Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Tatuapé a partir de 1947 Autor(a): Dirceu - Conheça esse autor
História publicada em 06/11/2008
Li, neste site, muitas histórias do meu tempo da juventude e lembrei dos bons tempos.

UMA PARTE DA MINHA VIDA EM SÃO PAULO

Acabou a II Guerra Mundial e mudamos do interior para São Paulo. Andando no centro com meu pai, vi o prédio Martinelli e, lá em cima, uma grande garrafa da Coca-Cola, girando.

O prédio do Estado de São Paulo não estava terminado, se não me engano; e à Catedral da Sé faltava terminar a torre da esquerda, a qual da praça se olhava.

Tinha um local para os cavalos ou birros beberem água, na Praça da Sé; um relógio grande, que nunca consegui parar para ver porque mudavam muito de local. Vi as grandes propagandas com letras e enfeites que se mexiam (o neon).

Como era boa esta cidade de São Paulo. Fomos morar no bairro do Tatuapé.

A FAVELA

Uma vez, andando de bicicleta perto do Rio Tietê (sem poluição), vi um monte de casinhas feitas de lona, ou coisa parecida, e muitas pessoas. Saí correndo para falar com meu pai - eram as favelas, mas, eu nunca tinha visto.

TELEVISÃO

Um dia, meu pai comprou um aparelho de TV, porque eu gastava dinheiro e ficava no bar da Avenida Celso Garcia, esquina com a Rua Felipe Camarão, tomando guaraná com sanduíche de bauru.

Uma noite, vi em outro canal a transmissão experimental de um novo canal de TV. Um dia, inaugurou-se o Canal 5 de televisão (tirei uma foto aparecendo esse canal de TV).

CORRETOR DE IMÓVEIS

Em 1952, entrei para a carreira de corretor de imóveis - mas não existia o CRECI, só o Sindicato dos Corretores de Imóveis.

Tive e tenho uma vida muita boa. O que estragou foram os cigarros que fumei e com os quais sofro muito para viver.

e-mail do autor: [email protected] E-mail: [email protected]
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 30/12/2008 Creio que o bar a que se refere o amigo, na esquina da Celso Garcia com a Felipe Camarão deva ser a Padaria Estrela Dalva, onde costumava uma vez por mes comprar pizza que levava até a rua Francisco Bueno (travessa da iguaruçu de um lado e Ulisses no outro). Passava pela frente do antigo cine São Luiz, pela fabrica da Textilia, pelo INss, antigo Iapetec, cruzava a Coronel Quartin, Engenho Velho, até quase em frente ao MOinho Santista entrava pela Iguaruçu.
Era bom demais
Enviado por rubens de carlos passos - [email protected]
Publicado em 08/11/2008 Dirceu, o Tatuapé agora está bonito e famoso, acho que bem diferente de outrora, melhorou muito a vida dos moradores deste bairro. Um abraço Enviado por margarida p peramezza - [email protected]
Publicado em 07/11/2008 Instantâneos que "berram" pra se fazer ouvir; o encanto da sinopse está, justamente em expor fatos e deixar pro "ouvinte" decifrar seu conteudo. Parabens, Dirceu.
Laruccia
Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 07/11/2008 Quando ficava doente, minha mãe me levava na farmácia do Branco, ali na Rua Vilela,esq.com a Celso Garcia. Enviado por RUBENS ROSA - [email protected]
Publicado em 06/11/2008 Belos flashs de momentos inesqueciveis de uma Sao Paulo da nossa juventude.Parabens Enviado por Etel Buss - [email protected]
Publicado em 06/11/2008 Caro Dirceu, nasci na Felipe Camarão, em 1942, pertinho do bar onde voce tomava seu guaraná, abraço,Beira Enviado por jose c.beira - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »