Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas Minha cidade dos anos 50,60,70... Autor(a): Alcione Godoy Pires - Conheça esse autor
História publicada em 08/11/2005
Com 58 anos, quero destinar essa crônica às lembranças da infância e juventude na Vila Nova Conceição e Adjacências.
Quem não se lembra do Cine Radar, na Av.Santo Amaro, depois transformado em Cine Del Rey? e um pouco mais adiante, o Cine Excelsior, depois também renomeado de Cine Guarujá? e o Cine Graúna, rebatizado de Cine Chaplin? o único que nasceu e morreu com o mesmo nome foi o Vila Rica. Mais tarde nasceria também o Bruni Vila Nova.
E as confecções mais antigas do bairro? a Franita (hoje está na Chácara Santo Antonio) e a Gledson, onde todos os jovens compravam seus Jeans....E ao lado do Monumento às Bandeiras, no Ibirapuera, quem não se lembra do Out-Door da Trivelato, o primeiro Out-Door com movimento? a Caçamba do caminhão subia e descia.....
Depois a gente teve o Chico Hamburger, hoje na Ibirapuera, mais luxuoso, mas com a mesma qualidade de sempre...O Grupo Escolar Martim Francisco, resistindo heroicamente às estocadas até da Prefeitura anterior à essa, que queria derrubá-lo para construir uma "villa" para meia dúzia de amigos.....e a Igreja de São Dimas, com o Padre Arnaldo, com toda a sua fama....a Paulino Pizzaria (hoje na Chácara Santo Antonio também)...inúmeros Boliches que resistiram alguns anos e sumiram....uma pista de skate, a melhor do mundo na época....uma boite, acreditem....alguns Drive-Inns, inclusive o último foi substituído faz bem pouco tempo por uma loja de hamburguer internacional...O Ibirapuera com seus barquinhos à remo e à motor nos lagos, o Restaurante sobre o pontilhão, e a lanchonete à beira do lado, onde havia o melhor banana split do mundo.....êta mundo bom, que saudades.......
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 28/01/2013 Ola.......Gostoso esse tempo em que se podia dormir com as portas abertas.
Lembro-me da carroça puchada a burros,dos carroções de lixos puchados também a burros pelas ruas do bairro.
Onde anda os vizinhos que comprimentavão-se.
Cade a luzinha do lanpião.
Os bondes da voluntarios da patria,até a praça do correio.
AS musicas como lampião de gas e impierro apaixonado etc, etc..... .
E o trenzinho da Catareira,os circos,os palhaços.,
Cade nossos pais, nossos ávos nossos parentes.
Não temos
Enviado por benedito fontes morgado - [email protected]
Publicado em 13/01/2011 Ola Alcione....... assino embaixo tudo que vc escreveu, pois passei por tudo isso e sinto muitas saudades, hoje já estou com 68 anos. Morei na rua Domingos Leme, 378 - outro dia passei lá para ver como está a rua - fiquei pasma, só prédios, não tem nenhuma casa mais para se recordar, as recordações estão na nossa memória. Graças a Deus o Grupo Martim Francisco está lá, tenho ótimas lembranças do bairro, dos cinemas, do parque Ibirapuera. qta banana split comi à beira do lago. Ahhh!! que saudade. Enviado por MARIA HELENA RIZZETTO - [email protected]
Publicado em 30/03/2010 E aí Alcione, como voce está meu velho, quanto tempo heim? Isso é que é gostar da vila nova conceição hein? Precisamos nos ver meu velho e matar saudades da Durex, isso sim era um tempo bom... me escreva quando puder, voce é um cara muito bacana e gostaria de reve-lo novamente. Forte Abraço, Bira Enviado por Bira - [email protected],com.br
Publicado em 14/09/2009 Olá amigo Valter Freitas. Estava lendo suas lembrabças de Sampa do passado e o que mais me chamou a tenção foi sua lembrança da Condessa (um ser humano impar) nunca vou esquecê-la. Nos anos 70 eu era apenas um jovem office boy, descobrí o Nostro através de um amigo e como não podia pagar para entrar toda semana, ela me deixava passar sem pagar. Éramos seis amigos ingenuos e felizes, não bebiamos nada além da batida de wodka com limão preparada pelo barman Benê, lembra? Enviado por Franco Araujo - [email protected]
Publicado em 20/12/2008 Olá Alcione, hoje lendo os muitos comentários fui me lembrando de algumas coisas que estavam apagadas em minha mente. Hoje tenho 67 anos. Morei na V.N.Conceição, na Rua Domingos Leme, a um quarteirão do Martin Francisco, conclui la o primário. Me lembro que faziamos ginastica no patio do grupo e os meninos ficavam no muro nos olhando. Morava no própio grupo um casal e um filho chamado Ademar, com o apelido de Campeão, eu era apaixonada por ele, amor platonico claro.
Tive muitas amiga, mas não consigo lembrar o nome delas. Outro dia meu irmão Ivan Carlos que hoje mora em Blumenau esteve aqui em casa e lembravámos da nossa infância e juventude no bairro. Iamos todos os domingos ao cine Radar, acompanhavamos os seriados do Roy Rogers etc., Andavamos de bicicleta pelas ruas e avenidas até o Ibirapuera, assistimos a sua inauguração. A minha mãe cantava no coral da Igreja, não me lembro o nome do padre da época, ia a missa todos os domingos, as festas juninas no patio da igreja, os meninos mandando bilhetinhos para as maninas, era tudo muito puro, muito bom. Tenho muitas lembranças boas, amigas, paqueras etc..
Graças a Deus que nós podemos ter excelentes lembranças. Foi muito bom ler esses comentários, assim que passar as festas vou dar um passeio por lá. Beijos a todos. Feliz Natal.
Enviado por Maria Helena Rizzetto - [email protected]
Publicado em 26/06/2008 Como é bom recordar.Morei na Vila Nova Conceção até 1999.Estudei no Martim Francisco e me lembro de todos o cinemas que tinham na Av Santo Amaro.Meu primeiro emprego foi no Rodão como auxiliar de vendas.
Hoje vivo no litoral norte de SP e nas poucas vezes que por aí passei,notei que pouca coisa restou daquela época.
Enviado por jane andrade coelho - [email protected]
Publicado em 19/03/2008 Para Alcione, escrevo desde VIGO(España), y hoje ao leer seu artículo non pude menos que lembrar minha infancia nos Barrios de Sao Paulo, adonde fui de pequena, en 1.959 desembarcando en Santos y indo a morar a Sumaré, despois fuimos a morar a Rua Agustinho Cantu, que non sei como se chama hoje y mais tarde fuimos a parar ao Barrio do Caximgui, ao G.E.Senador Adolfo Gordo, donde guardo minhas millores lembranzas, de minhas amigas:Elizabhet, Denise, Luisa, Celina , Solange Klemp y moitas mais, y meu primeiro amor plátonico que nunca esquecin Pedro Luis, fuin a Sao Paulo, no mes de Novembre do 2007 y fun ollar meu Barrio tamben fun no ano 1.979, mais non conseguin encontrar ainda a ninguen mais que n se sente paulista non pode esquecer sua vida no Grande Sao Paulo, o Ipiranga,Pinheiros, Caxingui dos meus amores, ainda que estou moi longe sempre o meu corazón estara ahi, y espero voltar moi pronto y a ver si tenho sorte y encontro a alguen da minha infancia, me encantou tudo o que lein y obrigado polas suas lembranzas, un beijo desde ESPAÑA. Enviado por Mara Portela Chamoso - [email protected]
Publicado em 10/02/2008 A Gledson não existe mais?
A Clodomiro amazonas mudou de nome?
... trabalhei lá, hoje moro em Campo Grande MS
... E o Borba Gato
>>> lá se foram 30 anos, mas é bom recordar
Um abraço e tudo de bom!
Enviado por barreto - [email protected]
Publicado em 21/01/2008 Como é bom recordar os bons tempos! Os bairros da Vila Olimpia e Vila Nova Conceição eram o meu pequeno mundo. Era lá que voava como o Super-Homem, com uma toalha amarrada nas costas. cavalgava vassouras dando tiros de espuleta em bandidos imaginários. Me "perdia no espaço" sideral do meu quintal, Viajava até o fundo do mar na minha calçada e sempre era o artilheiro do melhor time da minha rua. Que saudades da primeira namorada, pequeninha com sua franja morena...dos amigos de aventuras que acabaram mesmo se "perdendo no espaço". Dos doces da mercearia do Salomão. Das figurinhas e jogos de botões dos craques da Copa de 70, compradas na banca do Supermercado Peg Pag da Av. Santo Amaro.
Disputava campeonatos de futebol com bola de meia no páteo do Mártin Francisco.
Os amigos do colégio também se perderam pelo mundo. Mas as grandes paixões lá vividas ficaram para sempre no coração. Como tinha menina bonita no Martin Francisco! Cada ano era uma paixão nova. Sempre platônica, claro. Amor de pré-adolescente mesmo. Pelas ruas do bairro sempre havia uma casa "mau assombrada" ou um morador "suspeito" pra gente "inestigar".
Com certeza Alcione e todas as outras crianças que viveram nestes bairros, viveram as mesmas aventuras
Enviado por Oswaldo Dalessio Filho - [email protected]
Publicado em 20/11/2007 Prezada Alcione.
Eramos muito felizes e não sabiamos,pena q.só esta em nossas memoria. Bonita sua crônica.
Veja se vc. pode me ajudar,tenho uma foto dos alunos do G.E.Martim Francisco-l967,onde tem 23 meninas e 15 meninos e a Prof.Clarice,na epoca a diretora era D.Heloisa Carneiro. Como posso conseguir o nome deles,alguns lembro? (era sala 2 primeiro periodo). Aguardo noticias.
Obrigado pela atenção.
Vilton Giglio
Enviado por vilton giglio - [email protected]