Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Histórias do Bonde Perdizes 19 Autor(a): Ana Maria Lisbôa Mortari - Conheça esse autor
História publicada em 07/10/2008

Como tantas vezes, enquanto desfrutávamos a happy hour no altíssimo terraço da Eugenia, tendo a nossos pés uma vista de São Paulo de dar inveja a um cartão postal, olhávamos os Jardins, o Jockey Clube, o Morumbi, o Parque do Ibirapuera. O mar de edifícios a perder de vista era separado, aqui e ali, pelas áreas verdes de clubes e parques.

O bairro dos Jardins foi projetado pela Companhia City e pelo arquiteto urbanista inglês Barry Parker, o mesmo que projetou o Pacaembu, com ruas sinuosas, arborizadas, canteiros laterais nas calçadas, ladeando o espaço dos pedestres - embora não se consiga mais visualizá-los completamente, escondidos ou substituídos pelos grandes arranha-céus que, desde os anos 50, dominaram implacavelmente a região.

Aqui e ali, um helicóptero descendo nos heliportos dos edifícios mostra, claramente, a substituição dos transportes, do tempo em que poucos automóveis deslizavam nos trilhos dos bondes, de forma macia pelas ruas, fugindo do sacolejar provocado pelo calçamento de paralelepípedos das ruas paulistanas.

Lembrando-me dos bondes que rodaram em São Paulo de 1926 a 1969, vieram à tona uma série de lembranças desfrutadas pelo nosso grupo, durante nossa infância nos bairros do Pacaembu e Perdizes. Convivemos com os bondes vermelhos, fechados e charmosos, que não tardou a pegarem o apelido de "camarão". Apesar da pilhéria, este canadense fez muito sucesso junto à população do bairro, acostumada a ver o "Perdizes 19" passando, com seu barulho de rodas de aço nos trilhos e seu motor elétrico, fazendo o percurso da Praça do Correio até o alto das Perdizes (como era chamado o topo da Cardoso de Almeida, na confluência com a Rua Caiubi, onde existia um terminal em "T" para o retorno do bonde, em frente ao local onde existe até hoje a Igreja de São Domingos e o prédio do seu antigo convento, onde atualmente funciona o Colégio Pentágono).

Devido à subida íngreme até o Convento dos Dominicanos, a Rua Cardoso de Almeida se chamou anteriormente de Rua Tabor, lembrando o antigo monte bíblico, passando a chamar-se Rua Dr. Cardoso de Almeida, em homenagem ao conhecido médico da região. Além de ter sido deputado, Secretário da Justiça e Chefe de Polícia, ele morava na chácara que ali existia, cuja casa sede e o restante de suas árvores estão, atualmente, no terreno dos Dominicanos.

As pessoas gostavam de utilizar o bonde, porque sua baixa velocidade de 30 km/h permitia desfrutar a paisagem da cidade. Mas eram os estudantes dos colégios Santa Marcelina, Assis Pacheco e Baptista Brasileiro os que mais vibravam em seus passeios e estripulias, que permaneceram em nossas memórias.

Nos locais em que os trilhos possuíam conexões, para virarem e outro trilho seguia em frente, o motorneiro utilizava uma espécie de chave de fenda gigantesca com mais de metro de comprimento, para alcançar o trilho e virar a adaptação antes de passar.

Os garotos gostavam de subir a Cardoso de Almeida "chocando o bonde", ou seja, em pé no pára-choque traseiro, segurando-se nas travessas amarelinhas das janelas, embora não faltasse bronca dos motorneiros, que chegavam a parar o bonde para mandá-los descer. Mas eles corriam e tornavam a alcançar o bonde e a subir numa pendenga interminável.

Alguns faziam isso por bastante tempo durante o dia comprido, sem televisão nem internet. Havia os garotos mais levados que, ao chegarem ao topo da rua, desciam do bonde, para logo depois que este começasse a descer, rumo à Praça do Correio, despejar gasolina na canaleta do trilho de aço. Levavam o conteúdo sem dificuldade em garrafas de guaraná, compradas no posto de gasolina sem qualquer restrição. Outros amigos, que estavam lá embaixo na confluência da Rua Turiaçu, assim que a gasolina chegava, ateavam fogo no trilho com um palito de fósforo e sentavam, rindo a não poder mais, nas guias da calçada, enquanto as pessoas que vinham no bonde davam "pitos” nos moleques, fazendo clássicas ameaças de falar com seus pais.

Assim, eles corriam dali para retornar depois de uns dias para outra travessura. Na subida, o bonde ia mais devagar do que o normal, devido ao esforço para subir a ladeira, o que facilitava para os meninos subirem no pára-choque, puxarem a alavanca que corria no fio elétrico da rua e pimba: o bonde parava pela falta de energia...

Lá ia o bondoso motorneiro com paciência de Jó, como vovó falava, recolocar a alavanca no fio para o bonde voltar a andar. Enquanto isso, os garotos já haviam subido pela porta de trás do bonde para viajarem sem pagar. Não sei se o motorneiro não percebia ou ficava se fazendo de distraído, conivente com a arte dos meninos, que achavam uma graça louca de irem até o colégio de carona.

Na altura do Colégio Santa Marcelina, onde estudei, o bonde que descia a rua cruzava com o outro subindo - embora nem sempre a coisa fosse bem assim.
Imaginem que os meninos iam até o topo da Cardoso, desciam passando sabão nos trilhos do bonde e, quando o bonde ia subindo, começava a escorregar e a derrapar sem conseguir subir, com a observância de toda a meninada do Colégio...

Era nesse momento que muitas pessoas percebiam para quê o motorneiro trazia sempre uma caixinha de areia junto a seus pés: pacientemente, com uma pá, ele a jogava nos trilhos, para que o bonde pudesse continuar a subir, sem derrapar no sabão.

Assim, entre artes e fuzarcas, cresceram os garotos do bairro, onde as lembranças desses tempos e momentos vividos trazem ainda boas risadas.

Circuito de ida: Praça do Correio, Avenida São João, Praça Marechal Deodoro, Avenida General Olimpio da Silveira, Largo Padre Péricles, Rua Cardoso de Almeida, Rua Caiubi.

Circuito de volta: Rua Caiubi, Rua Cardoso de Almeida, Largo Padre Péricles, Avenida General Olimpio da Silveira, Praça Marechal Deodoro, Avenida São João, Largo do Paissandu, Rua Capitão Salomão, Rua do Seminário e Praça do Correio.

e-mail do autor: [email protected]

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 29/01/2011 Também tive a felicidade de viver essa época! Estudei no Batista e morava na Praca Gal. Olímpio da Silveira. O bonde 19 era o meu meio de transporte.Mais tarde morei na Rua Caiovás, Caiubi e Turiassu. Casei-me na igreja do largo Padre Péricles.Foi uma época maravilhosa!! Hoje4 é só saudade. Enviado por maria julia - [email protected]
Publicado em 18/02/2009 Lindo e belíssimo o bairro Perdizes onde tive o prazer de morar e sempre visitar quando ainda estava em São Paulo. Parabens pelo trabalho. Enviado por Jorge Amado Ribeiro Soares - [email protected]
Publicado em 30/01/2009 adorei a historia , gostaria de saber mais sobre aguardo Enviado por marcelo pessoa vanderles - [email protected]
Publicado em 16/10/2008 Maravilhosa essa imagem do encontro dos bondes em frente ao Santa Marcelina.
Perdizes foi a San Francisco brasileira mesmo...
Enviado por Mauro Souza - [email protected]
Publicado em 08/10/2008 Ana Maria : Seu texto fez-me recordar os tempos da adolescencia pois morei perto de 20 anos em diversas casas nas ruas Itapicuru,Franco da Rocha e Ministro Godoy. Estudei no Externato Assis Pacheco da Dona Lourdes, no Colegio Batista Brasileiro do Pastor Silas Botelho, enquanto minha irmã Inês cursou o Santa Marcelina. Quando ingressei no Ginásio São Bento,passei a viajar diariamente no bonde Perdizes 19, usando o passe escolar de cor azul, mas havia também o bonde Perdizes 39, que tinha o ponto final na praça Ramos de Azevedo. Se voce ia para a "cidade" mas o destino era a praça do Patriarcha, o jeito era tomar o onibus Perdizes, de cor azul, no ponto inicial que ficava na confluência das ruas Monte Alegre e Candido Espinheira. Bons tempos ! Quanta saudade ! EMP Enviado por expedito marques pereira - [email protected]
Publicado em 08/10/2008 Ana como você mesma escreve nós "Garotos" éramos mesmo uns capetinhas.
Ser garoto naquela época para mim foi uma dádiva e, portanto continuo sendo garoto até hoje.
Lindo texto
Abraços
Falcon
Enviado por Marcos Falcon - [email protected]
Publicado em 08/10/2008 Uma sugestão a todos nossos colegas de site: se quizerem dar um belo passeio por São Paulo, nas Perdizes, no bonde 19, faça sinal pro motorneiro, suba, num dos bancos, a sua direita estará Ana Maria Mortari, como guia desse lindo passeio. Acomodado, vais ter o privilégio de um "tour" pelo bairro mais elegante da pauliceia. Lendo esse encantador texto, mesmo conhecendo o bairro como eu, a magia dos parágrafos enaltecendo certos detalhes, irá proporcinar uma emoção extra pra um virtual passageiro de um sistema de transporte que nunca deveria desaparecer. O maior castigo que nós, paulistanos de outrora recebemos foi a extinção dos bondes. A nova geração não avalia nossa triteza porque não teve essa esperiência. Pelas suas palavras, Mortari, tivemos um lampejo, por um momento só, alegria e... tristeza. Parabens, Ana Maria, já falei e repito, algum dia você me mata de emoção.
laruccia
Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 08/10/2008 que felicidade! habitar a nobreza do Pacaembu, Perdizes, Pompeia! Enviado por turan bei - [email protected]
Publicado em 07/10/2008 Ana Maria,lendo seu belo texto lembrei-me de uma música...E igual a toda meninada,quanta travessura eu fazia.....
Um abraço carinhos / Bernadete
Enviado por Bernadete P Souza - [email protected]
Publicado em 07/10/2008 Ana Maria, que gostoso ler estas tuas lembranças. Quanta bagunça se fazia para preencher o tempo de criança, tínhamos tempo de sobra pra pensar na travessura que íamos fazer, após completar as lições de casa. Olha só...me casei na Igreja dos Dominicanos nas Perdizes. Um beijo e parabéns pelo seu texto. Enviado por margarida p peramezza - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »