Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas Anos 40 em Santo Amaro Autor(a): Ary Quintas - Conheça esse autor
História publicada em 19/11/2009
O ano era 1942, tinha eu apenas 11 anos de idade. Quando para cá mudei, mais especificamente para Rua Capitão Thiago Luz. Mais conhecida na época, por Rua "Direita", 108 bem no meio, onde meu
pai instalou nossa primeira loja de calçados em Santo Amaro.

Ali permanecendo por vários anos, até mudarmos para o Largo Treze de Maio, em 1950. O bairro era um lugar calmo, com povo pacato, ordeiro e muito religioso, comparecendo assiduamente aos eventos e festas religiosas. Não só nas Procissões organizadas pela Igreja Matriz, como também nas quermesses, que eram realizadas no Largo Treze de Maio, onde barracas eram instaladas.

Havia barracas de doces e quitutes, de prendas, de leilões. O leiloeiro era seu o Sr.Belegarde. A Banda de Música, dirigida por "Zequinha Fraga", que a todos brindava com músicas alegres.

Lembro bem dos vizinhos da Rua "Direita". Bem em frente a nossa casa tinha a “Quitanda e mercearia” do Sr. Bruno Cavinato, pai do "Didi" meu colega de infância, outros vizinhos tive a oportunidade de citar em outra narrativa.

Outra lembrança que vem a memória era sobre o ponto de táxi do Largo Treze, composto por vários profissionais, tais como; Sr. Sinego, Sr. Pedrinho Lima, o Sr. Ademar, mais conhecido por "Demarzinho”, cujo veiculo era um Ford 1929. Sendo ele um dos poucos a fazer viagens longas como, por exemplo; ir a Itapecerica ou Parelheiros, em tempos de chuva, onde as estradas ficavam intransitáveis pelo barro.

Mas para o Sr. Demar, não tinha problema, pois usava correntes nas rodas, e cumpria seu trabalho, brilhantemente.
Enfim, estas são minhas lembranças, deste bairro que muito admiro, e amo.


E-mail do autor: [email protected] E-mail: [email protected]
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 01/12/2009 Oi Vô!!! Adorei a história.

Beijos

Talita
Enviado por Talita - [email protected]
Publicado em 27/11/2009 Sr.Quintas, belo história sobre nosso bairro. Meu pai sempre que podia passava nas Pernambucanas da rua "Direita", prá comprar um tecido prá me fazer um vestido. Dá vontade de voltar Santo Amaro do jeitinho do seu texto. Hoje tristemente vemos tanto lixo espalhado pelo Largo 13 de Maio, quando vem a chuva e o vento vai tudo pro bueiro e querendo ou não é recebido pelo nosso Rio Pinheiro.E não há meio de evitar isso. Abraços. Alaide Enviado por Alaide Santos - [email protected]
Publicado em 22/11/2009 O Senhor tem muitas historias para contar sobre Santo Amaro
Aguardamos novos relatos sobre o Bairro.
Abraço
Beto
Enviado por Luiz Roberto - [email protected]
Publicado em 20/11/2009 Ary, acho que não sou o mais velho da "troupe" SPMC. Vc. é de 1931, eu, do 32. Portanto, vc. vai arcar com as responsabilidades dos mais velhos, sevir de exemplo a essa garotada toda. Seu vigoroso texto é uma amostra do que virá dessa prodigiosa memória. Parabéns, Quintas.
Laruccia
Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 20/11/2009 Olá sr. Ary sou uma fã das historias de Santo Amaro de outrora, principalmente agora que a chegada da modernidade nas estações do Metro estará cada vez mais descaracterisando nosso bairro. Enviado por rita cassia oliveira - [email protected]
Publicado em 20/11/2009 Belas lembranças. Enviado por Mário Lopomo - [email protected]
Publicado em 20/11/2009 Sr.Quintas, mais um depoimento do grande e importante bairro de Santo Amaro, com suas peculiaridades e sua gente boa, ordeira e religiosa. Grande abraço. Bernardi. Enviado por Ernesto Bernardi - [email protected]
Publicado em 19/11/2009 MUITO LEGAL, GOSTEI, CONTINUE ESCREVENDO, BEIJOS Enviado por eliete - [email protected]
Publicado em 19/11/2009 Dr. Ary, em 42 sequer tinha nascido ainda. Sei que você é um dos mais expoentes santamarense e um
dos advogados mais ilustres de Santo Amaro. Nas reuniões familiares você é uma pessoa que todos ouvem para "escutarem" as histórias de nosso querido Santo Amaro de antanho. Ary é meu concunhado, sou meio suspeito, até. Ary, um grande abraço à você e Helena e parabéns pela excelente narrativa. Asciudeme.
Enviado por asciudeme joubert - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »