Leia as Histórias

Categoria - Personagens Munis, Muniz ou Muniz Furtado Autor(a): Arnaldo Muniz - Conheça esse autor
História publicada em 16/08/2010
Somos pessoas humildes nesta cidade, mas que nos orgulhamos das origens dos nossos antepassados (1902 em São Paulo) e seus sobrenomes são para nós muito importantes...
Mas há um imbróglio sem tamanho com os registros.

Meu Pai chama-se Francisco Muniz Netto em homenagem ao meu bisavô Francisco Muniz Furtado, mas percebam, ele não leva o Furtado e nem nós, seus filhos, pudemos perpetuar o sobrenome de família, que vai longe no tempo, remontando o início de Portugal (só utilizamos o Muniz).

O meu avô paterno, em suas assinaturas, figurava sempre o nome João Muniz Furtado porém, quando ele faleceu, descobrimos alguns documentos como João Munis, filho de Francisco Muniz Furtado...

Meu avô registrou alguns dos filhos como Muniz outros como Muniz Furtado, mas o erro com o nosso ramo foi grosseiro... Em nossas conversas com parentes mais antigos, acabamos por saber que nem sempre era meu avô que registrava os filhos, pois ficava muito feliz com os nascimentos e perdia a conta da bebida, ficando o encargo para cunhados que mal sabiam o seu nome correto...

e-mail do autor: [email protected]

E-mail: [email protected]
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 19/08/2010 Nessas confusões de nomes antigamente, Arnaldo, contava um saudoso tio meu que um amigo dele, cujo nome era Inocente, erro do pai ao registrar, ficou Inocente ao invés de Inocêncio, chegou até levar um bofete do Delegado quando numa confusão foi levado à delegacia como agressor ao pronunciar o seu nome. Parece piada más foi verdade. Consequência das tais histórias dos fogos que os pais tomavam antigamente nas comemorações de nascimento dos filhos - abraços - Pedro Luiz -. Enviado por Pedro Luiz Boscato - [email protected]
Publicado em 19/08/2010 Nasci no dia 31 de dezembro, ás 10:45 na casa de meus avós maternos onde todos se preparavam para a passagem do ano .No dia 2 de janeiro, ainda bebados, foram me registrar, meu pai, meu tio, e meu avô Giuseppe Scagliusi.No cartório, cada um deu uma data diferente do dia que nasci, meu avô 2 de janeiro, meu tio,31 de dezembro (dia que realmente eu nasci) meu pai, 1 de janeiro, assim eu ganharia um ano.ai, ficou valendo 01/01/37. Enviado por Heitor Felippe - [email protected]
Publicado em 17/08/2010 Essa história, como tantas outras sobre o mesmo assunto, Arnaldo, são curiosas e divertidas. Sabe-se que, antigamente, muito disso acontecia. Conheci uma pessoa que foi registrada duas vezes e com nomes diferentes. Não sei como aconteceu, a primeira carteira de trabalho ela tirou com um nome e a segunda com outro. Aposentou com os registros da segunda carteira. Cada filho que nascia, ela dizia, o pai tomava um fogo de vinho e davam as confusões. (rs) - abraços -. Enviado por Pedro Luiz Boscato - [email protected]
Publicado em 17/08/2010 Sr. Muniz, eu também fui ‘vitima’ de um equívoco parecido, já que meu pai, regado ao vinho ‘Jerez de la Frontera’ para comemorar meu nascimento, me registrou com data diferente e – voilà – fiquei com dois dias para comemorar meu aniversário – o dia correto e o que consta do registro – o que gerou uma certa confusão na minha infância, pois em casa se comemorava num dia e na escola no outro... coisas que uma criança custa para entender.
Parabéns pela sua narrativa e fica o registro de que – no fim - o que realmente importa não é de onde ou quando viemos – mas – o que somos e para onde vamos ! Abraço, Carmen
Enviado por Carmen Francisca León Duarte - [email protected]
Publicado em 17/08/2010 Otávio Muniz era nome artístico, Mário Lopomo. O programa que ele apresentava na Rádio Panamericana era Corinthians em Marcha. O Salem Júnior apresentava o do Palmeiras, Campeoníssimo. Ouvi, até pouco tempo atrás, que o Salem Júnior ainda vivia. Você tem conhecimento disso? Eram dois fanáticos, Otávio Muniz pelo Corinthians e Salem Júnior pelo Palmeiras. - abraços - Pedro Luiz -. Enviado por Pedro Luiz Boscato - [email protected]
Publicado em 17/08/2010 Voltando a pessoa de dois nomes que citei, Arnaldo, ela trabalhou com documentos do primeiro nome, nem sabia do segundo. Posteriormente, arrumou outro emprego mas com o segundo nome, disseram que esse era o correto. Aposentou com esse nome. Com as mudanças de Lei, ganhou direito de se aposentar por idade com o primeiro nome, porém, não quis saber, mesmo sendo informada que teria conserto, provariam tratar-se da mesma pessoa. Porém, achou que daria problema, não quis e detestava falar no assunto. Enviado por Pedro Luiz Boscato - [email protected]
Publicado em 16/08/2010 Arnaldo, bobearam e furtaram o Furtado de seu nome. Meu tio deve saber quem foi. Parabéns! Enviado por Florisvaldo Lopomo Sobrinho - [email protected]
Publicado em 16/08/2010 O Muniz que conheci, foi o Otavio, locutor esportivo da radio pan-americana dos anos 1950-60. Corinthiano roxo. Era ele que apresentava Corinthians em revista. Enviado por Mário Lopomo - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »