista, dando início à segunda fase de nossa viagem.

Essa viagem foi uma bela novidade para todos, pois jamais havíamos saído de Reginópolis, imagina então viajar de trem! Lembro-me que comemos o que restava de frango nesta fase da viagem.

Estava começando a escurecer quando o trem começou a entrar em São Paulo. Fiquei muito impressionado ao ver casas "penduradas" nas encostas dos morros da periferia de São Paulo, pois a região donde viemos é uma região plana, e nas pequenas cidades não existiam casas construídas dessa forma.

Aproximadamente às 19h, desembarcamos na Estação da Luz e seguimos andando até o Vale do Anhangabaú. Esse primeiro contato com a cidade grande é indescritível. Para nós, aquele festival de luzes que havia na cidade era uma grande novidade, e muitas vezes chegávamos mesmo a tropeçar pelas calçadas, tal era nosso deslumbramento.

Acho que é difícil as pessoas da cidade imaginarem o deslumbramento, o encantamento e emoção misturados com um sentimento de medo que a grande cidade pode causar a quem nunca a vira antes. Imagine, então, o que se passa pela cabeça de um casal acompanhado por uma "escadinha" de sete filhos, oriundos da zona rural de uma cidade onde não havia nem mesmo sobrado, e de repente se vê andando pela Avenida Rio Branco, vendo aquele show de luzes e prédios com altura por nós nunca imaginado!

Depois de cerca de 30 minutos de sustos e tropeções, chegamos ao Vale do Anhangabaú, onde pegamos um ônibus da extinta Viação Rio Bonito, com destino à casa de minha avó que morava na Rua Basiléia, pertinho da "Antena Tupi", ali na Vila Friburgo, que fazia parte de Santo Amaro naquela época.

Hoje nossa família está muito bem, com mais de 60 pessoas. Muito devemos à cidade de São Paulo e a seu povo hospitaleiro e amigo. Muitos sucessos foram conquistados por aqui, mas isso é assunto para outras histórias.

E-mail: [email protected] E-mail: [email protected]
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 28/03/2011 Aroldo adorei sua narrativa, apesar de eu ser um dos seus irmaos e ter participado desta louca aventura,confesso que nao me lembrava de alguns detalhes dessa historia,parabens como sempre voce provou que e um grande escritor. obs.tambem escrevi uma historia, espero que seja publicada Enviado por jose carlos ramos - [email protected]
Publicado em 08/01/2011 Caro Aroldo, Você poderia ler com certa suspeição meus comentários, porém, creia-os de um misto de emoção, carinho e verdadeira simpatia. Não é todo dia que alguém posta mensagens com tanta clareza de detalhes, principalmente nesse longínquo "anos 60" tão rico em transformações culturais para o país que histórias tão fascinantes que passam despercebidas. Como conheço a maioria dos detalhes e das entrelinhas do seu texto, deixarei aos outros leitores apenas o seguinte; não percam a sequência. Enviado por Ademir Garcia - [email protected]
Publicado em 08/01/2011 Ah!, sobre a possível suspeição: sou primo do Aroldo, também de Reginópolis e ... enorme saudade. Enviado por Ademir Garcia - [email protected]
Publicado em 01/11/2010 Aroldo, meu caminho foi inverso, pois hoje resido próximo a Bauru, na cidade de Agudos, mas imagino a emoção que você e seus familiares sentiram. Agora, fico a esperar com muita curiosidade a continuidade de sua história. Felicidades! Enviado por Carlos A. Bulgarelli - [email protected]
Publicado em 31/10/2010 Que memória espetacular, lembrar-se de tantos detalhes, de uma época tão distante !!! Claro que vc cuidou muito bem de sua saúde. Eis o segredo de todos estarem bem, trabalhar e se cuidar. Bela narrativa que mostra a forma que São Paulo cresce. Parabéns Aroldo. Sérgio Enviado por Sérgio Kamada - [email protected]
Publicado em 29/10/2010 Aroldo pelo visto somos "vizinhos" pois nascemos (irmão) em Pongaí. Minha concunhada nasceu em Reginópolis e hoje mora em Fortaleza e ainda tem parentes na sua terra. Enviado por asciudeme joubert - [email protected]
Publicado em 29/10/2010 Elegante chegada a São Paulo, Aroldo. Esta surpresa mesclada com alegria em chegar a uma cidade grande, é uma emoção que gostaria, também de sentir. Nascí aquí. Deve ser emocionante ter essa surpreendente visão, maravilhoso deslumbre de saber que aquí, também é Brasil. Com a grande vantagem de vcs estarem todos muito bem. Parabéns, Ramos.
Laruccia
Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 28/10/2010 Aroldo, voces vieram para Santo Amaro no auge da industrialização local e vieram como todos os brasileiros de diversas cidades e Estados,e tiveram sucesso aqui naquela época, só para completar seu texto, onde era a Burrougs, depois foi a Natura e hoje é a Universidade Uninove, assim como a maioria das indústrias daqui se transformaram em escolas, supermercados, lojas de automóveis e condominios de alto padrão,shoppings, parabéns pelo tema ,Estan. Enviado por Estanislau Rybczynski - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »