Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas Uma deusa na Água Fria e na minha vida Autor(a): Alceu Natali - Conheça esse autor
História publicada em 08/05/2009
O bairro da Água Fria é uma pequena galáxia situada no quadrante norte do universo de São Paulo. Seu núcleo é denso, um mar de vida singrado pela avenida homônima, que começa lá em cima, no alto de Santana, onde também começa a Avenida Nova Cantareira, e termina, de novo lá em cima, no Barro Branco, onde também chega a mesma Avenida Nova Cantareira. Só mesmo as dobras da teia do espaço curvado pela massa humana, pelo asfalto e pelo concreto podem explicar os encontros, desencontros e reencontros destas duas avenidas pertencentes a bairros distintos.

De 1959 a 1975, eu morei na ponta de um dos tênues braços espiralados deste pequeno aglomerado. O sistema solar onde eu morei tem um nome peculiar: Corneteiro Jesus. Todos os seus habitantes, desde os mais antigos até os de hoje, chamam-no, erroneamente, de Corneteiro de Jesus, fazendo os sistemas vizinhos pensarem que o nome se refere a um anjo que anuncia o retorno do discípulo do João Batista com uma trombeta. Jesus era um soldado do quartel do Barro Branco que, segundo a lenda, nunca deixou de cumprir seu dever uma única vez sequer durante o seu tempo de serviço: soar sua corneta todos os dias às 5 horas da manhã para acordar o regimento.

Um sistema vizinho, a Rua Albuquerque de Medeiros, apelidada de Mambuca, era o nosso maior rival, ou melhor, rival somente da garotada no futebol. As teimas eram tiradas num território inexplorado e desolado além dos limites da galáxia, chamado Carne Seca, considerado um campo neutro, mas, na verdade, era mesmo um reduto distante dos Mambuqueiros e dominado por eles. Hoje, imaginem vocês, o famigerado Carne Seca deu lugar ao refinado bairro Jardim França.

Mas o meu sistema não vivia só da rivalidade com a Mambuca. Tinha muita tradição e muita história. Jogos olímpicos eram disputados todos os anos, de Janeiro a Dezembro, à maneira dos Gregos, só pelos machos, mas não desnudados, enquanto que as fêmeas tinham permissão para assistir só a alguns poucos jogos e de longe. Tinha época certa para cada tipo de modalidade: o jogo de botão; o de futebol; o de taco; o triângulo, o box e o mata-palmo com bolinhas de gude; o roda peão; a caça aos quadrados com cortante; a caça ao balão para não ficar pagão; o tiro ao alvo com estilingue e mamona; o bate figurinhas e a corrida de carrinhos de rolemã. Estranhamente, as artes marciais eram sempre praticadas à noite, e sem a violência dos dias atuais: Mana Mula e Balança Caixão. Era estranho também que somente à noite os meninos se enturmavam com as meninas e com elas praticavam alguns esportes amadores meio efeminados: Amarelinha, Passa Anel, Cobra Cega e Queimada. No entanto, até onde sei, nenhum cravo saiu do relacionamento com estas flores com perfume de rosa.

Já era época de acasalamento para os garotos, mas para as garotas eram apenas tempos de flertes, e, para mim, flertar era enviar um bilhetinho e, com sorte, conseguir um aceno de mão delicada à distância. Isso mudou com a inesquecível Marcia, que morava noutra galáxia chamada Jardim São Paulo e comigo estudou noutra ainda bem maior e mais distante chamada Jaçanã. A Marcia me ensinou a namorar, a beijar e a me fazer imaginar o que eu poderia tentar com as três beldades mais cobiçadas do meu sistema. A Tânia era a mais provável, a mais liberal, aquela que, dizia-se, gostava de mim, mas ela raramente se aventurava além dos limites de seu planeta, onde ela nunca me recebia sozinho, mas só acompanhado de outros amigos. A Maria parecia impermeabilizada pela frescura e arrogância. Sempre pensei que ela usava estes escudos como mecanismo de defesa para sua insegurança. Enganei-me. Na verdade, ela era exigente e muito autoconfiante. A Lucia era recatada demais. Ela parecia estar se preparando para entrar num convento de freiras. Enfim, jamais consegui arrancar um simples beijo, nem do tipo selinho, de qualquer uma das três. Pensei, então, que eu só fosse encontrar outras encantadoras alienígenas como a Marcia fora de minha Galáxia nanica.

Mas um dia, surgiu uma nova habitante nas imediações da Corneteiro. Um garota linda, de 18 anos, dois a mais do que eu, mas com um olhar penetrante e sensual de mais de 21. Nem parecia ser da minha espécie de tão adorável e atraente. Parecia uma deusa. Mesmo com toda aquela formosura, era humilde e discreta. Era pobre e precisava trabalhar para ajudar em casa, e logo arrumou um emprego na farmácia Santa Luzia, na movimentada Avenida Água Fria. Ela fixou residência perto da Maria e com ela fez amizade. Certa ocasião, surpreendentemente, a Maria veio ter comigo e me disse que aquela deusa queria conhecer o simpático turquinho que ela via passar pelo larguinho com sapatos brancos da Arco-Flex. Minha bela napa havia confundido a deusa, pois meu nariz não vinha da capital do império romano do oriente e nem mesmo da capital do império do ocidente de onde descendo por parte de pai. Ele veio do meu lado materno espanhol.

Amor à primeira vista é assim: nossa primeira troca de olhares selou o mais apaixonante e empolgante namoro que eu tive em toda minha vida. Por essa deusa, eu abandonei as olimpíadas diurnas e as brincadeiras noturnas, e passei a me dedicar mais à poesia e à música. Tornei-me um trovador.

Minha deusa fazia questão que eu fosse buscá-la na farmácia todos os dias nos finais de tarde. De mãos dadas, começávamos a subir a Rua Altinópolis, lentamente, esperando a noite cair como um véu sobre nossa intimidade. Passávamos pela Rua Dr. Alcides Prestes e desviávamos para a Rua Gracianópolis. Para não expor nossa cumplicidade à Rua Casa Forte, muito próxima da Rua Marechal Fontoura onde a minha deusa morava, fazíamos outro desvio para a Rua Ismael Nery e lá nos recostávamos sob uma árvore frondosa que foi testemunha das mais belas carícias e juras de amor. Voltávamos para casa sempre por caminhos separados e nos fins de semana nos reencontrávamos na casa da saudosa Dona Vera, que sancionou o nosso amor como uma juíza de paz e fez de seu lar um ponto de encontro de todos os jovens do grupo local de sistemas.

Esta deusa poderia ter me ensinado outras coisas além dos beijos cinematográficos e dos abraços repletos de ternura, mas ela preferiu preservar o meu romantismo e o alimentou com palavras emblemáticas. Dizia que eu era seu 'marinheiro'. Inebriado de tanta paixão juvenil, eu não me preocupava em saber qual de nós estava empreendendo sua primeira viagem pelos complicados caminhos do coração, e retribuía sua sublime vivacidade feminina com poesias e canções. A minha deusa se encantava com meus escritos e meus cânticos e me estimulava a fazer declamações ao longo dos caminhos que trilhávamos juntos.

Num lindo sábado vespertino, com o céu rosáceo do sol poente, passeávamos pela Rua Florinéia onde ficava o Grupo Escolar Expedicionário Brasileiro do qual recebi o meu diploma do curso primário. De repente, nos deteve uma agradável e distante melodia, vindo das cercanias, e que passou por nós como o efeito Doppler, se aproximando furtiva e suavemente, depois nos arrebatando com sua estrondosa sonoridade e, finalmente, se distanciando gradativamente como os últimos raios de sol no firmamento. Eram os Beatles na voz de Paul cantando 'Você diz sim, eu digo não. Você diz pare e eu digo vá. Você diz adeus e eu digo olá'. Sempre que ouço ou apenas me lembro desta canção sou imediatamente remetido para aquele momento que nos deixou estáticos e comovidos, pois nós não tínhamos ido ao encontro daquela canção. Ela que veio até nós. Só hoje compreendo que, embora 'Hello Goodbye' tivesse se tornado a nossa música favorita, ela nos procurou para nos dar um enigmático aviso. Naqueles dias, eu não entedia porque Paul precisava dizer a uma mulher: 'Eu não sei porque você diz adeus enquanto eu digo olá'.

Num domingo de matinê, a Maria veio ter comigo de novo, desta vez para me dizer que a deusa havia desmanchado o namoro por causa de sua mãe. Quando a Marcia mandou me dizer que nosso romance estava acabado por causa de seu irmão, eu senti um vazio enorme, mas não demorei muito para me refazer. Mas quando a minha deusa fez o mesmo comigo, o chão desabou sob os meus pés e me fez cair numa profunda fossa. Fiquei desesperado, desamparado, desorientado e sem forças para subir à superfície. Custei muito a voltar ao convívio habitual com meus amigos da Corneteiro e da Extensão do Jaçanã onde eu estudava até que, depois de muito tempo, consegui iniciar um novo namoro com a Rosa, com quem me casei, tive três filhas e de quem me divorciei depois de nossa festa de bodas de prata.

Eu tinha com a Rosa um namorico firme, mas eu não perdia um baile sequer da turma que conheci em outras galáxias. Num desses bailes, realizado nas proximidades da Rua Ismael Nery, eu saí para a sacada do sobrado para dar umas tragadas e bebericar uma cuba-libre ao ar livre (desculpem-me o trocadilho) e me surpreendi com a presença da minha deusa no canto oposto do terraço. De longe, ela me viu e me acenou, e logo veio ao meu encontro. Já não me recordo quem a convidara para aquele baile ou mesmo se ela estava acompanhada. Ela me tirou para dançar e, em seguida, me chamou para um passeio. Eu lhe perguntei para onde e ela me respondeu: 'Nossa árvore está perto daqui'. Eu achei tudo aquilo muito casual, brusco e oportunista demais. Não se coadunava com a preciosa paixão, caprichosamente lapidada, que tínhamos um pelo outro. Por isso, naquela noite, eu estava menos empolgado do que curioso. Menos emocionado do que ansioso.

No entanto, para a frondosa árvore, nada era fortuito ou inesperado. Para ela, tudo era sempre igual como as quatro estações do ano e nós éramos uma delas que retornava com os mesmos acalorados beijos e abraços de verão aos quais ele se acostumara. O que aquela árvore jamais presenciara foram as lágrimas vertendo dos olhos meigos e sinceros da minha deusa com uma voz embargada a suplicar-me perdão. Foi a primeira vez que eu vi aquela jovem mulher que eu endeusei chorar, dizer que sentia minha falta e que não poderia viver sem mim. Eu era ingênuo e simplório demais para minha idade e, muitas vezes, paradoxalmente, eu me comportava com uma fidelidade que se espera encontrar somente nos adultos. Eu cometi o sacrilégio de não assentir imediatamente ao pedido de minha deusa porque eu estava comprometido com outra garota. Ela não se conformou e levantou a voz contra mim. A última coisa que eu esperava da minha deusa era uma promessa de vingança. Eu não pude acreditar nas suas palavras e as atribui a um possível excesso de vodca no baile. Contudo, a minha deusa estava falando sério e sóbria, pois, na semana seguinte, ela bateu na casa da Rosa em plena luz do dia, chamou-a para fora e fez um grande escândalo por minha causa. Comentar os desdobramentos daquele incidente seria uma injustiça à coragem, firmeza e determinação da minha deusa. Basta dizer que eu não a vi mais e pouco tempo depois deste triste episódio ela deixou a Água Fria.

Em termos astronômicos, essa deusa foi como um cometa desvencilhado das gravidades solares e que, nas suas andanças pelo universo de São Paulo, precisou fazer uma breve parada na galáxia Água Fria, mas seu brilho passou desapercebido por todos os habitantes, o que não pode ser justificado só pelo fato dele ter feito uma morada transitória nos confins desse pequeno agrupamento estelar, pois ele demorou-se o suficiente no seu populoso núcleo para ser notado.

Talvez ela fosse uma deusa só para mim, mas que não pertencia a mim nem à Água Fria.

Se eu pudesse voltar no tempo, eu diria a ela que eu era muito medroso e muito fraco. Tinha medo que meu frágil coração não resistisse a mais uma desilusão como aquela que tive com a Marcia e, mais recentemente, com minha própria deusa. Talvez eu me sentisse mais seguro com a Rosa, que era mais tímida do que eu, mais conservadora, incapaz de empolgar, mas também incapaz de despedaçar corações de qualquer idade. "Se você pegasse no meu pé como sua mãe pegou no seu. Se você chutasse o pau da minha barraca ao invés da barraca da Rosa. Se você soubesse como eu me abalava emocionalmente com tanta facilidade. Se você soubesse..."

Como eu não posso mais voltar no tempo, resta-me dizer que a Avenida Água Fria nasceu ao lado da Avenida Nova Cantareira, e seguiu adiante, quase sempre em linha reta, sempre fiel ao bairro que leva seu nome, recebendo inúmeras ruas perpendiculares e serpenteadas, como um rio que acolhe vários afluentes, e sempre conformada com as delimitações de sua jurisdição. Já a Nova Cantareira tomou um rumo diferente, abriu um enorme leque para o leste, fez o Jardim São Paulo e a Vila Paulicéia abrirem alas para lhe dar passagem, perscrutou todo o bairro de Tucuruvi, se impôs como fronteira entre o Jardim França e o antigo Morro do Ademar, bateu de frente com o Barro Branco sem tomar conhecimento da Avenida Água Fria que ali se contivera, e voltou a se embrenhar pelo norte, deixando para trás a Vila Albertina e o Tremembé até chegar ao pé da serra que leva seu nome e faz fronteira com outro universo de Mairiporã.

Talvez eu tenha sido a Avenida Água Fria, mais resignado e com expectativas mais limitadas, enquanto que a minha deusa foi a Avenida Nova Cantareira, mais atirada, como um Ulisses instigado pelo destino a sair em busca de odisséias e contemplar outros mundos. Coincidentemente, hoje resido na base da Serra da Cantareira, com a Cecília, minha esposa, e a pequena Ana Carolina, minha quarta filha. Mas minha deusa, eu não sei onde está.

Na minha narrativa sob o título 'Minha Passagem Por Jaçanã', publicada neste espaço, eu fiz uma homenagem àquele bairro com uma tradução livre e modificada da letra da música 'Ladies And Gentlemen We Are Floating In Space' da banda inglesa 'Spiritualized’. Agora, uma vez mais, escolho outra música desta mesma banda e do mesmo álbum, chamada 'Broken Heart' (Coração Partido) como fonte de inspiração para prestar uma homenagem ao Bairro da Água Fria e à minha eterna deusa. A tradução não é literal. Eu a modifiquei e a adaptei para melhor exprimir meus sentimentos.

''Embora tivéssemos nossos corações partidos, tínhamos que nos manter ocupados para não nos transformarmos em inconsoláveis. Havia um monte de coisas que precisavam ser feitas. E só Deus sabe com que corações partidos tivemos que fazê-las. Embora tivéssemos sonhos frustrados, tínhamos que nos manter ocupados porque não podíamos viver de sonhar um com o outro. Havia muitas coisas que precisávamos realizar. E só Deus sabe com que sonhos frustrados tivemos que realizá-las. E porque tínhamos lembranças recorrentes que nos deprimiam, tivemos que beber para esquecer um do outro, pois nos diziam que isto curaria o tempo adoentado, mas só Deus sabe com que tamanha depressão acordávamos de nossas bebedeiras. E porque ficávamos chorando o tempo todo, tivemos que cobrir nossas lágrimas com sorrisos forçados e seguir em frente como se estivéssemos recuperados, mas só Deus sabe quão sofridas têm sido nossas peregrinações pela vida, distantes um do outro, e com os nossos corações machucados.''

e-mail do autor: [email protected] E-mail: [email protected]
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 12/08/2011 Morei na Corneteiro de 1973/1983, entre 12/22 anos - conheci muitas pessoas, fiz muitas amizades. Morava no 171 um sobrado alto geminados que avistava toda a serra da cantareira e mais abaixo o quartel do barro branco. Lembro que o Claúdio (filho do Casa Verde) chegou a falar de você e do tal de Capeta, que eram muito zueira. A melhor lembrança mesmo era quando jogavamos bola no larguinho ou em frente onde eu morava contra os caras da casa forte, contra os caras da Ismael... um abraço. Enviado por Mauricio Buchmeier - [email protected]
Publicado em 06/05/2011 Gostei muito da história...mas triste também...mas gosto do seu estilo de escrever!Parabéns Enviado por Luciene Tanaka - [email protected]
Publicado em 20/04/2011 (cont)na r. Mambuca,Carne seca etc..Naquela época era uma barreira em toda parte. Tive algumas inspiradoras namoradas e uma só deusa,que me deu um fora inseperado. Por isso a endeusei.Talvez seja esse o seu caso tb ! Coincidentemente ela era dois anos mais velha que eu.Dor de cotovelo se cura!O desconhecido sempre nos atrái mais.Ah, ah. Abraço: OGIER (TB escreví um livreto) Enviado por ogier montagna - [email protected]
Publicado em 20/04/2011 Caro Alceu,nasci em 1941,morei na rua Ismael Neri até uns 4 anos.Mudei para Santana e voltei quando tinha 16 anos. Só saí de lá quando casei em 1969.Assim quase toda adolescência perambulava pelas redondesas.Como v. é 11 anos mais novo o que contou foi experimentado tb por mim um pouco antes.Não tive uma árvore mas alguns becos menos iluminados.Minha esposa morava em Tucuruví e namorávamos tb na rua do Alto.Frequentava bailinhos mil inclusive no Acre clube. A Makerli, Iogurte,o campo de futebol Enviado por ogier montagna - [email protected]
Publicado em 17/11/2010 Caraca! Linda crônica. Viajei em todas essas ruas e passagens, tive a sorte de nascer, crescer e viver até hoje na ZN (Barro Branco). E tb tive um Amor mal acabado e eternizado. Parabéns! Enviado por Angela - [email protected]
Publicado em 06/03/2010 parabens pela sua historia. Alceu minha filha precisa fazer trabalho de escola e não consigo localizar a data de fundação do bairro agua fria, voce pode nos ajudar? Agradeço Enviado por iara - [email protected]
Publicado em 14/01/2010 Alceu,
De tudo que li s/ o Acre e as ruas, só não vi o nome da turma da mariola (Pratinha, Chuvinha, Serginho, Serjão e outros)
Enviado por juca - [email protected]
Publicado em 13/01/2010 Alceu,sou Suely irmã do Dilamar(Lé)achei linda a sua crônica sobre a A.Fria e suas memórias....voltei à minha infância e confesso ,me emocionei! Enviado por SUELY - [email protected]
Publicado em 11/01/2010 Alceu, que bom cara, voce está entre nós, embora não saiba aonde. Bem, li e gostei e, confesso:me emocionei, ainda mais porque hoje ( 11/01 ), faz um dia que o Paulão( sim ele mesmo da mesma rua Corneteiro), foi sepultado.
Peço-lhe, escreva-me.
Caso não se recorde sou o Lé.
Forte abraço!!!
Enviado por dilamar de oliveira - [email protected]
Publicado em 11/01/2010 Para terminar, ler a sua história foi uma viagem incrivel não ao passado, mas a um lugar muito especial que todos temos guardado dentro dos nosso corações e memória. Parabéns pelo belo texto e um abraço Enviado por Samuel Felicio (2) - [email protected]