Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas Vila Maria baixa - Igreja da Candelária Autor(a): Luiz Ramos - Conheça esse autor
História publicada em 17/05/2006
Nos anos 70, a Vila Maria baixa era meu lugar preferido em São Paulo. Aquela velha Guilherme Cotching, arborizada, bonita; a praça Santo Eduardo e lá no fim da rua a Igreja da Candelária me transmitiam uma sensação de segurança. Aparentemente, nada mudou tanto assim, porém, quando observamos atentamente velhas fotografias, percebemos que mudou sim e mudou muito.
Tudo muda e isso é o natural da vida, claro; O importante é que não caia no esquecimento.
Uma coisa que gostava no bairro eram os nomes das ruas, ou da maioria delas, como Araritaguaba, Amambai e outras com nomes assim, exóticos (claro que a garotada em fase de alfabetização devia sofrer muito com isso). Não gosto de ruas com nome de pessoas, prefiro nomes mais criativos.
Esta Vila Maria de que falo, com a Praça Santo Eduardo ao centro, era a artéria principal, o cartão de visita pós-Tietê, para quem se dirigia à Vila Conceição, Jaçanã, Parque Novo Mundo etc. É claro que havia muitos outros caminhos, mas era o mais gostoso,embora, talvez, não fosse o mais prático, como não é hoje.
Se eu fosse fazer um mapa dos pontos que me trazem saudade em São Paulo, traçaria esse mapa a partir de rua Catumbi, cruzaria a ponte da Vila Maria (rebatizada com outro nome, mas o nome original é que está no coração do povo), seguiria a Guilherme Cotching até a candelária. À esquerda, a Sociedade Paulista de Trote; à direita, aquelas ruas todas que desembocam na Dutra. O campo da FRUM.
Avenida Conceição; das Cerejeiras; Cosmorama; Praça da Alegria; Roland Garros; Luiz Stamat.
Aí, alguém me diria, mas este mapa existe; estas ruas estão lá. Porque não as visita?
E eu responderia: Estão mas não estão; são mas não são, ou eu que já não sou?
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 23/05/2011 quantas verdades em tão poucas palvras mas que nos traz a mente velhos tempos maravilhosos,nada se compara ao antigo footing,na avenida,a saida da missa das 11,o meu JESUS, como o tempo passou rapido. Enviado por antonio carlos de castro - [email protected]
Publicado em 12/05/2011 Morei na VL Maria de 1981 à 1989. Estude no Afrânio Peixoto, Paulo Egydio e o CECA, anos
escolares inesquecíveis. Muita alegria!!! Todo éramos "duros de grana" mas, íamos à escola para esdudar (normal, né! ), nos divertir e descobrir amigos e histórias para lembrarmos eternamente. As gargalhadas daquela época ecoam na minha mente até hoje. Meu querido filho se diverte com as histórias da minha vida. Hoje tenho 4.4 de idade já encontrei alguns amigos dessa época, vc é um deles?
Enviado por vera regina m. quintino - [email protected]
Publicado em 12/05/2011 Realmente, a nossa Vila Maria Baixa, da Av. Guilherme Cotching, era uma delícia. Lembro-me sobre um cinema da Avenida, do qual brinquei alguns carnavais, e foi nessa avenida,onde existiu a padaria Bonanza, da qual o meu primeiro namorado frequentava, e tambem mais acima dessa avenida, indo em direcäo a igreja da Candelária, havia a Casa do Estudande, onde nos finais de semanas tinha os bailinhos, que ao lembrar, me vem na mente o Zezinho, meu primeiro namorado, seu apelido era Zé Loiro,seu irmäo Ademar, se alguem puder me informar sobre ele, ficaria muito abradecida, pois gostaria muito de saber a seu respeito.
beijos pra todos.
Aguardo um contato.
Enviado por maria jose saluceste - [email protected]
Publicado em 12/05/2011 Realmente, a nossa Vila Maria Baixa, da Av. Guilherme Cotching, era uma delícia. Lembro-me sobre um cinema da Avenida, do qual brinquei alguns carnavais, e foi nessa avenida,onde existiu a padaria Bonanza, da qual o meu primeiro namorado frequentava, e tambem mais acima dessa avenida, indo em direcäo a igreja da Candelária, havia a Casa do Estudande, onde nos finais de semanas tinha os bailinhos, que ao lembrar, me vem na mente o Zezinho, meu primeiro namorado, seu apelido era Zé Loiro,seu irmäo Ademar, se alguem puder me informar sobre ele, ficaria muito abradecida, pois gostaria muito de saber a seu respeito.
beijos pra todos.
Aguardo um contato.
Enviado por maria jose saluceste - [email protected]
Publicado em 10/05/2011 OLÁ LUIZ EU CONHECI A VILA MARIA NO ANO DE 57 MOREI
LÁ ATE 70 QUANDO MUDEI PARA GUARULHOS MAIS NÃO ESQUEÇO NUNCA DA MINHA VILA QUERIDA NEM DAS MINHAS
TARDES DE MATINE NO CINE CANDELARIA E CENTENARIO
AONDE EU CONHECI A MULHER QUE EU AMO ATE AGORA
AINDA ESTOU SOLTEIRO ATE HOJE ESPERANDO ELA POIS
NAÕ SEI AONDE ELA MORA SEI QUE ELA TAMBÉM NÃO CASOU SE ALGUÉM SOUBER AONDE ELA MORA POR FAVOR
ENTRE EM CONTATO COMIGO O NOME DELA É FÁTIMA DE
JESUS LOPES OBRIGADO A TOUDOS QUE AMAM A NOSSA VILA MARIA
Enviado por manoel pereira - miname,[email protected]
Publicado em 29/04/2011 Querido Luiz
Talvez a gente até se conheça. Estudei no Paulo Egídio de 1970 a 1974. Foram os melhores anos da minha vida. Estudávamos eu e o meu irmão Rogério. Morávamos no Parque Novo Mundo, onde meu pai tinha uma farmácia no ponto final do onibus. Não posso esquecer de alguns amigos, como Humberto ( meu primeiro namorado), Sonia e Beth (irmãs), Neide, Dilson (hoje medico), Nelsinho (irmão do Dilson), Marcos Antonio Castralle, Artur (meu primeiro marido e pai da minha filha mais velha),Wagner, Silene, Sonia,Gerson (padrinho do meu aniversario de 15 anos), Sueli ,Gina, Rita Pinto, Morgado, Maria Emilia, Zelão, Julio Falcão, Irene,Sidnei, Chiquinho (irmão do Sidnei), Adilson, Celso, Tabajara,Walter, Milton Batata que foi um dos meninos que dançou a valsa dos meus quinze anos no Clube Vila Maria e tantos outros. Os bailes e festas juninas do Paulo Egídio, as domingueiras no Vila, os bailes no Colégio Sion, os bailinhos na casa do Wagner com os beeges tocando, as missas na Candelária no domingo de manhã.Os professores do Paulo Egydio; Etuko (desenho geométrico), Vidal (Frances),Carlos ( Ciências e Física), Maria Aparecida (Portugues), Maria Cecília (diretora). O sinal que era uma musica, as olimpíadas, onde a escola era dividida por cores, os festivais de musica no anfiteatro o KITA ( aluno expulso na época ihihih) Chorei lendo as histórias, que saudade.....Quanto tempo... Hoje moro em Santos e morro de saudade......
Enviado por Rita de Cassia Alves - r[email protected]
Publicado em 29/04/2011 sou de 1955....sempre na vla maria....saudades do imperatriz leopoldina....do paulo egidio...e, da antiga escolas agrupadas do jardim japao.....hje d pedro 11.........minha querida praça da alegria......saudades dos meus amigos de infancia...davi..picoia..armando..palhinha....neia....ricardo(beleza)..edinho in memorian.......toninho..binao....roque.....zaz traz.....e muitos que infelizmente esqueci o nome.....alo praça da alegria.......ti amo Enviado por roberto antonio vieira - [email protected]
Publicado em 29/04/2011 ei vla maria meu amor....saudades de quando eu era guarda miruim na candelaria....saudades quando ainda nem existia tomaz mazzoni......saudades da frum...do flamengo...do vla.....saudades da praça da alegria......meu coração explode de alegria quando falo da vla maria........hje estou aqui em s j rio preto......distante de sampa...mas, meu coração na vla maria ainda bate.....sempre vla.... Enviado por roberto antonio vieira - [email protected]
Publicado em 28/04/2011 saiu no jornal em 75 http://acervo.folha.com.br/fsp/1975/7/25/2/4403583 Enviado por wagner - [email protected]
Publicado em 13/04/2011 rEstudei no João Vieira, na época que as carteiras eram cobertas com capas brancas feitas por nossas mães e nosso lanche guardados em um saquinho feito de pano, bordado com nosso nome e série. O ginasial feito no CESPEOC, com aulas de frances( não me lembro o professor), o Rafael de matemática , sua esposa Marina, e a outra Marina de geografia, nasci na Vila Maria, mais precisamente na Itauna, e vivi até me casar na Gávea, minhâ infancia e adolecencia nunca foram esquecidas. Enviado por marisa negri frediani - [email protected]