Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares Um bairro chamado São Paulo Autor(a): Álvaro Ferreira Marujo Jr. - Conheça esse autor
História publicada em 14/07/2009
...estas são para os jovens até 50 aninhos de idade.

Nascido no Ipiranga, Independência ou morte, em 1953, optei por Independência e aí começa tudo.

Naquela época eu ia para a escola a pé, e nada acontecia, ou melhor, às vezes tinha que bater recordes de velocidade para escapar dos caninos de qualquer vira latas... Esta era a violência que sofríamos na época... Que saudades!

Naquela época eu, às vezes, e quando sobrava algum dinheiro, subia no papa filas e ia até a Vila Mariana tomar um sorvete... Não sabe o que é um papa filas? Era uma carreta que ao invés de puxar uma carroceria puxava um ônibus, imaginou? Que saudade!

Naquela época o Museu do Ipiranga, o monumento, o museu dos bichos eram marcos respeitados e muito visitados pelos jovens estudantes à procura de respostas para perguntas que fatalmente iriam enfrentar nas escolas estaduais - claro, pois elas eram mais rígidas que as particulares, acredite se quiser! Que saudade!

Naquela época os jogos da Primavera, promovidos pelo Clube Atlético Ipiranga, eram aguardados pelo ano todo, pois lembravam as grandes batalhas históricas, mas aqui eram esportivas, sem violência e entre as escolas da região... o máximo! O grande médico infectologista David Uip era na época figura comum nestes jogos... Que saudade!

Naquela época fui crescendo e começando a sair do bairro, destino Aclimação, com seu parque que permitia a pesca nas margens, o grande Riviera, cinema de primeira (hoje igreja evangélica que desabou o teto) e, como ninguém é de ferro, o A Chapa já existia e servia o melhor cheese salada do mundo... Que saudade!

Naquela época o Cambuci tinha o largo que recebia o Volpi, pintando suas bandeirinhas entre uma história ou outra ao lado do Andoh barbeiro, que demonstrava suas tesouradas nos clientes que sentavam ao meio fio em troca de moedinhas para aquela cachaça estabilizadora de seus movimentos, imagina só... Que saudade!

Naquela época, indo e descobrindo os outros lugares, chegamos na melhor rua, na mais badalada rua, na rua por onde desfilavam Roberto Carlos, Wanderlea e às vezes o Ronnie Von, a Rua Augusta, cheia de Mustangs, Camaros e Cougars, os mais desejados bólidos americanos, rua que tinha a Galeria Ouro Fino, que vendia a preços de ouro as famosas calcas New Man, Lee, Levis Strauss e Fiorucci, desejadíssimas pela galera endinheirada. E para receber estes e outros carrões o prefeito e os lojistas carpetaram dois quarteirões da Augusta, da Oscar Freire até a Lorena, com carpetes quadriculados e coloridos, tentem imaginar isto... Que saudade!

Naquela época o único shopping era o Iguatemi, na Faria Lima, sempre servindo os ricos e famosos dos Jardins, aliás, na Faria Lima os jovens promoviam os rachas de carros na frente do Iguatemi e do Rick Store, que servia o melhor crepe da região... Que saudade!

Naquela época chegaram as garotas que caíam na nossa lábia e embarcavam nos Opalas, Mavericks V8, Galaxies, Pumas e Gordinis e iam receber nossos amassos dentro do Parque do Ibirapuera, estacionados embaixo das árvores e perto do Coca Cola, que era a única lanchonete que existia dentro do parque para suprir os mais famintos, lá todas as arandelas e lustres eram feitos de garrafas de vidro da Coca Cola... Que saudade!

Bem, chega de histórias, pois como São Paulo ainda era uma cidade sem violências e sem fronteiras e a minha zona sul mais parecia um grande bairro cheio de diversão e entretenimentos, eu ficaria até amanhã lembrando mais coisas da minha infância e adolescência.

Sinto muito se você não passou por tudo isto, não ouviu Beatles e Rolling Stones, não comprou revistas mostrando o festival de Woodstock na banca de revistas importadas do aeroporto de Congonhas (só tinha ela), não comprou discos de vinil das melhores bandas do mundo na HiFi, ou no Museu do Disco na Augusta, não desfilou na Augusta e Paulista com uma calca Lee empurrado por um autêntico V8 de 300 HP e conversível... Que saudade da minha zona Sul, da minha cidade que um dia já foi calma e suave... Que saudade da minha zona sul de São Paulo.

e-mail do autor: [email protected] E-mail: [email protected]
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 25/09/2009 Marujo,
Creio ser seu contemporaneo, eu participei de varios jogos colegials, que tinha o forte time do alexandre de gusmão, são carlos, entre outros.
O Davi Auip sempre encontro nos eventos do clube Sirio, tento me lembrar, nunca perguntei para ele, mas acho que é ele que frequentava a farmacia da silva bueno, quase esquina da Labut, onde tinha a padaria, tinhamos uma turma que se encontrava lá, alguns nomes o Fred dos calçaldos ao lado dapadaria,pb,nicolau,vado,delei, que tocavam um sambão.
Enviado por Claudio Castilho - [email protected]
Publicado em 20/07/2009 Naquela época quaquer Zé Migué que tinha um fusca ou um gordine, pegava mulher. Como tinha Maria Gasolina, querendo carona. Muitos foram namorar no Ibirapuera, tiveram a namorada estuprada e, quem reagiu apareceu boiando no lago. Enviado por Mario Lopomo - [email protected]
Publicado em 15/07/2009 Álvaro, quanta lembrança boa! Por ordem cronológica: frequentei o Parque da Aclimação, andei de papa-fia, ia sempre ao cine Riviera, estudei no primário com um filho do Volpi, cabulei aula no Roldão para ir aos Jogos da Primavera, comia no A Chapa, dei meus amassos no Ibira e comprei muitos vinis no Museu do Disco.
Portanto, EU VIVI!
Enviado por Tony Silva - [email protected]
Publicado em 15/07/2009 Sr.Marujo Jr., São Paulo, uma cidade inesquecível, hoje e sempre. Parabéns. Bernardi. Enviado por Ernesto Bernardi - [email protected]
Publicado em 15/07/2009 Marujo, eu tb não era marinheiro de primira viagem, e curti muito disto. Hoje, para mim, sair de casa à noite é raro, e com mil cuidados. Enviado por Luiz Simões - [email protected]
Publicado em 14/07/2009 LA NA REGIÃO DA FARIA LIMA TINHA TAMBEM A DISCOTECA "PAPAGAIOS" QUE ÉRA UMA LOUCURA, LOUCURA, LOUCURA-VALEU. RUBÃO Enviado por RUBENS ROSA - [email protected],BR
« Anterior 1 Próxima »