Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas Aclimação, das coisas que me lembro... Autor(a): Adriana Gragnani - Conheça esse autor
História publicada em 08/10/2010
“Coooompra rôpa! Cooooopmra rôpa”! Lá vinha o senhor alto, de costas encurvadas, passando pela Rua Senador Felício dos Santos, na Aclimação, semanalmente.

“Óooooooovus! Óoooooovus”! Essa era a chamada da velha portuguesa, toda de preto, mas com um brinco em filigrana de ouro. Na cabeça, o equilíbrio da cesta com ovos. Minha mãe nunca comprou da velha senhora. Preferia os da feira.

E para as compras de emergência, legumes, verduras e frutas, tinha a carroça do Seu José não! O nome não era José. José era o verdureiro que seguiu ao que me refiro. Rosto fino e encovado, parecia guardar uma tristeza eterna. Alguma coisa de bom meu pai fez ao homem. Todo o Natal, até que se soube de sua morte, levava dois pares de meia de presente. Vinha com balança, acredito que era cobre, mas não sei que metal era. Rapidamente era montada na parte traseira da carroça, com um gancho. Rigor de peso, nenhum. Talvez por isso o chorinho, sempre um maço de salsinha, um maço de rabanete. Mas o cavalo xucro era legal. A criançada podia pegar na carroça restos de folhas e dar ao animal, que comia, mexia o focinho e babava.

Pela rua, no final da década de 60 e início de 70, outras grandes figuras desfilavam. O padeiro, o açougueiro que trazia a carne em casa, o garoto da mercearia. Talvez, em detalhes, em algum dia me venham à memória.

E-mail: [email protected] E-mail: [email protected]
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 13/10/2010 E VERDADE ADRIANA, EU LEMBRO DO HOMEM QUE COMPRAVA ROUPAS USADAS. O PEIXEIRO, O VENDEDOR DE QUEIJOS, O LEITEIRO DEIXAVA O LITRO DE LEITE NA PORTA DAS CASAS, O AMOLADOR DE FACAS, PASSAVA ASSOBIANO UMA FLAUTINHA. LINDOS TEMPOS. Enviado por joao claudio capasso - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »