Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Papai Noel existe! Autor(a): Ana Maria Lisbôa Mortari - Conheça esse autor
História publicada em 23/12/2008

Aproximava-se o Natal. Eu, com seis anos, escrevi minha cartinha ao Papai Noel, pedindo um escorregador, uma boneca que anda e, para não perder nenhuma oportunidade, encerrava escrevendo "e mais tudo o que o senhor quiser trazer para mim"... Muito obrigada.
Pronto. Agora era só esperar.

Tudo teria continuado perfeito, não fosse uma de minhas amiguinhas ter afirmado:
- Papai Noel não existe. Minha mãe disse que é o pai da gente que compra, se veste, põe uma barba postiça e entrega o presente.

Fiquei consternada, porque se isso fosse verdade minha carta teria sido perdida, e o escorregador, então, nem se fala.

Cheguei em casa e interroguei minha mãe:
- A mãe da Marina disse pra ela que Papai Noel não existe e que é o pai da gente quem compra, se fantasia e coloca uma barba postiça para entregar os pacotes...
Minha mãe perguntou-me:
- Ela disse que é fantasia e que a barba é postiça? E o que você acha?
- Ah! Eu não sei! Respondi.
Sem se preocupar, minha mãe decretou:
- É fácil resolver. Quando ele chegar, você pergunta pra ele.

Na véspera do Natal, quando tocou a campainha, corri para abrir a porta junto com minha mãe e lá estava o enorme Papai Noel no portão, com o meu escorregador nas costas, perguntando:
- Foi você quem me pediu um escorregador?
- Ssimm... Respondi atônita e apreensiva, enquanto ele subia as escadas em nossa direção e parava bem na minha frente. Encarei aquele homem alto, de pele tão clara que era um pouco rosada, olhar suave e azul, com uma imensa barba branquinha e disparei:
- Eu sei que você não existe, que foi meu pai que comprou, que você usa barba postiça, porque minha amiga me contou...
Acostumado a atender as crianças, ele colocou o escorregador no chão, abaixou-se para ficar da minha altura e falou:
- Eu existo. Você pode pegar na minha mão...
E eu peguei desconfiada: era mesmo a mão dele!
- Você está fantasiado e a sua barba é postiça.
Mais uma vez ele falou com voz suave:
- Minha barba também é de verdade, pode olhar.
Cheguei bem pertinho e, quando ele menos esperava, dei um enorme puxão.
- Ai! - ele falou surpreso! Você puxou muito forte e doeu, mas agora, você acredita?
- Você é de verdade e sua barba também, respondi, e fico muito feliz porque assim você vai me trazer mais brinquedos no ano que vem...
- Fechado! Toque aqui! Esticando sua enorme mão em minha direção...
E selamos nossa combinação futura, com um grande aperto de mão.

Afinal todas as dúvidas estavam solucionadas!

Anos depois, lembrando o caso, minha mãe me contou que aquele senhor era suíço, contratado todos os anos pela Casa São Nicolau, da Praça do Patriarca, para entregar os presentes de Natal, e eu fiquei muito feliz pela linda lembrança que ele deixou em minha vida, afinal... ele era de verdade!

e-mail do autor: [email protected]

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 20/04/2012 Cheguei agora neste site,E tive lembranças das gafes cometidas por PAPAIS NOEIS da família na época que foram muitas,No sítio onde nos reuníamos nos Natais ,cada ano era um para ser o dito cujo Teve ano que o comentário de criança foi; O cheiro do papai noel é igual do meu avô;ou aponta do tênis era igual do meu tio;O pior foi quando as crianças se juntaram e deram uma camisa de presente ao papai noel e ele foi ao almoço do dia seguinte com ela!!!GRRRRRRRRR Enviado por walquiria rocha machado - [email protected]
Publicado em 25/01/2009 ANA MARIA, quando agente e criança tudo existe, o papai do ceu, o papai noel, a bondade, a cinceridade, a amizade, e a felicidade. quando crecemos tudo vai embora, so fica a REALIDADE. Enviado por joao claudio capasso - [email protected]
Publicado em 24/12/2008 O que??? Papai Noel nao existe?? rs...rs...Feliz Natal pra vc. Enviado por Etel - [email protected]
Publicado em 24/12/2008 Que pena, Ana Maria, sempre gostei de comentar seus textos mas, como vc. NÃO GOSTA E NÃO QUER QUE EU ESCREVA MAIS, paro por aí. Um abraço.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 23/12/2008 Abençoados sejam nossos sonhos minha irmã, eles elevam o nosso espirito. Enviado por Benedito - [email protected]
Publicado em 23/12/2008 Li atentamente seu relato Ana e não resisti a emoção e decidi escrevr-lhe porque me fez voltar também aos meus 7 ou 8 anos. Morávamos em Lucélia(SP). Vai daí que nessa época do ano decidi escrever uma carta para o Papai Noel pedindo uma bicicleta. Eis que, na manhã do dia 25 de dezembro, acho que de 1948, deparo na beira da minha cama com um tricíclo. No guidon tinha um envelope com um bilhete do Papai Noel mais ou menos assim: "Arlindo, o Papai Noel ficou muito feliz e surpreso com a sua inteligência em escrever a carta. Por isso resolvi atender. Só que você tem que deixar seus irmãos brincar, caso contrário eu volto e levo o presente de". Foi a maior felicidade da minha vida. Sabe porque? Meus demais irmãos e irmã não ganharam nada, infelizmente.Décadas depois, tinha uma empresa jornalística no ABC Paulista e entrei em contato com empresários, conseguido diversos brinquedos. Me vesti de Papai Noel e sai pela periferia a fora destribuindo presentes para crianças carentes. Quanta alegria naqueles semblantes inocentes! Como me fez um bem para meu corpo e meu espírito! Acho que a criança carente não faz questão do tipo de presente que recebe. Ela fica feliz quando o presente é dado pelo Papai Noel. Felizmente nenhuma daquelas crianças arriscou a puxar minha barba, caso contrário quem iria chorar seria eu. Não de dor, mas de desgosto. Parabéns. (Arlindo-Ligeirinho-Ribeiro). Enviado por Arlindo-Ligeirinho-Ribeiro - [email protected]
Publicado em 23/12/2008 Papai Noel existe, até prova em contrario. Este ano será a terceira vez que me visto de papai Noel para entregar os presentes a, minha netinha Alice. Coisa da minha nora, que foi na 25, e comprou a roupa do Noel. Fico a imaginar a hora que minha neta perceba que o papai Noel dela, é seu avo? Mama Mia! Enviado por Mário Lopomo - [email protected]
Publicado em 23/12/2008 Ana, adoro Papai Noel e sempre, enquanto foi´possível, incentivei sua presença-ausência. Nunca contratei ninguém para ser Papei Noel porque gosto dele na imaginação.
Feliz Natal para você. Ivette
Enviado por Ivette Gomes Moreira - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »