Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas Amizades do Previdência, nem o tempo apaga... Autor(a): Alexandre José das Neves - Conheça esse autor
História publicada em 08/10/2010

Esse mês de setembro de 2010, fez ficarem mais vivas as lembranças dos meus velhos amigos do Previdência, consegui entrar em contato com a Luciana filha do seu Godinho. Lembro de várias passagens da minha infância no meu previ, pensava que o tempo nunca iria nos separar, coisas de criança.

Quando puxava carrinho com o André pelas ruas, sonhava em ser caminhoneiro, vieram as bicicletas, mobiletes e nós sempre sonhando com coisas diversas e sendo felizes com nossas idéias e planos para o futuro, que incluíam todos sempre juntos. Mas a vida fez cada um seguir o seu destino, novas amizades, responsabilidades e as mudanças de bairro.

Nesse tempo todo continuei à procura dos meus amigos de infância, Já tinha encontrado a Silvia, irmã do Jaca apelido do Mauricio. Esta é uma passagem engraçada, estávamos eu, o Jaca e o Reinaldo, na porta da casa do André, quando vieram dois internos da Febem da Raposo, tentando nos roubar, e foram pedindo a jaqueta, falando da essa “jaca” pra cá. Por isso do apelido.

Nossa vida no previ sempre foi de muita paz e segurança, pois o bairro no seu todo era formado por aposentados da antiga previdência social, por isso o apelido do bairro, que na verdade se chama Jardim Ademar.

Não poderia aqui de deixar de citar o Guilherme um grande amigo da mesma idade que a minha. Ele era muito caseiro, não gostava muito de brincar na rua, mas sempre o considerei um irmão meu. Tantas brincadeiras que não sei se existem hoje mãe da rua, polícia e ladrão, taco, pintávamos a rua para jogar futebol, colocávamos rede de vôlei na rua, vivíamos dando voltas no quarteirão.

Naquela paz, vou citar novamente o Tio Paulo, uma das maiores pessoas que passaram pela minha vida, como era amoroso e carinho com todos no bairro, uma bondade sempre aguentando nossas bagunças sem reclamar. Nós fazíamos o portão da casa dele de gol e ficávamos empoleirados no seu muro, que era baixo, e fazíamos à festa quando ele chegava com balas doces e nos levava para passear de carro pelo bairro em seu carrão.

Fico muito feliz de reencontrar, mesmo pelo Orkut, meus amigos de infância e saber que estão todos felizes e com saúde.

A amizade nem o tempo apaga, quando é sincera dura a vida toda. Mesmo que a distância nos afaste, os verdadeiros amigos estarão sempre ligados pela emoção. Um grande abraço a todos.

E-mail: [email protected]

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 11/10/2010 Alexandre tenho 49 anos uma familia de 11 irmãos,o mais velho tem 68 anos mudamos p/ previdência em 1961 minha mãe professora Lucia Bertolaccini trabalhava no colégio da previdência
não me lembro o nome exato,meus irmãos zezinho,paulo,tily,nêne,Doris os mais velhos,meu pai Nicola trabalhou no Instituto Butãntã,moravamos na rua de traz da igreja:
talvez vc tenha conhecido alguns da familia???peço-lhe se caso tiver fotos da época mande pra mim ficarei grato! abraços

a
Enviado por José Roberto Bertolaccini Rodrigues - [email protected]
Publicado em 08/10/2010 Alexandre, moro no Previdência desde abril de 1954. Fomos a 3ª ou 4ª familia a mudar para aquele, então, fim de mundo. Na época tinha 14 anos e hoje tenho 70.Meus filhos e netos nasceram e cresceram no bairro.
Em tempo: o bairro foi habitado por funcionários públicos estaduais,DA ATIVA, que com o tempo foram aposentando. Nos mapas da prefeitura, realmente consta o nome Jd. Ademar, mas os moradores sempre se recusaram a adotar um nome tão ficha suja. Abraços do Ignacio
Enviado por joaquim ignacio de souza netto - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »