Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas São Paulo, um paraíso Autor(a): Adel Auada - Conheça esse autor
História publicada em 20/10/2009
O bairro do Paraíso, nos anos de 1940/1950, foi o cenário da transição da minha infância para a juventude.

Meus avós, imigrantes libaneses, moravam na Rua Cubatão. Era impressionante o número de sírios e libaneses que habitavam aquela região. Do começo da rua, junto à Alameda Santos, até o seu final na Avenida Rodrigues Alves, encontravam-se os Cury, Azem, Younes, Jabra, Safady, Chap Chap, Haddad, Antibas, Kairalla e muitos outros, vindos de Homs, Alepo, Damasco, Beirute, Zahle, Marjayoun, Rachaia, Mimes, enfim, de todas as cidades, vilas e povoados daquela parte do Mediterrâneo.

Brincávamos que havia, também, estrangeiros no bairro; eram os Conti, Viana, Azevedo, Bullara, Soares, entre outros.

Aos domingos, caminhando pelas ruas do Paraíso, sentia-se o perfume dos temperos que eram usados para o almoço típico dos árabes: o cheiro do zattar, da hortelã, da manteiga derretida, da esfiha saindo do forno e do pão quentinho.

Aos poucos, as famílias foram crescendo e ocupando outros espaços.

Os primeiros imigrantes tinham sua residência próxima ao local de trabalho; Rua 25 de Março e Parque Dom Pedro II. Mudaram-se, depois, para o Paraíso. E, mais depois, foram se espalhando por toda São Paulo.

Daqueles tempos, sobreviveram no bairro, a Sorveteria Alaska, na Rua Rafael de Barros, já com quase cem anos de existência; a Panificadora Viana, com 70 anos, na Avenida Bernardino de Campos e a magnífica Catedral Ortodoxa, na Rua Vergueiro.

Ficaram na memória os Cines Paraíso, Leblon, Cruzeiro e Fênix; a Panificadora ABC, ponto do chope dos domingos; o Campo de Futebol dos Olímpicus (Hoje Avenida 23 de Maio) e os Colégios Ipiranga, Oriental e Ateneu Paulista.

Velhos tempos de São Paulo, sempre lembrados, maravilhosos!

(O texto original, em árabe, está em "Leia histórias de São Paulo em outros idiomas")
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 02/11/2009 ADEL AUADA,QUE GRANDE PESSOA TU ÉS,SEMPRE SORRIDENTE ,POIS TRADIÇÃO DO BERÇO É HERANÇA,POIS DESDE MEUS 16 ANOS QUANDO AJUDAVA MEUS PAIS NO BRAZ , NA CANTINA,TINHAMOS A HONRA DA VISITA SUA E EXMA FAMILIA,NOS ALMOÇOS DE DOMINGOS,POIS VINHA DO PARAISO PARA SABOREAR O GNOCCHI,O FUZZILLI COM PORPETAS,HOJE NO TURISMO NOS ENCONTRAMOS,NO FEIJÃO AMIGO SEU E DO MICHELÃO,OUTRO GRANDE ,NA FENACTUR,NA FHORESP,ENFIM NESTA SÃO PAULO MINHA CIDADE,DOS VELHOS TEMPOS E ATUAIS. PARABENS PELO TEXTO.CHIAPPETTA Enviado por domingos ricardo chiappetta - [email protected]
Publicado em 27/10/2009 Conheço os lugares que vc menciona, inclusive me lembro da padaria ABC e será que vc quer dizer Ateneu Brasil ao inves de Ateneu Paulista? Enviado por lygia - [email protected]
Publicado em 22/10/2009 Auada, fiquei feliz em ler o seu texto. Coisa mais bonita. E você deve ter tantas lembranças para nos contar... Não seja egoísta. Conte-nos!(risos). É bom ler sobre essa comunidade que tanto faz e fez por São Paulo. Abração, Natale. Enviado por Wilson Natale - [email protected]
Publicado em 21/10/2009 Vc. tem razão, Auada, tive (e tenho) muitos amigos Libaneses (cognonimados, erroneamente, de sirio-libanês)e posso fazer um paralelo com a origem, muito merecida de o Líbano ser considerado como a Suissa do Oriente. Gratificante recordação, parabéns.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 20/10/2009 Adel, o Bixiga faz fronteira com o Paraiso e os Jardins e lá temos os Chaebo's, Maita's, Tatari's, Aziz, Ahmed's e outros bons patrícios que muito ajudaram no crescimento e desenvolvimento de São Paulo e do Brasil. Alah te abençoe. Nelson Enviado por nelson de assis - [email protected]
Publicado em 20/10/2009 Belas lembranças de um Paraiso Perdido ! Enviado por Luiz Simões - [email protected]
Publicado em 20/10/2009 Adel.Eu era assíduo frequentador das confeitarias Catedral e Jaber,quando morava na Vila Mariana. A maioria dos meus colegas de escola, de origem árabe, morava no Paraíso. Enviado por Tony Silva - [email protected]
Publicado em 20/10/2009 MOREI MUITOS ANOS NO BAIRRO DO PARAISO,
RUA TUPINAMBAS, E RUA APENINOS.
LEMBRO DO CINE VERGUEIRO, LEBLON, CINE PHENIX,
CRUZEIRO, DAS DELICIOSAS ESFIHA DO JABER.
LINDOS TEMPOS.
Enviado por joao claudio capasso - [email protected]
Publicado em 20/10/2009 Caro Adel: Excelente texto! Parabéns! A Colônia
Libanesa também ajudou muito São Paulo e o Brasil
a crescer.Foi aqui que os Libaneses se aculturaram
mais(a Colônia hoje é numericamente o dobro da
população do Líbano) e implantaram preciosidades
que vão muito além da suculenta culinária.
Benvindos os seus comentários: trabalhei
na Vila Clementino e sou testemunha de tudo o que Você relatou. Abraços.Laerte.
Enviado por LAERTE CARMELLO - [email protected]
Publicado em 20/10/2009 Grande Adel Auada. Presidente de honra do Clube do feijão Amigo. Seja Bem vindo. Enviado por Mário Lopomo - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »