Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias São Paulo, uma lição de vida! Autor(a): Dorinha Vitali - Conheça esse autor
História publicada em 07/10/2010
Lá pelos idos de 1969, fui morar em São Paulo pela primeira vez. Precisava dar continuidade aos meus estudos, que eram bastante específicos. Estudei em uma escola hoje extinta, de nível médio, criada pelo então Governador Carvalho Pinto, O Ginásio Vocacional. De conteúdo tecnológico, estava á frente de seu tempo muitas décadas. Foram poucas unidades implantadas em algumas cidades do interior paulista e uma na Capital São Paulo.

Após o término da quarta série ginasial, para continuar com o mesmo currículo escolar do então Ensino Básico (hoje Colegial) do Vocacional, a única forma era eu ir para São Paulo e concluir o Colegial no Ginásio Vocacional Oswaldo Aranha. Situação muito apreciada por nós jovens da época. Como escola vanguardista, ensinou-nos a sermos cidadãos participativos e transformadores de nossas sociedades. Enfim éramos fermento em nosso meio. Tínhamos a exata compreensão da nossa responsabilidade social com o nosso mundo.

Nessa época São Paulo para mim era uma selva de pedra a ser conquistada. Nunca me esqueço do cheiro que vinha das chaminés das padarias quando saía uma fornada de pão. O cheiro era embriagador, delicioso. Até hoje, de recordar, me vem aquele cheiro que em outro lugar nenhum senti, como senti em São Paulo.

Morei por seis meses no bairro Higienópolis, mais precisamente na Rua Maranhão, não me lembro o número, só que era um apartamento que dividia com uma prima. Lembro-me que para economizar um ônibus, descia a pé às seis horas da manhã a Rua Maranhão até a Avenida Angélica, e de lá continuava até as escadarias do pontilhão da Avenida Nove de Julho. Tinha um vendedor de moedas antigas que ficava bem na entrada da escadaria e sempre que podia parava para observá-las. Já na Avenida Nove de Julho, pegava o ônibus até o Brooklin, onde ficava o Vocacional Oswaldo Aranha, na Rua Pensilvânia. Era uma viagem. Estudava até meio dia e meio, voltando para casa almoçava, em seguida ia para o trabalho, porque o currículo da escola assim exigia.

Trabalhei como assistente de secretária, meio período em um escritório de desenvolvimento do nordeste que também ficava no bairro Higienópolis. Como eram tempos difíceis para minha família tornou-se inviável minha permanência em São Paulo. Precisei voltar para minha cidade, Barretos, no interior norte do estado de São Paulo. Nesta época tinha apenas 16 anos.

Na segunda vez que morei em São Paulo, foi no ano de 1971, após ter me casado com um engenheiro da minha cidade formado pela Politécnica USP, treze anos mais velho do que eu.

Fui morar no bairro Cambuci, na Rua Carlos Teixeira de Carvalho. Ali morei por oito anos, tive o meu filho mais velho que nasceu em 1974, no auge do surto de meningite que ocorreu no Brasil naquele ano.

Vim ter meu bebê em Barretos, e por aqui fiquei por quatro meses, até meu filho adquirir maior resistência, para então voltarmos para São Paulo. Todos nós fomos vacinados em uma praça pública da cidade, pois o surto de meningite estava tão grande e com perdas de muitas vidas, que postos de vacinação se espalhavam por inúmeras praças da cidade de São Paulo. Verdadeiros mutirões de vacinação aconteciam na cidade naquela época, vacina esta desenvolvida na França.

Dali mudei para o bairro de Moema, que estava num período de verdadeiro expansionismo imobiliário, onde vários arranha-céus surgiam todos os dias. Tive meus outros dois filhos no hospital Alvorada na Avenida Ibirapuera. No bairro de Moema morei na Rua Diogo Jacomé e depois na esquina da Rua Canário com Avenida Macuco. Um bairro que lembrava a topografia da minha cidade, todo plano. E onde moravam muitos barretenses. Meus filhos estudaram na escola Móbile.
Vários restaurantes se espalhavam pelo bairro, na sua grande maioria temáticos. Como o João Sen, Winduk, Os Profetas, As Noviças, Bier Hale etc.

Ainda podíamos contar com o Shopping Ipirapuera com apenas dois pisos, mas já com excelentes lojas e restaurantes. A igreja Nossa Senhora Aparecida, onde meu filho mais velho fez sua primeira comunhão, na Avenida Ibirapuera.

A feira de domingo ficava na Avenida Lavandisca. Perfeita e completa, onde compramos para os filhos uma tartaruguinha que mais tarde veio a ser criada aqui em Barretos na casa da minha sogra. Com o falecimento dela doamos a tartaruga para o Ibama, através da Secretaria do Meio Ambiente da cidade.

Na cidade de São Paulo aprendi a viver, voltei de lá sabendo ser forte diante das adversidades, tive uma parte de minha vida vivida lá, por dezesseis anos, que me trouxeram vivências, maturidade, iniciativa, que contribuíram com o meu crescimento como ser humano. Por isto sempre serei grata a São Paulo e sempre amarei esta cidade.

E-mail: [email protected] E-mail: [email protected]
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 06/12/2010 SOU BAHIANA, QUANDO TINHA 14 ANOS VIN MORAR EN SAO PAULO, FOI NINHA PRIMEIRA ESPERIENCIA.NA CIDADE DE SAO PAULO APRENDI SER FORTE, E CORAJOSA VIVI VINTE TRES ANOS PARA MIM SAO PAULO E NEW YORK DO BRASIL. NAO TEM PARIS LUGAR MEN UM QUE SEJA IGUAL A VENIDA PAULISTA,,,, SAO PAULO E TUDO DE BOM,E MUUUUITO MAIS AoooOOOO SAO PAULO:) Enviado por olinda zucker - [email protected]
Publicado em 08/10/2010 Flávio Rocha, essa declaração nunca existiu. Prove. Fernando Henrique Cardoso é uma pessoa educada. Conheço-o pessoalmente e todos nós, seus vizinhos, o admiramos pela simplicidade e educação. Dorinha, parabéns pela estória de sua luta de vida. Enviado por Ricardo Oliveira Vasquez - [email protected]
Publicado em 08/10/2010 Caro Ricardo, como dizia a "Copélia" do humoristico da TV Globo, "Toma lá, dá cá", - PREFIRO NÃO COMENTAR....AQUÍ - Abraços - Flavio Rocha Enviado por Flavio Rocha - [email protected]
Publicado em 08/10/2010 Dorinha,SP nos dá lição todos os dias,é a mãezona do Brasil e também mãe adotiva,lamentamos o que fazem com ela também,mas há filhos ingratos também,mas depois se arrependem de te-la tratado mal,muito bonito o q. vc. escreveu.
Apareca sempre nunca esqueça-a,a boa filha a casa retorna.
Abs.
Enviado por vilton giglio - [email protected]
Publicado em 07/10/2010 Dorinha, moraste muito bem, heim !!! Rua Maranhão...nesta rua, mora o "cavalheiro" ex-presidente FHC (recuso-me a escrever o seu nome) que, um certo dia, no "alto" do seu cargo de primeiro mandatário deste País, chamou à mim e a todos os aposentados, de VAGABUNDOS...AO VIVO E EM CÔRES, PELA TV !!!! eu, que me aposentei aos 42 anos trabalhados, com nove e meio salários e hoje, recebo 3 salários !!!! Obrigado, PRESIDENTE!!! Nesta rua Maranhão, fica a famosa Panificadora do "Benjamim"- Flavio Rocha Enviado por Flavio Rocha - [email protected]
Publicado em 07/10/2010 Na Rua Maranhão tive varias clientes.Perto da casa de uma cidadão que não me lembro o nome e, que um dia me chamou de vagabundo pelo fato de ser aposentado. Sempre morei perto de Moema, Itaim, Vila Olímpia, Brooklin e agora um pouco mais adiante após o aeroporto de congonhas. Moema era nos anos 1950-60 um bairro de ruas de terra que tinha a canaleta que tinha os trilhos por onde passava os bondes que passava na avenida Ibirapuera, e nela, tinha a Fiação Indiana onde hoje se situa o Shopping Ibirapuera, andava de bicicleta por todas aquelas rua. Da Vila Olímpia íamos pela Av. dos Eucaliptos para ir a TV Record tantos aos sábados a noite para ver as lutas livres, e aos domingos para assistir a Gincana Kibon. Enviado por Mário Lopomo - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »