Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Furto da Pedra Fundamental e a Cavalgada de 1976 Autor(a): Antonio Claret - Conheça esse autor
História publicada em 21/11/2005
1973. Ditadura a todo vapor, sob o comando do General Garrastazu Médici. Reitor da USP Miguel Reale, Diretor da Faculdade de Direito Prof. Pinto Antunes ( José P. Antunes), secretariado pela Dra. Drinadir Coelho. A inteligência, infiltrada no movimento estudantil, verificou que uma das maneiras de neutralizar a influência dos acadêmicos de Direito era confiná-los no campus da Cidade Universitária, onde seria, com certeza, mais fácil, manter todos sob controle.

Daí a decisão de transferir a Faculdade de Direito, do Largo São Francisco para a Cidade Universitária, situada na zona oeste da capital, bairro do Butantã, marcando-se a data de 30 de outubro para o festivo lançamento da pedra fundamental do prédio.



No Largo, a notícia soou rapidamente. Luiz Antonio Alves de Souza, presidente do XI de Agosto, eleito pelo Movimento 23 de Junho, que, aliás, compareceu à solenidade de lançamento da pedra, mais preocupado com as festividades do 70° aniversário da entidade, se limitou a conduzir pesquisa entre os alunos sobre a decisão, não tendo tomado qualquer atitude que pudesse manifestar o descontentamento reinante nas Arcadas.



Coube à oposição, representada por integrantes do PRA ( Partido de Representação Acadêmica ), mais precisamente a Caio Luiz de Carvalho, Luiz Eduardo Gotilla, José Renato Teixeira, Fernando Assumpção Galvão e Walter Lapíetra, sob a coordenação do Caio Pompeu de Toledo, antigo aluno, a iniciativa da implementação do furto da pedra fundamental.



Inicialmente, designado para horas mortas da noite, o furto se concretizou, no início da tarde de 30 de outubro, num local ermo da Cidade Universitária, após findas as festividades do enterramento de uma caixa de cobre, contendo no seu interior pergaminho assinado pelos presentes, moedas da época e jornais do dia.



O apressamento da operação foi decidido por Gotilla e Zé Renato que foram ao local para traçar o plano do resgate noturno e, diante da total ausência de vigilância, se sentiram atraídos para completar o apossamento naquele exato momento sem perda de tempo, aproveitando ainda o estado de novo do cimento que cobria a caixa.



Com valoroso troféu nas mãos os acadêmicos se apressaram em enterrá-lo bem ao lado da Tribuna Livre, debaixo de uma lápide com a inscrição ditada por Caio Pompeu "Quantas forem lançadas, tantas serão arrancadas 30- X-1973".



A imprensa se fez presente no Largo e difundiu o fato por mais de uma semana, culminando, inclusive, com festividades do sétimo dia, estas a cargo dos demais grupos que não lograram chegar antes da turma da PRA.



O assunto da transferência da Faculdade prorrogou até 1976, quando no dia 11 de agosto, na noite em que tinham início os festejos do sesquicentenário da fundação dos cursos jurídicos, grupo de antigos alunos, sob a liderança de Paulo Afonso Lucas e do autor destas linhas, adentrou o Pátio das Arcadas em cavalgada para marcar definitivamente o que se chamou de "Dia do Fico". Conseguimos três cavalos de raça, um deles branco, sobre o qual me encontrava vestido de Pedro Iº. Após a entrada do Governador Paulo Egidio Martins, sob os acordes da marcha batida por parte da Banda da Policia Militar, o cortejo adentrou o prédio da Faculdade em direção ao pátio, onde li manifesto contrário à mudança para o campus da USP, terminando com grito de "ficamos!" que foi repetido pelos presentes por mais de dez minutos, interrompendo a cerimônia que se realizava no salão nobre.
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 24/06/2010 Alguem sabe onde anda a Dra Drinadir Coelho? Enviado por Laureni Fochetto - [email protected]
Publicado em 17/01/2008 apenas duas breves correções; Era "noite do Fico" e o grito, cunhado por mim era "Nós Ficamos".Abraços Acadêmicos, eternos, portanto. Enviado por paulo afonso lucas - [email protected]
Publicado em 20/05/2007 mas, e o segundo e frepelido lançamento da tal pedra. em que data acontgeceu? porque, se não me falha a medmória, houve uma reincidência da reitoriaz em malfadado plano. Enviado por FERNANDO SILVA - [email protected]
Publicado em 22/11/2005 O depoimento do Velho companheiro das Arcadas Antonio Claret é estupendo e me fez voltar no tempo. Ele só deixou de falar que nossa turma o chamava de O TRIBUNO, tantas vezes ele ocupava a Tribuna Livre do Largo de São Francisco, com discursos magistrais.

Caio Luiz de Carvalho
Enviado por Caio Luiz de Carvalho - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »