Leia as Histórias

Categoria - Personagens Ah, como me lembro Autor(a): Angel Lopez Vidal - Conheça esse autor
História publicada em 25/06/2009
Ah, como me lembro, eu ficava grudado no rádio ouvindo as discussões acaloradas, do corintiano José Italiano e do santista Peirão de Castro.

Aliás, por falar em Galvão Bueno, se não me engano foi num concurso da Gazeta para descobrir novos talentos que aparecerem o Galvão Bueno e o Flavio Prado.

Mas antes desse tempo, ou até paralelamente, não esqueço a saudosa equipe 1040 da Rádio Tupi de São Paulo. Haroldo Fernandes, Alfredo Orlando, Antonio Rangel, Avila Machado, Milton Camargo, Lucas Neto, Victor Moran, José Carlos Cicarelli, Marco Antonio, Manoel Ramos e José Roberto Ramos. Acho que não esqueci ninguém.

Naquele tempo, décadas de 60 e 70, o rádio era, como era pra muita gente, um fiel amigo. Como esquecer Pedro Luiz, Mário Moraes, Joseval Peixoto, Fiori Giglioti, Mauro Pinheiro, Borghi Junior, Candido Garcia, Jorge de Souza, Luciano do Valle (como locutor da Rádio Nacional) Geraldo Blota e tanto outros. Como esquecer um Corinthians de Aldo, Augusto, Eduardo e Ari; Amaro e Oreco; Marcos, Silva, Nei, Ferreirinha e Lima. Não que fosse um timão, mas era a escalação de quando eu comecei a gostar de futebol. E vou ficando por aqui, senão...

e-mail do autor: [email protected] E-mail: [email protected]
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 12/06/2010 Frequentei a academia de ginástica do Jorge Amaral de 1968 a 1972, que era nos altos do antigo cine Guarujá, na Av. Santo Amaro. Seu nome real era Antonio Franco Altenfelder Silva, médico pela USP, nascido em 1912 e falecido em 1979. Enviado por Marco Antonio Vazzoler - [email protected]
Publicado em 29/06/2009 Vidal, se não me engano, o Galvão Bueno, começou como radialista, num programa de esportes da radio Gazeta, junto com Milton Peruzzi, José Italiano, Wilson Brasil. O nome do programa era... Disparada no Esporte. Ele já se dizia Flamenguista de coração e Santista por opção.
Um abraço/ Bernadete
Enviado por Bernadete Pedroso de Souza - [email protected]
Publicado em 29/06/2009 Larry Coutinho, eu lembro do Jorge Amaral transmitindo futebol pela TV Tupi, na época Canal 3. Jorge Amaral transmitia, Ary Silva comentava e Augusto Machado de Campos - Machadinho - era Repórter Volante. Quando a bola atirada ao gol ia fora, ele falava: "Pela linha de gol!". Ele tinha Academia de Judô? Ainda há não muito tempo foi falado nele, num dos programas de rádio, sendo dito que ele estava no interior. Verdade isso? - abraços - Pedro Luiz - Enviado por Pedro Luiz Boscato - [email protected]
Publicado em 29/06/2009 Bernardete, realmente, o Galvão Bueno começou como Radialista, na Rádio Gazeta, ele comentava jogos. Foi aprovado num concurso da Gazeta presidido por Roberto Petri. Este opinou favoravelmente ao Peruzzi para sua contratação, dizendo que o mesmo tinha qualidades. Isso o Petri falou numa entrevista concedida ao Milton Neves quando este ainda estava na Jovem Pan, eu ouvi o programa, Plantão de Domingo, Petri estava comemorando cinquenta anos de carreira. Abraços - Pedro Luiz Enviado por Pedro Luiz Boscato - [email protected]
Publicado em 28/06/2009 Sr.Vidal, longe de ser anacrônico o rádio é ainda o grande meio de comunicação neste nosso país continental. Os locutores esportivos foram e são companheiros próximos como que membros da família, como o colossal Fiore. Parabéns pelo relato. Bernardi. Enviado por Ernesto Bernardi - [email protected]
Publicado em 27/06/2009 Angel.
Quando a TV TUPI começou a transmitir jogos de futebol, o locutar era o Jorge Amaral. Nome artístico do doutor Jorge Altenfelder Silva, de quem fui amigo. Era ótimo locutor esportivo e excelente humorista quando estava com amigos. Às vezes gostava de brincar, transmitindo um jogo sob o ponto de vista da ...bola! Tipo: Alguém chuta e a bola sobe. Desce. Corre para a direita. Leva um pontapé na orelha! Desvia para a esquerda... será que alguém lembra do Jorge Amaral? Abraços Larry.
Enviado por Larry Coutinho - [email protected]
Publicado em 26/06/2009 Vidal, parabéns duas vezes, uma por ser corintiano e outra pela narrativa. Faltou o grande Geraldo José de Almeida, e o meu Corintians começou antes do seu, era 1948, Bino Bomingos e Belfare, Palmer,Helio e Aleixo, Claudio,Baltazar, Servilho, Nenê e Noronha. e ainda me lembro do Teleco e do Valussi que mais tarde virou Juiz conhecido Como Anacleto Pietrobom , mas não me lembro da escalação do TIMÂO dessa época. Enviado por Arthur Miranda - [email protected]
Publicado em 26/06/2009 Arthur Miranda, é isso aí, depois de jogar no Corinthians, Comercial F.C. da capital e Juventus, Anacleto Pietrobon, o conhecido Valussi, ficou famoso como árbitro, sendo considerado, em oito anos dos doze que atuou, o melhor árbitro do futebol brasileiro. O irmão dele, Dante Pietrobon, conhecia barbaridade de futebol, ele que lançou Roberto Belangero, Luisinho, Rafael Chiarella e Cabeção no Corinthians. Segundo Luisinho, só pelo andar, Dante já sabia se o jogador tinha ou não futuro. Enviado por Pedro Luiz Boscato - [email protected]
Publicado em 25/06/2009 Caro Vidal, acho que faltaram, o Walter Abraão e o rabugento Geraldo Bretas....o meu Corinthians era um pouco antes do seu...Cabeção, Murilo e Julião, Idário, Touguinha e Roberto, Claudio, Luizinho, Baltazar, Carbone e Mario....bi-campeão paulista 51/52...abraço,Beira Enviado por José Camargo Beira - [email protected]
Publicado em 25/06/2009 ANGEL, BOÂS LEMBRAMÇAS, ANTIGAMENTE OS RADIALISTAS
DIZIAM PARA QUE CLUBE ELES TORCIAM.
HOJE DIZEM QUE SÂO PROFISSIONAIS.
QUANDO EU COMEÇEI O CORINTHIANS, ERA GILMAR,
HOMERO E OLAVO, IDARIO GOIANO E ROBERTO.
CLAUDIO LUIZINHO, BALTAZAR, CARBONE, E MARIO.
VALEU, UM ABRAÇO.
Enviado por joao claudio capasso - [email protected]
« Anterior 1 2 Próxima »